CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

MANIFESTO NÃO MANIFESTO DA GERAÇÃO VINTE E UM (#NG21)

MANIFESTO NÃO MANIFESTO DA GERAÇÃO VINTE E UM (#NG21)

A poesia existe no hoje. On-line navega todo o presente.

Seja livre. Só o maravilhoso é capaz de fecundar o encanto. Seja vítima de sua criação.

O novíssimo tem pressa. O velho calma. Uma relação de experiências contraditórias: Caberia ao novíssimo a calma diante do horizonte temporal e ao velho a pressa da finitude, do imediato; Limitado e imposto pela carne e não pelo espírito. Experiência? Não espere o novo. Espere o novíssimo. Não há espanto.

Poesia: Encantar-se ou não? Eis a questão.

A novíssima geração do século XXI conhece e reconhece todos os mortos. A Internet revira os cemitérios literários a cada nova busca. Em cada citação, imagem, filme há constante exumação. Arquivos abertos, palavras atribuídas e nunca escritas na eterna profundidade do oceano. O novíssimo encontra-se além das respostas e com perguntas.

Uma única luta – (ecológica?!) A luta pelo caminho.

Todo novíssimo deve agir como novíssimo. Permita-se a pretensão. Não tenha vergonha de ser engraçado. O bom senso convalesce. O politicamente correto sufoca o espírito. Sim, teremos os cabelos pintados, plásticas, botox, mãos e olhos mecânicos. Cachorros e gatos tratados como filhos. Novíssimo. Um encanto só. Deixe o nojo e o enjoo para os velhos.

O crítico se ampara no passado das letras. Um mesmo rio segue com outras margens. A gramática já entendeu na sua origem a sua própria função recicladora.

Conecte-se. O nosso nascimento encontra-se na palavra. Não permita a pausa e a súplica. O contemporâneo assalta o imenso vazio existente entre o sublime e o grotesco. Seja on-line ou no papel, não tema ser obscuro, mas não maltrate a palavra. O falar difícil só por falar difícil é insuficiente e medíocre. Feliz daquele que é sentido.  O canto de hoje se reconhecerá no novíssimo hoje amanhã. Só a reciclagem dos homens não nos engana.

Adote o imediato. Siga o inflamável. É necessário curtir o perecível. O solo não é virgem. As novíssimas folhas precisam de adubo. A palavra alimenta. Sustenta.

Ora, o momento é de reação à permanência. A novíssima folha até se ilude momentaneamente desprezando as raízes. Reação às coletâneas. Substituir a ilusão do clássico só pelo clássico. A palavra além de si mesma. #novíssimo #verEviver #photoesia #reciclagem #sustentável #encanto #NG21

Os mineiros não inventaram o Wi-Fi.

Nós afirmamos a beleza do nosso século XXI: a beleza da velocidade de conexão. Os PC’s, e-mails, Sites de Busca, Wikipedia, Pen Drives, Terabytes, Tablets, Smartphones, #hastags, Aplicativos, Redes Sociais, Processadores e o que virá; São mais bonitos do que a máquina de escrever.

Nossa época anuncia o triunfo do digital. Arquivos em Nuvens atacadas por hackers.

Recicle. Eu reciclo, Tú reciclas, Nós reciclamos e o resto é pura hipocrisia ou cópia. Contudo o século XXI não pode ser somente o século XX revisitado.

É tão ampla a diversidade. Não há um único meio para nos conduzir. Inexiste a resistência. Publique na rede, nas gráficas e pequenas editoras. Cave as grandes editoras. Leia. Leia sempre. Crie e mobilize. Compartilhe. Os fins do mercado, ao contrário, nos escapam. Por isso, recicle. Recrie.

Sem distâncias geográficas, o café e o gostoso aperto de mão, sobrevivem nas novíssimas afinidades. Nos comentários, seguidores e curtidas. Múltiplos usos para a palavra no século XXI.

A poesia da novíssima geração tem no tempo verbal: a conexão, o som, a imagem, o tempo.

Toda a História Literária e a história editorial brasileira. Todo os nossos erros. Como falamos. Como tocamos a tela. Como somos. Nosso esquecimento não será: como uma criança nos Blogs, Sites, Páginas, Redes Sociais nos compartilham, ironicamente, a certeza de que ainda pensamos. Mesmo se não escutamos o silêncio ou a nossa “voz interior”; Pensamos com os fones nos ouvidos e comandos de voz. Conectados pensamos e somos livres para o encanto. Ver e viver com os olhos livres. Sapere aude. Contudo, nunca nos levemos tão à sério. É muito cedo para nos desconectarmos. Nunca nos deixemos levar. O nosso tempo é para voar.

