CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Gaiolas de um quarto escuro

Os caminhos da mente são feitos de caos
E nem podemos negar o fato que importa para as almas perdidas
Quando o destino é o maior traiçoeiro que existe
E no silêncio ninguém pode conseguir nenhuma companhia
Porque as tristezas não se podem contar.

O psicopata na prisão tem a cor do elefante
A imagem silenciosa dos que sonham por dias melhores
Quando lágrimas teimam em rolar de faces inocentes
É quando percebemos que a humanidade falhou miseravelmente
Com os seus semelhantes que perambulam pelas ruas desertas.

Quando as mães varrem a sujeira dos filhos para debaixo do tapete
Percebe-se que os destinos são traçados na infância
Que o ambiente corrompe até a alma dos mais puros
E que a distância é apenas mais um pretexto para as angústias
Quando os seres humanos não sabem o que fazer.

O sangue preto que jorra das veias entupidas de entorpecentes
É o mesmo que poderia salvar vidas inocentes
Mas nem mesmo as pobres criaturas noturnas são capazes
Quando estão todas acorrentadas em algum porão por ai
Longe dos olhos de bisbilhoteiros e vagabundos.

É quando a solidão não faz mais nenhum sentido
Pessoas querem se esconder nos becos escuros de uma rua qualquer
Ou atrás de latas vazias de cervejas fedorentas e vencidas
Onde fumaça toma conta do ambiente impuro
E provoca náusea nos estômagos de quem ousa sentir o cheiro.

Tudo o que ainda não foi revelado está escondido
E nem mesmo os mais sábios do mundo pode saber o futuro
Quando ninguém prestou atenção nas aulas de História
O destino é implacável com os ignorantes e imbecis
Que vivem atormentando nosso caminho o tempo todo.

Todas as esquinas temem os estranhos que se escondem
Porque haverá dias em que não poderão mais ver coisa alguma
Se o sol não pode parar a sua trajetória
Quem poderá esconder as violências cometidas nas penumbras
Quando ficaram de tocaias no único esconderijo possível.

Eu sou impuro quando declamo meus versos sentidos
Mas quem poderá refutá-los com alguma audácia que não é minha?
Se eu um dia parar de escrever minhas angústias noturnas
O mundo há de saber que já não estou entre os mortais
E, então, estarei de braços dados com a imortalidade.

O último suspiro precisa dizer alguma coisa importante
E por isso estou aqui dizendo essas palavras
Quando não se sabe exatamente quais serão as últimas
Abra o seu coração e deixe que elas saiam desfilando por ai
Como se fossem uma carta aberta ao mundo da imaginação.

Gaiolas de um quarto escuro sempre esconde algo cruel
Uma saudade perdida no tempo que vive a incomodar
Ou uma lembrança no profundo da alma que nos faz lembrar
Que um dia algo de bom aconteceu em nossas vidas
E que, por algum motivo banal, deixou de existir com o tempo.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

terça-feira, outubro 31, 2023 - 11:16

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 horas 23 minutos
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 16169

Comentários

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação A loucura da verdade 6 133 07/15/2024 - 13:45 Português
Poesia/Canção Tudo o que desejei 6 159 07/14/2024 - 17:02 Português
Poesia/Pensamentos Palavras escritas para os perdidos 6 413 07/13/2024 - 14:36 Português
Poesia/Amor Amanhã, quem sabe? 6 163 07/12/2024 - 13:50 Português
Poesia/Desilusão O tempo faz esquecer 6 273 07/11/2024 - 14:37 Português
Poesia/Pensamentos Esquecemos o que aconteceu ontem 6 490 07/10/2024 - 16:47 Português
Poesia/Desilusão Passados recompostos 6 476 07/09/2024 - 15:15 Português
Poesia/Desilusão Fere como um punhal 6 323 07/08/2024 - 16:19 Português
Poesia/Pensamentos Que mundo criamos? 6 462 07/07/2024 - 14:34 Português
Poesia/Intervenção Convoco os poetas 8 409 07/07/2024 - 14:28 Português
Poesia/Pensamentos Todas as canções possíveis 6 648 07/05/2024 - 14:21 Português
Poesia/Dedicado Canção ao Festival de Pesca 6 248 07/04/2024 - 14:55 Português
Poesia/Amor No silêncio da noite 6 228 07/03/2024 - 23:34 Português
Poesia/Desilusão Um olhar que se foi 6 370 07/02/2024 - 17:08 Português
Poesia/Amor Para tão longo amor 6 250 07/01/2024 - 13:51 Português
Poesia/Paixão Êxtase 6 169 06/30/2024 - 14:01 Português
Poesia/Pensamentos Escravos da mentira e do vento 6 983 06/29/2024 - 15:23 Português
Poesia/Intervenção Planeta a suspirar 6 254 06/29/2024 - 01:23 Português
Poesia/Amor Sempre 6 421 06/28/2024 - 02:07 Português
Poesia/Desilusão Saudade é minha poesia 6 270 06/26/2024 - 20:35 Português
Poesia/Amor Se alguém souber 6 254 06/25/2024 - 03:50 Português
Poesia/Amor Deusa em um jardim 6 642 06/23/2024 - 14:57 Português
Poesia/Pensamentos Um tolo por acreditar 6 897 06/22/2024 - 14:07 Português
Poesia/Pensamentos A noite dos gafanhotos 8 1.058 06/22/2024 - 14:05 Português
Poesia/Pensamentos Enigmas de uma vida intensa 6 1.126 06/20/2024 - 20:08 Português