Solitária espanhola

A terra gira ao contrário,
um negro quasi-interrogatório,
a minha morte pelo mistério,
coberto por falso laudatório.

Estou alegre por viver,
e triste por estar sózinho,
que me atrai com saudade,
para um ciclo infinito.

Adoecido pela contradição,
agarrado à cama da modorra,
preso por detrás de vitrais,
que me mantêm em coma.

Os anos passam a fio,
os ecos saiem das catedrais,
é o elogio do repique do sino,
de quem vive no meio de ideais.

A escolha livre e própria,
só me aproxima do vazio,
a constante tendência fria,
por caminhos sem desígnio.

Submited by

Monday, April 2, 2012 - 18:16

Ministério da Poesia :

No votes yet

psdc

psdc's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 8 years 1 week ago
Joined: 04/11/2008
Posts:
Points: 35

Add comment

Login to post comments

other contents of psdc

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/Thoughts Stream 0 548 04/02/2012 - 18:22 English
Ministério da Poesia/Meditation Solitária espanhola 0 320 04/02/2012 - 18:17 Portuguese
Ministério da Poesia/Meditation Solitária espanhola 0 267 04/02/2012 - 18:17 Portuguese
Ministério da Poesia/Meditation Solitária espanhola 0 309 04/02/2012 - 18:17 Portuguese
Ministério da Poesia/Meditation Solitária espanhola 0 1.038 04/02/2012 - 18:16 English
Poesia/Aphorism Amanhã, Amanhã 1 447 02/24/2010 - 20:08 Portuguese
Poesia/Aphorism Amanhã, amanhã 1 416 02/24/2010 - 02:57 Portuguese