CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Anjos e Esquinas

 
Qual será o preço por teu fingido apreço?
Desses, que logo se esquece, assim que amanhece?
Ou daqueles mais caros, que pagam os prazeres raros
e dos quais só se esquece, quando a alma apodrece?

Quem fez tua sina de ser a puta da esquina
nessa rua da Madame cafetina?
Quem te pôs sob o gringo pedófilo?
A miséria da orfandade, ou só a falta de caridade?
Ou foi o sonho em neon da Cidade?

Quem te pôs sob o velho tarado?
Qual foi o teu pecado
para purgar nesse leito errado?
Ter o sonho comum de adolescente:
comida, roupa e aparelho no dente?
Ou foi a ousadia de querer diferente,
onde o estômago não fosse tão urgente?

E, agora, só sonhas que o falso penitente
seja o último cliente?

Tantos sonhos (talvez) e tanta culpa.
São teus os primeiros. É minha a segunda,
por compor essa sociedade vagabunda.
Sociedade que entrega as suas filhas
e se isola em redomas e ilhas
para nada ver, nada escutar.
E, depois, contigo deitar.

Fecham as janelas por te temerem
(ou para não se reconhecerem)
e vociferam suas ladainhas,
mas aliviam-se com cesta-básicas,
vale-transporte e latas de sardinhas.

Usam teu corpo e matam a tua alma.
Suja, continuas na rua. Querem-te nua.
Sem Alma continuas na noite.
sob o jugo do Santo Açoite.
A puta da esquina,
a quem se dá uma dose de estricnina.

Qual será teu destino, forçada libertina?
Até quando, brasileira menina?

Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro, Verão de 2015.

Submited by

sexta-feira, janeiro 30, 2015 - 20:38

Poesia :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 anos 35 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 2.158 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.728 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.487 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 1.479 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.594 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 2.257 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.860 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 2.814 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.595 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.573 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.680 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 2.021 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 1.267 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 1.305 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 2.228 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.479 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 1.494 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 2.346 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.699 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 1.554 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.784 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.628 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 2.732 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 1.037 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 2.421 12/12/2015 - 16:54 Português