CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Fonte (Gabriela Mistral)

No fundo do horto,
uma fonte viva brota,
cega, de longos cabelos,
sem ser de espumas ferida,
que não atrai, de tão baixa,
e não cresce, de tão fina.

Da concha de minhas mãos
resvala e foge sombria.
E, de abaixada que brota,
de joelhos é bebida,
e levo a ela somente
as sedes que mais se inclinam:
a sede das pobres bestas,
a das crianças, a minha.

Na luz ela não estava
e na noite não se ouvia
mas desde que a encontrei
ouço-a mesmo adormecida,
pois o que dele provém
é como punção divina,
ou como segundo sangue
que o peito desconhecia.

Era ela que molhava
os olhinhos das novilhas.
E na colheita abundante
era ela que ia e vinha,
falando com minha fala,
que aos pastos arrepia.

Não era a saltos de lebre
que da serra ela descia.
Subiu a romper carbúnculos
e a morder a cala fria.

A velha terra noturna
lhe retalhava a fugida;
mas chegou à sua querência
viajando mais que Tobias.

(No Horto das Oliveiras,
Aquele que ali vertia
nem o olharam os tronco,
e a noite nada vida,
e nem se ouviu o seu sangue,
de abaixado que corria.

Mas tal água de amargura,
que por todos nós foi vista,
que nos amou sem sabermos
e caminhou dois mil dias,
como agora a deixaremos
na noite assim desvalida?
E como dormir do modo
como quando não se ouvia?)

Gabriela Mistral (1889-1957), poetisa chilena e Nobel de Literatura.

Submited by

terça-feira, agosto 4, 2015 - 21:58

Poesia :

No votes yet

AjAraujo

imagem de AjAraujo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 42 semanas 3 dias
Membro desde: 10/29/2009
Conteúdos:
Pontos: 15585

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AjAraujo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Fantasia Cabelos de fogo 0 402 04/28/2018 - 20:38 Português
Poesia/Dedicado A criança dentro de ti 0 362 04/28/2018 - 20:20 Português
Poesia/Pensamentos O porto espiritual 0 372 04/28/2018 - 20:00 Português
Poesia/Dedicado Ano Novo (Ferreira Gullar) 1 513 02/20/2018 - 18:17 Português
Prosas/Drama Os ninguéns (Eduardo Galeano) 0 489 12/31/2017 - 18:09 Português
Poesia/Dedicado Passagem de ano (Carlos Drummond de Andrade) 0 453 12/31/2017 - 17:59 Português
Prosas/Contos Um conto de dor e neve (AjAraujo) 0 1.462 12/20/2016 - 10:42 Português
Prosas/Contos Conto de Natal (Rubem Braga) 0 863 12/20/2016 - 10:28 Português
Prosas/Contos A mensagem na garrafa - conto de Natal (AjAraujo) 0 1.988 12/04/2016 - 12:46 Português
Poesia/Intervenção Educar não é... castigar (AjAraujo) 0 667 07/07/2016 - 23:54 Português
Poesia/Intervenção Dois Anjos (Gabriela Mistral) 0 2.032 08/04/2015 - 22:50 Português
Poesia/Dedicado Fonte (Gabriela Mistral) 0 1.101 08/04/2015 - 21:58 Português
Poesia/Meditação O Hino Cotidiano (Gabriela Mistral) 0 1.217 08/04/2015 - 21:52 Português
Poesia/Pensamentos As portas não são obstáculos, mas diferentes passagens (Içami Tiba) 0 1.226 08/02/2015 - 22:48 Português
Poesia/Dedicado Pétalas sobre o ataúde - a história de Pâmela (microconto) 0 1.897 03/30/2015 - 10:56 Português
Poesia/Dedicado Ode para a rendição de uma infância perdida 0 1.211 03/30/2015 - 10:45 Português
Poesia/Tristeza Entre luzes e penumbras 0 1.463 03/30/2015 - 10:39 Português
Poesia/Tristeza No desfiladeiro 1 2.161 07/25/2014 - 23:09 Português
Poesia/Intervenção Sinais da história 0 1.335 07/16/2014 - 23:54 Português
Poesia/Fantasia E você ainda acha pouco? 0 2.136 07/16/2014 - 23:51 Português
Poesia/Aforismo Descanso eterno 2 2.700 07/03/2014 - 21:28 Português
Poesia/Intervenção Paisagem (Charles Baudelaire) 0 1.800 07/03/2014 - 02:16 Português
Poesia/Meditação Elevação (Charles Baudelaire) 0 1.854 07/03/2014 - 02:05 Português
Poesia/Intervenção A uma mendiga ruiva (Charles Baudelaire) 0 3.450 07/03/2014 - 01:55 Português
Poesia/Intervenção Coração avariado 1 1.401 06/25/2014 - 02:09 Português