CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Infância

Era naquela época que ouvir um “não” do pai e da mãe doía muito mais que ouvir um “não” do garoto que gostávamos, naquele tempo odiávamos perder o nosso desenho preferido e ele era muito mais valioso que o sorriso daquele garotinho bonito, um ano mais velho.

Era cafona um menino chegar muito perto de uma menina e os brinquedos eram muito mais importantes que os abraços. Os joelhos ralados doíam muito mais que uma rejeição do menino que  você gostava e isso nem era tão importante.
A escola era o lugar que você ia para se divertir, a ingenuidade reinava e mentiras não faziam parte do nosso vocabulário. As “festas que bombavam” eram aquelas em que não parávamos de correr nenhum segundo e o que nos deixavam acordados durante a noite não era a prova no dia seguinte e sim o bicho papão escondido no guarda-roupa. Nossos planos eram para as brincadeiras no dia seguinte e não para um futuro distante.

Porém, depois de certa idade as coisas mudam, os nossos objetivos se alteram, não vemos as coisas como víamos e nossos medos são muito mais reais.
Deixamos certas coisas de lado, percebemos que certas amizades não são sinceras e por mais que isso machuque, o mundo continua girando.

Você cria expectativas e se frustra pelas ilusões, você cria confiança, amor, luta pelos seus sonhos e mesmo não os alcançando, o mundo continua girando, não porque você quer, aliás, se pudesse, tenho certeza que desejaria que o mundo parasse todas as vezes que tivesse momentos bons. Na minha infância, esqueceram de me avisar que a vida não é justa, que nem todas as pessoas são boas como parecem ser e que tenho que correr atrás da minha felicidade,já que no mundo de hoje muitos pisam nos outros para subir na vida,tal fato que nunca imaginaria na minha infância.

Sinto saudades de brincar de pique - esconde, de entrar nas filas dos aniversários para pegar as sacolinhas, de não ter  que me preocupar com vestibular e sempre manter o brilho da esperança no meu olhar.
Sinto saudades da minha infância.

Submited by

sexta-feira, janeiro 25, 2013 - 16:36

Prosas :

No votes yet

Letícia Ferrari

imagem de Letícia Ferrari
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 32 semanas
Membro desde: 01/25/2013
Conteúdos:
Pontos: 27

Comentários

imagem de Adolfo

Bons tempos...

Texto escrito por gente grande... Tem quantos anos, se me permites?

A propósito: sinta-se bem vinda ao W.A.F.!

((:

imagem de Letícia Ferrari

Oi! Tenho 16 anos. Agradeço o

Oi! Tenho 16 anos.
Agradeço o comentário (:

imagem de Adolfo

19

Aff... Perdi o meu "recorde" de mais novo ao entrar no site [riso]

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Letícia Ferrari

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Outros Aqui por você 1 347 02/27/2018 - 12:10 Português
Poesia/Amor By Your Side 2 490 01/29/2013 - 21:10 inglês
Poesia/Meditação Alienação 1 280 01/26/2013 - 03:37 Português
Prosas/Saudade Infância 3 645 01/25/2013 - 17:12 Português
Poesia/Tristeza Nostalgia 4 469 01/25/2013 - 17:11 Português