CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Canção de Budapeste

 
Seria preciso cantar-te,
mas secaram as tintas e os versos.
Secaram, em farpados arames,
que mais te aprisionam
que abraçam.

Seco, ficou, o desejo de falar de tuas Csárdás,
pois já não se ouve os acordes de Liszt,
silenciados pelas bombas da intolerância
e pelo urro dos tristes ogros das fronteiras.

Talvez, nalgum tempo de outros amanhãs,
outros Cantos cantem a verde beleza
que te fez amada pelo Mundo.

Mas não agora,
pois patéticos fantasmas inumanos
acusam-te com a sombra da impiedade.

Produção e divulgação de Vera L. M. Teragosa.
Lettre la Art et la Culture
Enviado por Lettre la Art et la Culture em 18/09/2015

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.fabiorenatovillela.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Submited by

sexta-feira, setembro 18, 2015 - 15:13

Poesia :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 anos 35 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 2.152 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.726 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.485 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 1.477 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.590 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 2.244 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.855 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 2.811 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.593 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.567 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.657 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 2.018 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 1.266 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 1.305 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 2.223 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.474 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 1.493 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 2.341 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.697 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 1.550 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.784 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.623 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 2.728 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 1.033 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 2.350 12/12/2015 - 16:54 Português