CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

William Shakespeare : A Comédia dos Erros – Ato IV - Cena I

Cena I

(Uma praça pública. Entram o segundo mercador, Ângelo e um oficial de justiça.)

Mercador
Desde o passado Pentecoste a conta me ficaste devendo, sem que a afronta de vos cobrar té agora eu vos fizesse; nem a faria ainda, se não fosse ter de ir à Pérsia e estar necessitado de florins para a viagem. Por tudo isso, dai-me satisfação; caso contrário, este oficial tem ordem de prender-vos.

Ângelo
Antífolo me deve justamente a soma que eu vos devo Neste instante deixei com ele uma cadeia de ouro, cujo importe às cinco horas será pago. Se a bondade tiverdes de ir comigo até sua casa, saldarei a dívida e me confessarei muito obrigado.

(Vindo da casa da Cortesã, entram Antífolo de Éfeso e Drômio de Éfeso.)

Oficial
Poupai-vos do trabalho; ei-lo que chega.

Antífolo de Éfeso
Enquanto o ourives eu procuro, trata de comprar uma corda, cujas pontas destino a minha esposa e seus comparsas, por me terem vedado, em pleno dia, a entrada em minha casa. Não demores; compra a corda depressa e leva-a a casa.

Drômio de Éfeso
Comprarei uma renda de mil libras! Vou comprar logo a corda.

(Sai.)

Antífolo de Éfeso
Bem aviado ficará quem em vós tiver confiança. Dissestes que a cadela levaríeis, mas visita nenhuma me fizestes. Certamente não foste, por pensar que o nosso amor seria mais durável nos liames da cadeia; e, assim, faltastes.

Ângelo
Pondo de parte o vosso humor jocoso, eis a nota do peso da cadeia, té o último quilate. A qualidade do ouro e a mão de obra dispendiosa, soma perfazem superior de três ducados à que eu devo a este amável cavalheiro. Por isso vos suplico lhe pagardes, pois precisa viajar, só estando, agora, a aguardar que eu a dívida liquide.

Antífolo de Éfeso
Não tenho aqui dinheiro suficiente para essa conta. Além do mais, preciso fazer alguns negócios na cidade. Ide, meu bom senhor, com este estrangeiro, à minha residência, sem deixardes de levar a cadeia. Minha esposa vos pagará a soma combinada. É bem possível que cheguemos juntos.

Ângelo
Então vós mesmo levareis o mimo?

Antífolo de Éfeso
Não; levai-o vós mesmos; estou com pressa.

Ângelo
Muito bem; a cadeia está convosco?

Antífolo de Éfeso
Uma vez que comigo não se encontra, convosco está, decerto. Do contrário, força será voltardes sem dinheiro.

Ângelo
Por obséquio, senhor, dai-me a cadeia, pois este cavalheiro está com pressa, que os ventos e a maré têm prazo certo. Para minha vergonha, já o retive mais do que fora justo.

Antífolo de Éfeso
Ora, senhor, lançais mão desse plano, como escusa por haverdes faltado com a palavra de irdes ao Porco-espinho. A mim cabia censurar-vos a falta; ao invés disso, deblaterais como mulher furiosa.

Mercador
Senhor, as horas passam; vamos logo.

Ângelo
Bem vedes como agora ele se esquiva. A cadeia...

Antífolo de Éfeso
Levai-a à minha esposa; ela vos pagará.

Ângelo
Vamos com isso; sabeis que eu vo-la dei faz pouco tempo. Dai-me um sinal qualquer, ou devolvei-a.

Antífolo de Éfeso
Ora, a pilharia passa dos limites. A cadeia, senhor! Deixai-me vê-la.

Mercador
Não tenho tempo para tais parlendas. Dizei-me, bom senhor, vosso propósito: pagais ou não? No caso de recusa, farei que este oficial o leve preso.

Antífolo de Éfeso
Eu pagar-vos? Dizei: quanto vos devo?

Ângelo
O preço, justamente, da cadeia.

Antífolo de Éfeso
Nada vos devo, enquanto não for minha.

Ângelo
Sabeis que vo-la dei há meia hora.

Antífolo de Éfeso
A mim não destes nada; isso me ofende.

Ângelo
Mais me ofendeis, senhor, negando o fato. Considerai que nisso empenho o crédito.

Mercador
Muito bem. Oficial, por queixa minha, prendei-o sem demora.

Oficial de Justiça
Agora mesmo. Em nome, pois, do duque, obedecei-me.

Ângelo
Minha reputação sofre com isso. Ou me pagais o preço da cadeia, ou vos farei prender in continenti.

Antífolo de Éfeso
Consentir em pagar o que não devo? Manda prender-me, estúpido, se o ousares.

