CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

"Sic est vulgus"

"No light, but rather darkness visible"

Dificilmente se nasce de geração espontânea,
Só eu digo claro o que penso nas minhas enigmáticas
Palavras que não têm mãe, apreciação, nem berço,
Que tanto faria terem saído do diabo ou de um penedo,

"Sic est vulgus", subordinadas à hereditariedade,
Porque não me interrogam nem me espantam,
Apenas guardam mágoa, rancor e raiva, como ninguém
Foram geradas num ventre esterilizado de frade

A cujo dorso imoral e corrupto se assemelha
Esta minha escrita que mais valia não ter nascido,
Eu próprio vivificado no oficio das paixões terrenas,
Constantemente na frente, de cruz na mão esguelha,

Nunca hei-de estar no centro, nem dentro
Das comuns, vividas pelo comum dos homens,
Não faço parte dos crentes de domingo,
Evoco os feitiços e a floresta à lua prenha,

Tal qual o cio dos lobos e as facções em luta, a rixa
Na clareira pelo domínio sobre a raça, a tribo,
A liça, a faca que cultivo porque é real e precisa,
Privilegia a permuta quando é de corpo que se muda,

Dificilmente se nasce de geração espontânea,
Todas as formas de vidas provêm de uma substância
Nobre e com regras mundanas, sem ela é impossível,
Já meu dom cresce do extremo, nasci tão blasfemo

Quanto um vulgar escarro humano ou um pelo púbico
Arrancado em pleno acto de Contrição…

Jorge Santos 11/2019
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quarta-feira, janeiro 8, 2020 - 11:47

Ministério da Poesia :

No votes yet

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 dias 14 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40617

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Gótico Dò,Ré,Mi... 1 999 12/30/2010 - 13:16 Português
Poesia/Geral Carta a uma poeta 4 778 01/06/2011 - 14:00 Português
Poesia/Geral Nau d'fogo 4 1.438 01/07/2011 - 09:06 Português
Poesia/Geral O Triunfo do Tempo 0 764 01/07/2011 - 16:36 Português
Poesia/Geral cacos de sonhos 0 609 01/07/2011 - 16:44 Português
Poesia/Geral O templo 0 546 01/07/2011 - 16:46 Português
Poesia/Geral Quero fazer contigo ainda muitas primaveras... 0 1.590 01/07/2011 - 16:47 Português
Poesia/Geral Pátria minha 0 1.757 01/07/2011 - 16:48 Português
Poesia/Geral Panfleto 0 423 01/07/2011 - 16:49 Português
Poesia/Geral Manhã Manhosa 0 743 01/07/2011 - 16:51 Português
Poesia/Geral Flor Bela 0 877 01/07/2011 - 16:52 Português
Poesia/Geral Nem Que 0 677 01/07/2011 - 16:53 Português
Poesia/Geral Feitiço da Terra 0 791 01/07/2011 - 16:55 Português
Prosas/Lembranças Feitiço da Terra 0 1.407 01/07/2011 - 16:56 Português
Poesia/Geral Juntei sobras 0 1.421 01/07/2011 - 16:59 Português
Poesia/Geral Teima...Teima 0 911 01/07/2011 - 17:00 Português
Poesia/Geral O da Chave 0 787 01/07/2011 - 17:02 Português
Poesia/Geral Maré Mingua 0 787 01/07/2011 - 17:36 Português
Poesia/Geral Inspiração 0 560 01/07/2011 - 17:38 Português
Poesia/Geral Lost Priscilla 0 440 01/09/2011 - 19:53 Português
Poesia/Geral Bonifácio & the Rose 0 599 01/09/2011 - 19:55 Português
Poesia/Geral Half 0 986 01/09/2011 - 19:57 Português
Poesia/Geral Estaminal Trago 0 708 01/09/2011 - 19:58 Português
Poesia/Geral Enredo 0 592 01/09/2011 - 19:59 Português
Poesia/Geral Talvez Luz 0 634 01/09/2011 - 20:01 Português