CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

VANDALISMO EMPRESARIAL

Tem coisas que eu acredito
Por eu mesmo presenciar
Se alguém viesse me contar
Eu entraria em conflito
Nem que jurasse ao "bendito"
Eu diria "isto é mentira"
Quem duvida que confira
Ou, se pode me ler
Leia o que vou escrever
Pra aliviar minha ira

Vejam só o tratamento
Que recebe o brasileiro
Aquele que o tempo inteiro
Passa trabalho e sofrimento
Só consegue para o sustento
Andando abaixo da pobreza
É vítima da esperteza
Da minoria que domina
Pois a ganância assassina
Os acompanha até a mesa

Para obter bons resultados
Na tal "balança comercial"
O "Vandalismo Empresarial"
Massacra os assalariados
Os cidadãos injustiçados
Pelo poder da minoria
Vão consumindo porcaria
Que lá fora ninguém aceita
E o empresário aproveita
Pra nos vender no dia-a-dia

Carne é do boi veterano
Que já estava aposentado
Verdura, legume estragado
Que só se leva por engano
Confecção do pior pano
Móveis de restos de madeira
São promoções no crediário
Um velho conto do vigário
Que nos pega a vida inteira

O preço sobe na enchente
Se não chove sobe também
Ou por algo que vem do além
Vão mexer no bolso da gente
Se baixar foi um acidente
No cérebro do economista
Que logo ali o preço muda
O produto sobe de novo
Segue a exploração do povo
Num eterno "Deus nos acuda"

No mercado é dura a jornada
Não é má vontade ou mania
Achar uma fruta sadia
É uma difícil empreitada
Procuro e não acho nada
Pouca vergonha no cenário
O que é bom ri do meu salário
Frango é melhor que se deixe
Pois vem na água feito peixe
Que alguém compra para o aquário

É a água mais cara que pago
Pois vai para a balança junto
Ainda tem muito mais assunto
Que por enquanto não trago
Tenho que encontrar um mago
Quem sabe um santo ou vidente
Que mude esse quadro crítico
Mas que nenhum seja político
Porque se for por certo mente


Sérgio Teixeira

Bagé/RS

Submited by

quarta-feira, janeiro 26, 2011 - 01:56

Ministério da Poesia :

No votes yet

Sérgio Teixeira

imagem de Sérgio Teixeira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 3 horas
Membro desde: 01/24/2011
Conteúdos:
Pontos: 401

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Sérgio Teixeira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral DÉCIMAS DO MAL QUE FEZ A PAZ MUNDIAL 2 202 03/27/2020 - 01:51 Português
Poesia/Geral ANALISTA DE MIM MESMO 0 77 03/17/2020 - 14:38 Português
Poesia/Soneto SONETO DO MORTO VIVO 1 245 02/29/2020 - 03:04 Português
Poesia/Soneto SONETO DA EXPERIÊNCIA 0 265 02/17/2020 - 17:52 Português
Poesia/Soneto SONETO DO ACASO 0 100 02/07/2020 - 11:45 Português
Poesia/Geral INÚTIL SABER (DÉCIMAS) 0 245 01/22/2020 - 22:41 Português
Fotos/Pessoais LIVRO RECENTE 0 112 01/05/2020 - 14:06 Português
Fotos/Pessoais LIVRO RECENTE 0 126 01/05/2020 - 13:59 Português
Poesia/Geral AGONIA DO ANO 0 117 12/30/2019 - 00:45 Português
Poesia/Geral DEVANEIO 2 481 12/22/2019 - 12:08 Português
Poesia/Geral ADEUS À PRIMAVERA 0 289 12/22/2019 - 11:36 Português
Poesia/Geral O IDÓLATRA 0 131 11/10/2019 - 17:29 Português
Poesia/Geral RIMAS COM SINAIS 0 230 10/16/2019 - 01:35 Português
Poesia/Soneto SONETO DO SER INVISÍVEL 2 408 10/02/2019 - 23:54 Português
Poesia/Geral SUPERSTIÇÃO (SEXTA-FEIRA TREZE) 1 362 09/13/2019 - 17:22 Português
Poesia/Geral SENTIMENTOS E CORES 1 395 08/19/2019 - 13:00 Português
Poesia/Geral MEU TEMPO, MEU REINO 2 396 08/18/2019 - 19:38 Português
Poesia/Geral SOLSTÍCIO DE INVERNO 2 568 06/23/2019 - 12:42 Português
Poesia/Geral CANTO, SILÊNCIO E LIBERDADE 3 615 06/03/2019 - 12:39 Português
Poesia/Soneto SONETO AO EXPEDICIONÁRIO "SEU ZÉCA" 0 429 05/05/2019 - 14:35 Português
Poesia/Geral OS SONS DO TEMPO 0 428 04/27/2019 - 16:12 Português
Poesia/Tristeza AS FLORES FIÉIS 0 399 04/12/2019 - 19:07 Português
Poesia/Geral A ILUSÃO DE SER POETA 2 506 04/04/2019 - 19:50 Português
Poesia/Geral MUITO ALÉM DO MÊS DE ABRIL 0 428 04/02/2019 - 00:10 Português
Poesia/Geral QUANDO O SILÊNCIO AUMENTA 0 332 03/27/2019 - 12:11 Português