A alegria é a prova de sustentabilidade.

Vivemos entre máquinas. Mas o tempo comprovou a nossa humanidade. Não somos objetos – embora nossos avatares se reproduzam – somos o próprio consumo. Reciclamos a nossa causa. Ainda espontâneos e intuitivos. O nosso touchscreen transcende, recicla a nossa condição ‘recriativa’. Bem humana. Poética. Poherética. Conhecedora de todas as artes e expressões. Todo artista é um poeta.

A poesia nunca esteve no armário. Não se aborta ideias. O sexo não dorme on-line indomável. Carnaval o ano inteiro. A poesia transformadora do prazer e do olhar. Sem fronteiras. Imediata. Encantada. A serviço do contemporâneo.

O infinito e o agora: o que nos interessa: a primeira poesia marciana.

Nosso individualismo, reino de umbigos. Original nas amizades das telas. Conectados não reconhecemos títulos e nem denominações. A novíssima geração é ou já é ou nunca será. E isso não nos bastará. Mas que temos nós com isso?

Leia ou não leia. Delete. Acorde.

Bebamos mais limonada.

Douglas Fagundes Murta
Brasil, RJ - MMXVI

Texto apresentado para os escritores:
Edvard Vasconcelos
Fábio Baptista

Submited by

sábado, julho 30, 2016 - 22:54

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (2 votes)

DouglasFagundesMurta

imagem de DouglasFagundesMurta
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 10 semanas 3 dias
Membro desde: 08/24/2009
Conteúdos:
Pontos: 1036

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of DouglasFagundesMurta

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Coleciono 0 99 08/04/2019 - 13:20 Português
Poesia/Geral Silêncio 0 107 08/04/2019 - 13:17 Português
Poesia/Geral Poeta 2 236 06/11/2019 - 16:02 Português
Poesia/Geral Poema 1 238 06/11/2019 - 16:01 Português
Poesia/Geral Poesia 0 192 06/10/2019 - 12:44 Português
Fotos/Nus S.A.P.O.s. - Movimento de Deslocamento Intelectual Voluntário 0 179 05/04/2019 - 16:21 Português
Anúncios/Outros - Procura-se S.A.P.O.s. - Movimento de Deslocamento Intelectual Voluntário 0 159 05/04/2019 - 16:19 Português
Poesia/Geral OISAS i EIROS 0 2.845 02/10/2019 - 05:43 Português
Fotos/Artes Minha posse na ASOL- Academia Sociedade dos Literatos - Ilha do Governador - Rio - Brasil; Douglas Fagundes Murta 0 442 09/22/2018 - 19:34 Português
Poesia/Geral SEGUIR EM FRENTE 0 1.025 07/02/2018 - 06:22 Português
Poesia/Amor ROMÂNTICO 0 775 06/15/2018 - 02:43 Português
Poesia/Geral NÃO É FÁCIL 0 523 06/03/2018 - 01:40 Português
Poesia/Geral PAGAR IMPOSTOS 0 645 06/03/2018 - 01:23 Português
Poesia/Geral FERIADO 0 516 06/02/2018 - 03:39 Português
Fotos/Nus INTERVENÇÃO 0 654 05/27/2018 - 17:15 Português
Poesia/Geral REDE SOCIAL 0 679 04/12/2018 - 20:11 Português
Poesia/Geral NOSSOSSSS 3 636 03/31/2018 - 09:28 Português
Poesia/Geral Gesto 1 656 03/31/2018 - 09:27 Português
Poesia/Geral Eu te contei 4 588 03/29/2018 - 09:17 Português
Fotos/Outros SEPARA O TEMPO 1 668 03/29/2018 - 09:16 Português
Poesia/Geral CAMINHADA 1 557 03/22/2018 - 13:31 Português
Poesia/Geral NATURAL 2 517 03/20/2018 - 12:04 Português
Poesia/Geral OI 2 591 03/20/2018 - 12:01 Português
Poesia/Geral CERTEZA 2 635 03/20/2018 - 11:59 Português
Poesia/Geral SEI 1 519 03/16/2018 - 12:40 Português