CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O fantasma da velha escola - 2

No intervalo, Marcão provocou Alfredinho:
-Ei, CDF, você gostaria de mostrar que é corajoso?
-Por que tenho que mostrar que sou corajoso?
-Porque aí não ririam mais de você.
-Como eu poderia mostrar?
-Teria coragem de passar uma noite naquela escola que foi fechada?
-A que dizem que tem um fantasma?
-Isso mesmo.
-Ah, essa conversa de fantasma é lenda urbana.
-Se é, não há por que ter medo de ir lá, não é?
-Você é maluco, Marcão?
-Eu sabia que você é um covardão, um frouxo.
-Ora, vá se catar, idiota!
Quando as aulas acabaram, Lilith se aproximou de Alfredinho e perguntou:
-O que o Marcão falou com você?
-Ele queria saber se eu teria coragem de ir àquela escola que fechou para passar a noite lá.
Lilith ficou mais séria do que o habitual e falou em voz baixa e firme:
-Não vá lá, eu peço.
-E por que eu iria? Lilith, você é estranha mesmo.
-Quem não encontra descanso, está cheio de revolta e de ódio, porque não se conforma e se sente injustiçado. Ninguém é mais perigoso do que o que deseja vingança.
Alfredinho riu amarelo, pois a seriedade de Lilith o perturbara um pouco. Ela prosseguiu:
-Os que não se conformam com a morte têm raiva dos que estão vivos, mesmo quando os vivos não são culpados pela morte deles.
Tentando disfarçar o nervosismo, Alfredinho retrucou:
-Olha, Lilith, eu sei o que é os outros rirem da gente e por isso, nunca mexi com você. Mas você, com essa conversa maluca, dá motivo para lhe chamarem de estranha.
-Eu sei quem sou e sei o que posso ver, seu idiota! E por isso estou lhe avisando: não vá além de nenhum limite! Se você ultrapassar, irá se arrepender para sempre!
Ela o olhou com hesitação, como se soubesse algo terrível demais cuja revelação fosse impossível de suportar. Demorou um pouco, mas terminou falando:
-Você não precisa saber nada, apenas que não deve ir á velha escola para saber se há um fantasma lá.
-Que mal um fantasma poderia me fazer, Lilith?
Olhando-o com mais seriedade, Lilith falou num tom funesto de advertência:
-Você gostaria de descobrir, seu idiota?
Lilith saiu da sala de aula bastante zangada e Alfredinho se perguntou se ela não seria meio louca enquanto pegava seus livros. Escutou a voz de José Afonso perguntando em tom zombeteiro:
-O que aquela maluca falava com você?
Dando de ombros, Alfredinho disse:
-Ela disse que eu não devia ir à escola que fecharam.
-A do fantasma?
-Sim.
José Afonso teve uma ideia maldosa e disse  a Alfredinho:
-E se a gente fosse para a velha escola? Você provaria que não é apenas um nerd medroso e que não há um fantasma lá. Eu tenho uma câmera e posso lhe filmar.
-Mas você acha que é uma boa ideia irmos a um lugar abandonado?
-Tenho certeza que lá não há nada além de ratos.
-Eu odeio ratos!
-Tem medo deles?
-Não, só nojo!
-Pois então, se topar ir, nós vamos. Eu filmo você, fazemos um vídeo e postamos na Internet. Você ficará famoso por ter ido investigar a escola que dizem que tem um fantasma.
-Não sei, não.
Alfredinho se foi e José Afonso foi procurar Marcão, que comia um sanduíche na cantina.
-Sabe, Marcão, acho que a gente pode dar uma lição naquele nerd bocó.
-Que lição?
-Que tal a gente fazer com que ele vá à velha escola fazendo-o pensar que ele fará um filme? Eu vou com ele e você vai atrás, disfarçado de fantasma.
O rosto de Marcão se iluminou ante a oportunidade de humilhar Alfredinho. Começou a rir.
-Imagina o palerma molhando as calças, correndo e gritando de medo! Ah, ah, ah!
Os dois caíram na gargalhada, prevendo a humilhação que fariam o pobre Alfredinho sofrer.
-Ele nunca vai esquecer! Ah, ah, ah!
Deixaram a cantina e saíram da escola, rindo e falando muito. Quando dobraram a esquina, Lilith saiu de trás da árvore de onde se escondera e ficou olhando por muito tempo para a esquina, balançando a cabeça com desânimo.

Submited by

domingo, agosto 2, 2015 - 11:01

Prosas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 26 semanas
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Contos Decisão 0 1.623 06/22/2016 - 21:13 Português
Poesia/Tristeza Jamais quis ser especial 0 815 06/22/2016 - 21:02 Português
Poesia/Meditação Caminhando 0 1.305 06/22/2016 - 20:58 Português
Prosas/Pensamentos Grandes desafios 0 1.188 06/20/2016 - 10:55 Português
Prosas/Pensamentos Reflexão 0 645 06/20/2016 - 10:53 Português
Poesia/Pensamentos Aonde eu quero ir 0 929 06/20/2016 - 10:49 Português
Poesia/Pensamentos As flores não mudam 0 817 06/17/2016 - 19:35 Português
Poesia/Gótico O nada 0 744 06/14/2016 - 19:04 Português
Críticas/Filmes Viagem pelo fantástico 0 2.267 06/13/2016 - 11:43 Português
Poesia/Gótico Chama-me 0 1.521 06/13/2016 - 11:26 Português
Poesia/Fantasia Colar de contas 0 1.070 06/13/2016 - 11:23 Português
Poesia/Haikai Peixe dourado 0 1.596 06/13/2016 - 11:20 Português
Poesia/Geral Going back home 0 3.497 06/08/2016 - 16:17 inglês
Poesia/Tristeza I can't understand 0 1.685 06/08/2016 - 16:13 inglês
Poesia/Desilusão Eu poderia chorar 0 1.151 06/02/2016 - 19:24 Português
Poesia/Desilusão Quando tínhamos certeza 0 864 05/25/2016 - 13:34 Português
Poesia/Amor Too many words 0 2.723 05/22/2016 - 19:54 inglês
Poesia/Meditação Lembre-se bem 0 773 05/22/2016 - 19:49 Português
Poesia/Fantasia Só por hoje 0 1.651 05/20/2016 - 14:04 Português
Poesia/Gótico Entre corvos e espectros 0 928 05/20/2016 - 14:01 Português
Poesia/Gótico Tire-me da escuridão 0 741 05/20/2016 - 13:58 Português
Poesia/Desilusão The night is coming 0 1.917 05/09/2016 - 10:58 inglês
Poesia/Meditação Não queremos ver a verdade 0 921 05/09/2016 - 10:54 Português
Poesia/Tristeza E os dias passados... 0 1.310 05/01/2016 - 10:19 Português
Poesia/Meditação Alguém pode me explicar 0 709 05/01/2016 - 10:16 Português