CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O fantasma da velha escola - 17

Aquela noite, Alfredinho teve um sonho inexplicável. Sonhou que passava em frente à velha escola e ouvia uma voz a chama-lo:
-Alfredinho, venha brincar comigo, por favor. Eu estou tão só. 
Amedrontado, pedia:
-Não, deixe-me em paz!
-Não posso, Alfredinho. Você não veio aqui, não pisou no terreno que o aconselharam a não pisar? Uma vez que você pisou aqui, os mortos não querem que você volte!
-Não, por favor!
Então, Alfredinho via que quem o chamava era Lilith.
-L-Lilith?
Ela estava muito perto do portão, trajando longa túnica negra, os cabelos soltos, a pele pálida se assemelhando a cera e as pupilas totalmente dilatadas. Marcas arroxeadas emolduravam-lhe os olhos como discretos hematomas e uma das mãos finas segurava uma vela.
-Lilith, por que me chamou?
-Temos que completar o círculo, Alfredinho. Estamos todos mortos. Veja.
Súblito, Marcão e José Afonso surgiam atrás dele, igualmenter mortos e pálidos.
-Hora de se juntar a nós, Alfredinho.
Marcão e José Afonso o agarraram e ele gritou:
-Soltem-me, malditos!
Como mortos podiam ter tanta força? E, além daquilo, as mãos frias tinham um toque repugnante.
-Soltem-me!
-Nunca, Alfredinho!
Lilith apenas olhava, impassível.
Alfredinho acordou suado e trêmulo. Podia jurar que sentira as mãos da morte a agarrá-lo.
-Que será que isso significa, meu Deus?
O que ocorrera na casa de Lilith fora indescritível. Ele nunca poderia imaginar que coisas daquele tipo pudessem acontecer. E que fossem tão horríveis. Sentira toda a ira de José Afonso, a maldade da menina e o perigo de mexer com o sobrenatural. E sabia que nada mais seria o mesmo agora que sua mãe, os pais de Lilith e os de Marcão haviam passado a saber do vergonhoso segredo.
-Minha vida acabou.
Trocou de roupa para ir à escola. Podia escutar sua mãe preparando o desjejum. No dia anterior, quando haviam deixado a casa de Lilith, ela dissera:
-Eu lhe avisei para tomar cuidado com más companhias! Como você foi se meter com gente como o Marcão e a Lilith, Alfredinho?
Torturado pela lembrança, foi à cozinha. A mãe perguntou:
-Dormiu bem, meu filho?
-Sim, mãe.
-Por favor, nunca mais se meta com aquela Lilith. Ela não é normal. Nem com o Marcão.
-Mãe, a Lilith não é louca. Ela realmente vê gente morta. E tudo o que eu contei aconteceu mesmo.
-Mais um motivo para se afastar dela. Que bem ela lhe fez?
-Ela me avisou para não ir à velha escola, mãe. Eu devia tê-la ouvido.
-Isso não importa agora. 
-Não, mãe? Não importa? O Marcão, o José Afonso e eu fizemos a burrice de ir lá, e depois o Marcão e eu fugimos! Nós fomos covardes, mãe! Será que não vê? Eu sou culpado, o Marcão é culpado, o José Afonso foi culpado! A Lilith é a única inocente nesta história!
-Meu filho, cale-se! Nunca mais diga essas coisas! Que culpa você teve da morte do José Afonso ou daquela menina ter incorporado espíritos? Se ela pode fazer essas coisas, ela é uma aberração!
Alfredinho se calou, não porque concordasse com a mãe, mas por ver que seria inútil continuar discutindo com ela. Tomou o café da manhã em silêncio, mal sentindo o gosto da comida.
Quando ela o deixou na escola, aconselhou-o:
-Mantenha-se bem afastado do Marcão e da Lilith, meu filho.
Despediu-se da mãe e desceu do carro, pensando em como seria o seu dia. Teria peito para encarar Marcão e Lilith depois do que acontecera? Tinha  a impressão de estar vivendo um pesadelo.
"É estranho como tudo isto que estou vivendo não faça sentido embora seja real."

Submited by

segunda-feira, agosto 31, 2015 - 18:37

Prosas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 37 semanas
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Don't call me anymore 1 1.536 03/14/2018 - 12:22 inglês
Poesia/Geral Now, we are together 1 1.846 03/13/2018 - 20:29 inglês
Poesia/Fantasia Give me wings 1 1.425 03/13/2018 - 20:29 inglês
Poesia/Amor How can I show you 1 1.786 03/13/2018 - 15:48 inglês
Poesia/Tristeza You'll never be forgotten 2 1.663 03/10/2018 - 12:37 inglês
Poesia/Geral Não haverá mais segredos 1 847 02/09/2018 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza We're never ready to say goodbye 0 1.522 03/12/2017 - 10:42 inglês
Poesia/Amor Sentimentos 0 928 01/19/2017 - 22:46 Português
Poesia/Geral Irmão 0 963 01/07/2017 - 20:42 Português
Poesia/Desilusão I'll never see you again 0 1.685 01/03/2017 - 14:02 inglês
Poesia/Desilusão O seu melhor 0 1.749 01/03/2017 - 13:58 Português
Poesia/Desilusão O último adeus 0 1.034 12/28/2016 - 15:36 Português
Poesia/Meditação Aonde pensamos 0 983 12/28/2016 - 15:32 Português
Poesia/Gótico A velha do saco de ossos 0 1.444 11/23/2016 - 15:45 Português
Poesia/Gótico Presenças espectrais 0 1.160 11/23/2016 - 15:36 Português
Poesia/Desilusão Don't come back to me 0 1.333 11/17/2016 - 15:11 inglês
Poesia/Geral Teu grito 0 1.347 11/17/2016 - 15:08 Português
Poesia/Gótico Peso morto 0 1.517 11/16/2016 - 22:36 Português
Poesia/Desilusão Learn to live alone 0 1.779 11/12/2016 - 10:23 inglês
Poesia/Meditação Torta 0 1.146 11/10/2016 - 15:23 Português
Poesia/Gótico O coração dilacerado 0 1.538 11/07/2016 - 14:48 Português
Poesia/Fantasia O presente 0 1.282 11/07/2016 - 14:45 Português
Poesia/Amor Ready to love 0 1.944 10/27/2016 - 20:42 inglês
Poesia/Amor Laços 0 1.595 10/27/2016 - 20:38 Português
Poesia/Fantasia Esta loucura 0 2.255 10/26/2016 - 15:18 Português