CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O fantasma da velha escola - 5

Vestindos-se apressadamente, Alfredinho saiu para ir encontrar Marcão. Ao chegar, sentou num banco, nervoso. Será que Marcão acreditaria?
Marcão não demorou. Chegou, sentou ao lado de Alfredinho e perguntou:
-Como a Lilith sabe, Alfredinho?
-Não posso dizer em poucas palavras.
-Tudo bem, mas diga.
a aparência de Marcão era péssima: rosto cansado e olhos inchados, provavelmente de tanto chorar. Alfredinho teve uma certa pena dele. 
-Você não dormiu, não foi?
-Acha que eu iria dormir? perguntou Marcão com agressividade.
-Claro que não, Marcão. 
-Fale logo, meu Deus!
Pausadamente, tentando evitar um tom dramático, Alfredinho contou sobre a conversa com Litlith. Marcão disse com desconfiança:
-Ah, essa maluca inventou essa história.
-Marcão, não acha que é coincidência demais?
-Você acredita nessa história, Alfredinho? A Lilith vê gente morta e o Zé Afonso apareceu para ela?
-Por que ela iria aparecer para contar tudo isso, Marcão?
-Isso não faz sentido!
Os olhos de Marcão estavam injetados. Alfredinho falou com calma:
-Marcão, há outra explicação para a Lilith ter ido à minha casa contar isso? O Zé Afonso está morto e com raiva de nós dois!
-Ah, mas a ideia de ir lá foi dele! Ele que quis, desde o início, convencer você a ir lá para nós o assustarmos!
Morrendo de raiva por lembrar da armadilha, Alfredinho rebateu:
-E você adorou a ideia, não foi? Nem você nem o Zé Afonso foram legais!
-Quer parar de nos esculhambar? Você foi melhor do que nós, foi? Na hora H, foi um covarde!
-E você não foi covarde também, seu nojento?
-Fui! Fui covarde sim, seu nerd metido a besta, que sempre se achou melhor do que todo mundo!
Alfredinho viu que a discussão estava caindo no nível da baixaria e tentou acalmar:
-Marcão, se toda vez que tocarmos no assunto, lembrarmos dos erros que cometemos, vamos brigar.
-Tem razão.
-Mas pense numa coisa: não podemos deixar o corpo do Zé Afonso ali e, se o que a Lilith disse é verdade, o Zé Afonso está furioso conosco. 
-O que você propõe?
-Por que não vamos à polícia e contamos tudo? 
-Você ficou maluco, Alfredinho? Está tão maluco quanto a Lilith?
Muito sério, Alfredinho olhou para Marcão e argumentou:
-Marcão, se é verdade que a Lilith vê pessoas que morreram, ela não é maluca.
-Então, o que ela é? Bruxa, médium?
-Seja o que ela for, o que importa é que temos de fazer algo.
-Que tal não fazermos nada?
-Marcão!
-Vamos ficar quietos. Se ninguém souber de nada, será melhor.
-E o corpo do Zé Afonso na velha escola, Marcão? E os pais dele? Eles merecem isso?
-Não podemos fazer nada, melhor que ninguém saiba.
-A Lilith sabe.
-Pelo que vemos, não é do interesse dela espalhar a história, ou todos saberiam do segredinho dela, não é?
Alfredinho sabia que tinha de fazer algo em relação àquuilo tudo, mas o medo era sufocante. Pensou no que ocorreria se soubessem de tudo. Na escola, Marcão e ele seriam olhados de soslaio, lembrados como os covardes que haviam abandonado o colega. A vida se tornaria insuportável. Porém, ele conseguiria viver daquele jeito, corroendo-se de culpa e guardando aquele segredo infame? Olhou Marcão de esguelha e era evidente que o amigo de José Afonso estava sofrendo, talvez mais do que ele. Decidiu:
-Está bem, Marcão. Não falemos nada. A Lilith não vai nos dedurar, porque sabemos o segredo dela.

Submited by

sábado, agosto 8, 2015 - 12:27

Prosas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 8 semanas
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Para o que vivemos 0 1.454 10/26/2016 - 16:13 Português
Poesia/Meditação Os ecos da alma 0 1.185 10/25/2016 - 23:04 Português
Poesia/Pensamentos Sua vida 0 1.616 10/21/2016 - 16:49 Português
Poesia/Tristeza Não me faça sentir assim 0 5.820 10/18/2016 - 21:57 Português
Poesia/Geral Afasta-te 0 1.463 10/04/2016 - 14:08 Português
Poesia/Geral Até quando 0 1.822 10/04/2016 - 14:05 Português
Poesia/Geral Meu corpo não lhe pertence 0 1.245 09/30/2016 - 20:04 Português
Poesia/Desilusão You don't love me 0 2.818 09/30/2016 - 19:59 inglês
Poesia/Meditação Give me strength 0 3.486 09/13/2016 - 19:36 inglês
Poesia/Meditação O que fazer 0 1.361 09/12/2016 - 14:18 Português
Poesia/Geral Aqueles olhos 0 1.158 09/12/2016 - 14:15 Português
Críticas/Livros Uma tragédia monumental 0 4.063 09/03/2016 - 12:48 Português
Prosas/Pensamentos Meu grito silencioso 0 890 09/03/2016 - 12:21 Português
Poesia/Gótico All my fears 0 2.604 09/03/2016 - 12:16 inglês
Poesia/Gótico Filho da lua cheia 0 1.981 09/03/2016 - 12:12 Português
Poesia/Gótico Solidão eterna 0 1.277 09/03/2016 - 12:09 Português
Poesia/Meditação When will my life begin 0 2.600 08/31/2016 - 21:15 inglês
Prosas/Pensamentos Diferença 0 698 08/28/2016 - 10:40 Português
Críticas/Livros Desejos e frustrações 0 3.561 08/28/2016 - 10:38 Português
Poesia/Meditação We need a true love 0 2.390 08/28/2016 - 10:19 inglês
Poesia/Haikai Aves 0 1.843 08/26/2016 - 19:05 Português
Poesia/Meditação Precisamos de liberdade 0 1.315 08/26/2016 - 19:04 Português
Poesia/Meditação Um sentido 0 901 08/26/2016 - 19:00 Português
Poesia/Desilusão Don't call me anymore 0 2.691 08/22/2016 - 14:37 inglês
Prosas/Pensamentos A ilusão da paixão 0 1.685 08/16/2016 - 13:50 Português