CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

morte lenta

 MORTE LENTA
Rebuçados na boca seca
E àvida
não me adoçam
E meu hálito é de amargura
Nem o mar solto
me
Conduz deste estado
Não acreditando em  amanhã
Verificando os sins que nada
São 
Tudo nos oferecem
Mas pouco nos dão
Apetece.me desitir
Da velhice abraçar
Entrando num asilo
comendo a horas, vendo televisão,
correndo  para a morte
num mar chão
onde não sei nadar.
E nada deixo aos que me amaram
Nem fotos, nem livros
Só poemas dispersos não publicados
Esta é a sombra é verdade
Só me resta vestir
Uma farda de prisioneiro
E nunca mais cantar.

Sintra-2012 

Submited by

quinta-feira, agosto 30, 2012 - 15:28

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

António Leite de Magalhães

imagem de António Leite de Magalhães
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 17 semanas
Membro desde: 07/02/2012
Conteúdos:
Pontos: 220

Comentários

imagem de Henricabilio

Vivemos uma época de

Vivemos uma época de sensações agridoces,
mas na verdade tudo possui uma essência muito amarga.
Gente sem escrúpulos tomou conta do planeta
- Resta-nos sonhos & poesia.

Saudações desde as Caldas da Rainha!

_Abilio

imagem de Adolfo

Morte lenta... desde o

Morte lenta... desde o princípio dela, da vida.
Desgraça parece residir no "horizonte de eventos": quanto mais eminente mais rápida, mais intensa, parece não nos deixar nada nem deixar nada para trás. Contudo apenas parece-me: apenas começando a minha lida, vislumbro ao longe tudo isto...

Gostei do teu verso, António.

Saudações,

Adolfo ((:

imagem de António Leite de Magalhães

Afolfo

meus poemas são escritos a quente sofrem o sopro da Verdade que sempre procurei, não como Fé, mas como motivo militante da Paz, da igualdade e, sobretudo, da Mulheres, que amo como Musas, pois elas ainda existem neste Mundo realmente desmantelado,de valores e consciências.
Tento permanecer Homem e Mente, são para uns más para outros, mas nunca fugirei a minha coerência

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of António Leite de Magalhães

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Erótico POEMAS SECOS 0 618 10/30/2012 - 01:06 Português
Poesia/Dedicado POEMAS SECOS 0 537 10/19/2012 - 15:11 Português
Poesia/Dedicado Antologia%20da%20Poesia%20Negra%20de%20Express%C3%A3o%20Portuguesa%20-%20Infop%C3%A9dia 0 672 10/19/2012 - 14:45 Português
Poesia/Amor POEMAS SECOS 0 563 10/18/2012 - 22:51 Português
Poesia/Erótico POEMAS SECOS 0 647 10/15/2012 - 23:54 Português
Poesia/Erótico hoje dormi e sonhei 2 524 10/15/2012 - 23:52 Português
Poesia/Erótico EROS 1 570 10/13/2012 - 22:28 Português
Poesia/Meditação não sei às vezes 0 573 10/10/2012 - 17:36 Português
Poesia/Canção Garota de Parnaiba 0 663 10/07/2012 - 17:31 Português
Poesia/Erótico Tu 0 727 10/07/2012 - 17:26 Português
Poesia/Amizade Minas Gerais 0 560 10/07/2012 - 16:57 Português
Poesia/Desilusão POEMAS SECOS 0 538 09/25/2012 - 06:03 Português
Poesia/Erótico até sentir teu mar em mim 0 810 09/23/2012 - 18:04 Português
Poesia/Erótico poemassecos 0 624 09/18/2012 - 18:03 Português
Poesia/Intervenção PORTUGAL DESHONRADO 0 475 09/16/2012 - 19:39 Português
Poesia/Canção POEMAS SECOS 0 608 09/14/2012 - 16:23 Português
Poesia/Meditação POEMAS SECOS 0 667 09/10/2012 - 17:18 Português
Poesia/Dedicado POEMAS SECOS 0 1.126 09/09/2012 - 18:19 Português
Poesia/Canção POEMAS SECOS 0 677 09/09/2012 - 17:26 Português
Poesia/Erótico POEMAS SECOS 0 686 09/09/2012 - 17:19 Português
Prosas/Pensamentos te vejo 1 532 09/08/2012 - 17:54 Português
Poesia/Intervenção PORTUGAL DESHONRADO 0 564 09/08/2012 - 16:28 Português
Poesia/Intervenção PORTUGAL DESHONRADO 0 538 09/08/2012 - 16:28 Português
Poesia/Desilusão relatório 0 486 09/07/2012 - 16:15 Português
Poesia/Desilusão relatório 0 503 09/07/2012 - 16:15 Português