CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O fantasma da velha escola - 9

A  mãe de Alfredinho o sacudia. Seu rosto mostrava uma séria preocupação. Ele acordou, perguntando-se se o pesadelo realmente acabara. 
-M-mãe?!
-Meu filho, que aconteceu?
-N-nada, mãe.
-Nada? Você gritava a plenos pulmões.
-Foi só um pesadelo.
-Por que você falou o nome do José Afonso?
-Fa-falei?
-Sim.
-Não sei.
-Bem, quer um chá.
-Não, mãe. Voltarei a dormir. Não precisa se preocupar. 
-Tem certeza?
-Tenho.
Recostou-se no travesseiro, sabendo que não voltaria a dormir. A mãe o beijou antes de sair do quarto.
"Meu Deus, será que foi só um pesadelo mesmo?"
No outro dia, viu Marcão no pátio. Perguntou:
-Marcão, não vai entrar na sala?
-Não sei, Alfredinho. Mal consegui dormir a noite passada.
-O que foi?sentou-se ao seu lado.
-Eu sonhei com o José Afonso.
-Mesmo? - Alfredinho se colocou em alerta - Sonhou mesmo com ele?
-Sim, e foi muito nítido.
-Conte-me!
-Por que o interesse?
-P-por n-nada. Só me conte.
-Não foi apenas nítido. Foi horrível. Eu estava na velha escola, no pátio, onde nós dois ouvimos o José Afonso gritar e cair da escada. Estava escuro e eu me perguntava: "Que estou fazendo aqui? Eu nunca mais vim aqui! Foi aqui que meu melhor amigo morreu!" Então, eu escutei a voz dele dizer: "Precisei morrer para descobrir que você não é, aliás, nunca foi realmente meu amigo, seu covarde!" Eu me ajoelhava e gritava: "José Afonso, eu sei que fui covarde, mas eu estava com muito medo! Você precisa me perdoar, por favor! " A resposta dele era: "Ah, e você vai ficar vivinho, enquanto eu estou aqui, morto?O Alfredinho e você vão seguir com suas vidas e eu passarei a eternidade aturando essa menina chata? A nojentinha quer mais companhia, sabia?" Meu Deus, Alfredinho, eu comecei a sentir um fedor insuportável! E a ouvir passos se aproximando. Eu caía de joelhos e tentava não chorar porque, Alfredinho, a minha vontade era a de chorar como um menininho com medo do escuro. Além de cair de joelhos, eu fechava os olhos e tapava o nariz, porque o fedor ia ficando mais forte. Então, de repente, eu ouvia bem em cima de mim: "Abra os olhos, covarde! Veja seu melhor amigo, deixa de ser molenga!" Mas eu não abria. Foi aí que duas mãos agarraram meu pescoço, Alfredinho! Duas mãos frias e podres! E o fedor, minha nossa, o fedor! Eu abria os olhos e via o José Afonso, com o rosto decomposto, quase virando uma caveira e gargalhando! Mas o pior foi que, junto com a gargalhada dele, começou a ecoar uma gargalhada de menina! Meu Deus, como eu gritei! Meus pais acordaram e quiseram saber sobre o que era!
De olhos arregalados, Alfredinho pensava no seu pesadelo. Contaria ou não a Marcão? Ia dizer algo, mas viu Lilith se encaminhando em direção à sala de aula e falou:
-Acho que a Lilith pode nos dizer algo.
-...
-No velório do José Afonso, ela veio me dizer que ele não nos queria lá.
-Será que ele...
-Óbvio que ele estava lá, vendo tudo.
-Mas só ela o via.
-O que ele não deve ter dito da gente. Ele está com muita raiva!
-O pior é que ele tem razão.
-Mas Alfredinho, ele não pode nos perdoar? A gente não queria isso! Foi tudo um acidente! E não fomos nós que o matamos! Nem estávamos com ele na hora!
-Será que a menina que morreu foi empurrada ou caiu sozinha?
-Nunca souberam. Meu pai contou que apenas a encontraram morta, com o pescoço quebrado. Houve um boato de que abafaram o caso e os pais dela ficaram revoltados, porque ela era filha única.
-Nossa! Será que a Lilith sabe...?
-Isso faz diferença agora?
-Não sei. O que sei é que estou com medo, Marcão. 
Alfredinho decidiu não contar seu sonho a Marcão.
-Vamos assistir à aula, Marcão?
-É, vamos.
Lilith, sentada na sua carteira, lia um livro. Marcão e Alfredinho notaram que ela parecia mais abatida e com o rosto mais fino. 
-Será que o José Afonso continua aparecendo para ela?
-Tenho certeza que sim, Alfredinho.

Submited by

domingo, agosto 16, 2015 - 18:30

Prosas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 37 semanas
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Don't call me anymore 1 1.531 03/14/2018 - 12:22 inglês
Poesia/Geral Now, we are together 1 1.844 03/13/2018 - 20:29 inglês
Poesia/Fantasia Give me wings 1 1.420 03/13/2018 - 20:29 inglês
Poesia/Amor How can I show you 1 1.783 03/13/2018 - 15:48 inglês
Poesia/Tristeza You'll never be forgotten 2 1.654 03/10/2018 - 12:37 inglês
Poesia/Geral Não haverá mais segredos 1 838 02/09/2018 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza We're never ready to say goodbye 0 1.516 03/12/2017 - 10:42 inglês
Poesia/Amor Sentimentos 0 928 01/19/2017 - 22:46 Português
Poesia/Geral Irmão 0 958 01/07/2017 - 20:42 Português
Poesia/Desilusão I'll never see you again 0 1.677 01/03/2017 - 14:02 inglês
Poesia/Desilusão O seu melhor 0 1.749 01/03/2017 - 13:58 Português
Poesia/Desilusão O último adeus 0 1.030 12/28/2016 - 15:36 Português
Poesia/Meditação Aonde pensamos 0 977 12/28/2016 - 15:32 Português
Poesia/Gótico A velha do saco de ossos 0 1.439 11/23/2016 - 15:45 Português
Poesia/Gótico Presenças espectrais 0 1.151 11/23/2016 - 15:36 Português
Poesia/Desilusão Don't come back to me 0 1.325 11/17/2016 - 15:11 inglês
Poesia/Geral Teu grito 0 1.336 11/17/2016 - 15:08 Português
Poesia/Gótico Peso morto 0 1.513 11/16/2016 - 22:36 Português
Poesia/Desilusão Learn to live alone 0 1.775 11/12/2016 - 10:23 inglês
Poesia/Meditação Torta 0 1.137 11/10/2016 - 15:23 Português
Poesia/Gótico O coração dilacerado 0 1.529 11/07/2016 - 14:48 Português
Poesia/Fantasia O presente 0 1.276 11/07/2016 - 14:45 Português
Poesia/Amor Ready to love 0 1.940 10/27/2016 - 20:42 inglês
Poesia/Amor Laços 0 1.592 10/27/2016 - 20:38 Português
Poesia/Fantasia Esta loucura 0 2.254 10/26/2016 - 15:18 Português