Ângelo
Oficial, eis o vosso emolumento; prendei-o a meu pedido. Em circunstâncias como esta, ao próprio irmão eu não poupara, se tentasse ofender-me assim de público.

Oficial de Justiça
Estais preso, senhor; a queixa ouvistes.

Antífolo de Éfeso
Sim, obedeço até pagar a fiança. Mas, por Deus, pagareis a brincadeira com quanto ouro tiverdes na oficina.

Ângelo
Ora, senhor, hei de achar leis em Éfeso, não o duvido, para vosso opróbrio.

(Entra Drômio de Siracusa.)

Drômio de Siracusa
Mestre, há no porto um barco de Epidamno, que aguarda tão-somente o proprietário para partir. Já pus a bordo toda nossa bagagem. Comprei óleo, bálsamo e aqua-vitae. De jeito está o navio; sopra fresco de terra o alegre vento. Só a vós e ao dono, mestre, eles aguardam.

Antífolo de Éfeso
Que é isso? Estás maluco? Que navio de Epidamno por mim está esperando?

Drômio de Siracusa
O navio, senhor, que me incumbistes de procurar para comprar passagem.

Antífolo de Éfeso
Bêbedo, o que eu mandei foi que comprasses uma corda e te disse para o que era.

Drômio de Siracusa
Corda? Nenhuma corda me pedistes. O que mandastes foi que eu visse um barco.

Antífolo de Éfeso
Com mais vagar resolverei o assunto e ensinarei a ouvires o que deves. Procura Adriana, biltre, sem demora; dá-lhe esta chave; dize-lhe que dentro da gaveta da mesa recoberta pelo tapete turco bá uma bolsa cheia de moedas de ouro. Que ma envie por ti, depressa. Conta-lhe que me acho detido em plena rua e que preciso pagar uma caução. Não te demores; detido esperarei tempos melhores.

(Saem o mercador, Ângelo e o oficial de justiça.)

Drômio de Siracusa
Essa Adriana é da casa em que jantamos e onde a tal Dosabel me reclamava para marido. Mas é muito grande, penso, para cingi-la nestes braços. Contudo, irei, embora a contragosto; servo é soldado que não larga o posto.

(Sai.)

Submited by

quinta-feira, maio 7, 2009 - 23:21

Poesia Consagrada :

No votes yet

Shakespeare

imagem de Shakespeare
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 28 semanas
Membro desde: 10/14/2008
Conteúdos:
Pontos: 410

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Shakespeare

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 12: When I do count the clock that tells the time 0 3.251 07/12/2011 - 02:13 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 119: What potions have I drunk of Siren tears 0 2.452 07/12/2011 - 02:12 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 118: Like as to make our appetite more keen 0 2.169 07/12/2011 - 02:09 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 116: Let me not to the marriage of true minds 0 2.188 07/12/2011 - 02:07 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 115: Those lines that I before have writ do lie 0 2.208 07/12/2011 - 02:06 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 114: Or whether doth my mind, being crowned with you 0 2.600 07/12/2011 - 02:05 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 113: Since I left you, mine eye is in my mind 0 2.355 07/12/2011 - 02:04 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 112: Your love and pity doth th' impression fill 0 2.208 07/12/2011 - 02:02 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 111: O, for my sake do you with Fortune chide 0 2.004 07/12/2011 - 02:01 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 110: Alas, 'tis true, I have gone here and there 0 2.311 07/12/2011 - 01:59 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 11: As fast as thou shalt wane, so fast thou grow'st 0 2.331 07/12/2011 - 01:58 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 109: O, never say that I was false of heart 0 3.024 07/12/2011 - 01:57 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 108: What's in the brain that ink may character 0 2.018 07/12/2011 - 01:57 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 107: Not mine own fears, nor the prophetic soul 0 2.305 07/12/2011 - 01:56 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 106: When in the chronicle of wasted time 0 2.435 07/12/2011 - 01:54 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 105: Let not my love be called idolatry 0 2.754 07/12/2011 - 01:53 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 104: To me, fair friend, you never can be old 0 2.611 07/12/2011 - 01:53 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 103: Alack, what poverty my Muse brings forth 0 2.928 07/12/2011 - 01:52 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 102: My love is strengthened, though more weak in seeming 0 2.117 07/12/2011 - 01:50 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 101: O truant Muse, what shall be thy amends 0 2.772 07/12/2011 - 01:43 inglês
Poesia Consagrada/Geral Sonnet 100: Where art thou, Muse, that thou forget'st so long 0 2.080 07/12/2011 - 01:42 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 10: For shame, deny that thou bear'st love to any 0 2.345 07/12/2011 - 01:40 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 1 0 2.416 07/12/2011 - 01:38 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonet LIV 0 2.895 07/12/2011 - 01:37 inglês
Poesia Consagrada/Geral Silvia 0 3.030 07/12/2011 - 01:36 inglês