Solitária espanhola

A terra gira ao contrário,
um negro quasi-interrogatório,
a minha morte pelo mistério,
coberto por falso laudatório.

Estou alegre por viver,
e triste por estar sózinho,
que me atrai com saudade,
para um ciclo infinito.

Adoecido pela contradição,
agarrado à cama da modorra,
preso por detrás de vitrais,
que me mantêm em coma.

Os anos passam a fio,
os ecos saiem das catedrais,
é o elogio do repique do sino,
de quem vive no meio de ideais.

A escolha livre e própria,
só me aproxima do vazio,
a constante tendência fria,
por caminhos sem desígnio.

Submited by

Lunes, Abril 2, 2012 - 18:16

Ministério da Poesia :

Sin votos aún

psdc

Imagen de psdc
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 12 años 11 semanas
Integró: 04/11/2008
Posts:
Points: 35

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of psdc

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Pensamientos Stream 0 1.241 04/02/2012 - 18:22 Inglés
Ministério da Poesia/Meditación Solitária espanhola 0 787 04/02/2012 - 18:17 Portuguese
Ministério da Poesia/Meditación Solitária espanhola 0 654 04/02/2012 - 18:17 Portuguese
Ministério da Poesia/Meditación Solitária espanhola 0 709 04/02/2012 - 18:17 Portuguese
Ministério da Poesia/Meditación Solitária espanhola 0 2.291 04/02/2012 - 18:16 Inglés
Poesia/Aforismo Amanhã, Amanhã 1 872 02/24/2010 - 20:08 Portuguese
Poesia/Aforismo Amanhã, amanhã 1 819 02/24/2010 - 02:57 Portuguese