CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Valium

 

Andam cansados os dias.
As respectivas noites não pregam olho.
Adormecem depois do almoço.
Passam pelas brasas ao fim da tarde
E quando volta a hora de serem noites
Não tiveram um dia descansado.
Passam os dias em branco
Que se vão acumulando
Para quem vive condicionado pelo tempo.
Uma bebedeira de vigilia epidemica,
Uma insonia colectiva.
Uma vontade de não abrir mão do tal terço da nossa vida.
Dorme noite.
Relaxa.
Bebe um chá de camomila,
Se não resultar toma um valium.
Dois.
Três.
Desde que acordes no dia a seguir
Sem tubo nenhum no nariz a tornar-nos o dia a seguir
Escuro como o carvão activado que constrata com
A brancura das noites a que nos tens habituado.
É de uma canção de embalar que andas a precisar??
Festinhas na cabeça!?
Cafunê!?
Assim será.
Deita-te ao meu colo noite,
Enquanto eu te murmuro melodias de embalar.
Descansa que não adormecerei.
Já tive as minhas canções...
Os meus chás...
O meu valium.
 

Submited by

sábado, março 12, 2011 - 17:44

Poesia :

No votes yet

Outro

imagem de Outro
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 4 semanas
Membro desde: 03/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 890

Comentários

imagem de Susan

Mais um de seus excelentes

Mais um de seus excelentes poemas...

Que exprime muito do que tenho sentido agora 

nesses ultimos dias ....

Beijos

Susan

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Outro

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Saudades Uterinas* 0 793 02/21/2011 - 14:14 Português
Ministério da Poesia/Geral XR2044 0 889 02/21/2011 - 13:36 Português
Ministério da Poesia/Geral Torradas do Pão que o Diabo Amassa 0 698 02/21/2011 - 13:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Sopa de Queixumes 0 443 02/21/2011 - 13:32 Português
Ministério da Poesia/Geral Solidão 0 628 02/21/2011 - 13:31 Português
Ministério da Poesia/Geral Sentidos Apurados 0 785 02/21/2011 - 13:30 Português
Ministério da Poesia/Geral Saldos da Vida 0 586 02/21/2011 - 13:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Realações Descartáveis 0 513 02/21/2011 - 13:26 Português
Ministério da Poesia/Geral Prompt Etaminal 0 591 02/21/2011 - 13:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Poesia Neurocirurgica 0 414 02/21/2011 - 13:23 Português
Ministério da Poesia/Geral Poema Solúvel 0 387 02/21/2011 - 13:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Perdas Derrotas e Amputações 0 495 02/21/2011 - 13:21 Português
Ministério da Poesia/Geral P de Tudo 0 331 02/21/2011 - 13:18 Português
Ministério da Poesia/Geral O Sistema 0 546 02/21/2011 - 13:17 Português
Ministério da Poesia/Geral O Meu Naufragio 0 315 02/21/2011 - 13:13 Português
Ministério da Poesia/Geral O Empréstimo 0 451 02/21/2011 - 13:12 Português
Ministério da Poesia/Geral O Ciclo 0 418 02/21/2011 - 13:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Mulher 0 511 02/21/2011 - 13:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Modas Literarias 0 646 02/21/2011 - 13:06 Português
Ministério da Poesia/Geral Mnemonica 0 558 02/21/2011 - 13:04 Português
Ministério da Poesia/Geral Mnemonica 0 307 02/21/2011 - 13:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Metada do que Sou 0 407 02/21/2011 - 13:02 Português
Ministério da Poesia/Geral Meno Zero 0 590 02/21/2011 - 13:00 Português
Ministério da Poesia/Geral Materializar 0 450 02/21/2011 - 12:59 Português
Ministério da Poesia/Geral Mãe 0 412 02/21/2011 - 12:56 Português