A Chuva Lenta (Gabriela Mistral)

Esta água medrosa e triste,

como criança que padece,

antes de tocar a tierra,

desfalece.


Quietos a árvore e o vento,

e no silêncio estupendo,

este fino pranto amargo,

vertendo!


Todo o céu é um coração

aberto em agro tormento.

Não chove: é um sangrar longo

e lento.


Dentro das casas, os homens

não sentem esta amargura,

este envio de água triste

da altura;


este longo e fatigante

descer de água vencida,

por sobre a terra que jaz

transida.


Em baixando a água inerte,

calada como eu suponho

que sejam os vultos leves

de um sonho.


Chove... e como chacal lento

a noite espreita na serra.

Que irá surgir na sombra

da Terra?


Dormireis, quando lá foram

sofrendo, esta água inerte

e letal, irmã da Morte

se verte?
 


Gabriela Mistral(1889-1957), poetisa chilena. poema traduzido por Ruth Sylvia de Miranda Salles

Professora primária em zona rural, foi a primeira figura literária feminina a ganhar o Prêmio Nobel no continente americano. É autora, entre outros livros, de Desolacióm, Ternura, Tala y Lagar.

Submited by

Jueves, Julio 7, 2011 - 21:35

Poesia :

Sin votos aún

AjAraujo

Imagen de AjAraujo
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 1 año 42 semanas
Integró: 10/29/2009
Posts:
Points: 15584

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of AjAraujo

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Pensamientos Todo problema é, em essência... (Hans Jonas) 0 2.767 11/09/2012 - 10:31 Portuguese
Poesia/Intervención Eu não Quero o Presente, Quero a Realidade (Fernando Pessoa) 1 2.946 11/05/2012 - 19:48 Portuguese
Poesia/Acróstico Estrada real: caminho dourado da colônia 0 619 11/04/2012 - 10:17 Portuguese
Poesia/Meditación A vida segue seu curso 0 1.328 11/04/2012 - 10:02 Portuguese
Videos/Musica Guilty (Barbra Streisand & Barry Gibb - Bee Gees) 1 5.631 10/09/2012 - 09:58 Inglés
Poesia/Intervención De tudo quanto fui 0 1.353 09/26/2012 - 00:27 Portuguese
Poesia/Poetrix Sonho de criança 0 1.840 09/26/2012 - 00:27 Portuguese
Poesia/Haiku Monte das Oliveiras 0 1.115 09/26/2012 - 00:25 Portuguese
Poesia/Intervención Há uma urgência 0 2.254 09/22/2012 - 13:30 Portuguese
Poesia/Alegria A benção das folhas 0 1.886 09/22/2012 - 13:29 Portuguese
Poesia/Meditación Quem chora por Teus filhos? 0 1.036 09/22/2012 - 13:24 Portuguese
Poesia/Intervención Quando estou só... e sem rumo! 0 1.220 09/02/2012 - 19:16 Portuguese
Poesia/Meditación Temores 0 1.318 09/02/2012 - 19:14 Portuguese
Poesia/Poetrix Tercetos de Vida - I 0 1.464 09/02/2012 - 19:12 Portuguese
Poesia/Poetrix Mouro 0 1.822 08/01/2012 - 11:08 Portuguese
Poesia/Poetrix A montanha e o peregrino 0 1.227 08/01/2012 - 11:07 Portuguese
Poesia/Poetrix Tragédia olímpica 0 1.675 08/01/2012 - 11:07 Portuguese
Poesia/Acróstico Sorrir 2 1.822 07/14/2012 - 22:27 Portuguese
Poesia/Meditación O primeiro passo em busca da felicidade 1 1.636 07/13/2012 - 22:43 Portuguese
Poesia/Meditación Curta passagem 0 0 07/13/2012 - 10:41 Portuguese
Poesia/Intervención A trilha do novo caminho 2 1.438 07/13/2012 - 02:16 Portuguese
Poesia/Pensamientos Ausência & Insônia (Caderno de Pensamentos: II) 0 1.324 07/11/2012 - 00:21 Portuguese
Poesia/Alegria Canção de despertar 0 848 07/11/2012 - 00:21 Portuguese
Poesia/Pensamientos Utopia & Cotovia (Caderno de Pensamentos: I) 0 1.802 07/11/2012 - 00:19 Portuguese
Poesia/Intervención A chegada da caixa de abelhas (Sylvia Plath) 1 2.360 07/09/2012 - 07:43 Portuguese