CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Entre Margens... mais um conto!

Eles foram para aquele paraíso verde, como a esperança que tinham de resolver as suas vidas. Queriam fazer uma estufa de flores nos terrenos da quinta, iniciar um negócio colorido para limpar o cinzento das suas vidas citadinas. Arranjar aquela casa, limpar as pulgas, encher a adega de vinho caseiro como estivera no passado em que aquela casa tinha vida, constituir ali a família que esperavam.
A velhota ficou espantada e feliz com a chegada do neto e da mulher grávida de três meses. Sentia que a vida recomeçava com vida nova que estava por chegar. Eles durante todo o dia fizeram planos. Viram os terrenos. Fizeram contas ao investimento. Aproximava-se o tempo ideal para começar a plantar, no outono já estariam estabelecidos e tudo correria bem. Abraçados, ele aproveitava todos os momentos para lhe pedir desculpa por todo o inferno que ela passara na cidade. Ali no meio do verde tudo seria diferente. Acabava-se o mau feitio, as tareias, as palavras ditas com intuito de a magoar e de a destruir. Ali abraçados, ele beijava as cicatrizes que ela trazia nos pulsos, feitas num ato desesperado de quem prefere morrer a ter de suportar viver com um amor destruído e que a destruía. Dizia que não podia viver sem ela. Ela acreditava e amava, e amava o filho dos dois que estava por nascer.
Na primeira noite comemoraram com entremeadas e chouriços assados na lareira acendida com pinhas e troncos de lenha. A lareira não escoava o fumo, mas nada importava, estavam embriagados na conversa dos planos que continuavam a fazer. Ela pediu com calma que ele não abrisse mais nenhuma garrafa de vinho, até porque ela já tinha bebido um copinho, e não podia mais devido ao bebé, e ele deveria parar por ali e deviam ir-se deitar porque no dia seguinte, e seguintes, tinham muito que fazer. E disse isto com um ar feliz. Levou de imediato a primeira chapada. “Tu não mandas!”, Ela virou a cara e soltou lágrimas de medo. Começou a discussão unilateral de um homem bêbado contra uma mulher frágil e grávida. “Estás a chorar porquê? Daqui a nada levas outra.”. E levou. Levou um soco do lado direito e sentiu pedaços de dentes dentro da boca misturados com sangue, partiu-lhe o dente do siso. Ela sentia a cara a inchar mas a sua maior preocupação era proteger a barriga e manteve-se sentada, em silêncio, com uma almofada abraçada no colo. Ele não parava de destilar a sua raiva em forma do vinho tinto que bebeu. Pegou num pedaço de madeira, um pé de cadeira partido, e desferiu golpes cegos sobre ela. Pernas, ombros, costas, cabeça, tudo era atingido como se fosse de uma só vez, parecia que ele conseguia bater ao mesmo tempo em sítios diferentes. Ela não aguentou, começou a gritar gritos que naquela casa no meio do prado ninguém poderia socorrer. A velhota levantou-se da cama aonde já há algumas horas ouvia televisão, colocou-se na frente do neto enlouquecido, como se fosse a jovem nortenha que setenta anos antes se colocou em frente ao ancinho que era dirigido ao marido, mas ele empurrou-a contra a lareira acesa. Ela largou a almofada e levantou-se para socorrer a velha, conseguiu-a retirar ilesa mas ele agarrou-a pelos cabelos, por detrás da cabeça, e arrastou-a pelo chão como se fosse um vitelo para o matadouro. Arrastou-a através da cozinha, até á porta de saída, até á beira da escada e continuou a puxa-la escada abaixo. O corpo dela a rojar de qualquer maneira o chão irregular da escada ingreme de pedra, a meio da escada ele deu um puxão mais forte e arremessou-a pelo resto da escada abaixo. Ela pôs-se de pé, no sítio aonde tinha caído gotas grossas de sangue eram absorvidas pelas pedras do chão. Ela correu e escondeu-se nas árvores da noite que lhe facultava a invisibilidade. Ele saiu aos gritos, chamando por ela como se estivesse preocupado, pedindo que voltasse, pedindo perdão. Perdão.
A velhota apareceu também. Virou o olhar na sua direção e manteve-se a olhar. Aquela era a velhota cega de um olho e quase cega de outro que durante a tarde lhe afirmara que costumava ver e conversar com a Nossa Senhora de Fátima, quando esta vinha aproveitar a sombra da oliveira que estava no quintal. Os milagres acontecem para os puros de coração e só um milagre podia manter viva uma senhora daquela idade sobre aquelas condições de sobrevivência. Sim, ela estava a vê-la. E não disse nada ao neto. Ele foi para dentro, talvez para abrir a garrafa de vinho que tinha ficado por abrir. A velhota fez um sinal na direção dela e abriu a porta da loja, o piso térreo da casa.
Ela não voltou à casa. Correu colina acima, ensanguentada sem sentir o sangue, dorida sem sentir as dores, sem destino, destinada a apenas a salvar as vidas que lhe corriam nas veias.
Eram três da manhã, o adro da igreja estava deserto. Ela sabia que por ali havia uma esquadra da GNR e um hospital, mas não encontrava nem um nem outro. Deambulou mais lágrimas e sangue até que sentiu um a mão no ombro. Saltou de terror, gritou uma posição de defesa. Era um homem, ela viu a farda e balbuciou mais umas lágrimas que diziam hospital. O GNR tomou-a nos braços, colocou-a no jipe e arrancaram. Tentaram também arrancar algumas informações: quem era? De onde era? Não a conheciam dali. O que tinha acontecido? Como chegara até ali? Apesar da noite de vinte e cinco graus, ela começou a sentir frio. Chegaram ao hospital e ela foi colocada numa maca. Tentou balbuciar que estava gravida, cuidado com a medicação. Limparam as feridas, coseram os rasgões na pele, colocaram soro e ela adormeceu numa almofada de lágrimas.
Na manhã seguinte abriu os olhos e tinha à sua frente um homem careca de bata branca. Sentou-se na cama e gritou. Calma, pediu o médico, ali ela estava segura. Pediu para lhe dizer o nome dela, de onde era e o que tinha acontecido, segurando-lhe na mão com delicadeza e afagando-lhe os cabelos. Ela respondeu a todas as questões, não escondeu nada, nem as lágrimas que lhe escorriam pela cara que lhe ardia. Pediu para não apresentar queixa, aquilo nunca tinha acontecido daquela forma tão violenta, e ela tinha a certeza que era só uma fase. Ele gostava muito dela e de certeza que já estava arrependido. O médico pediu-lhe que ficasse e descansasse mais um pouco, mas ela pediu alta. Queria ir embora, resolver a situação. O médico tentou demovê-la. Não, queria ir para casa. Levantou-se e foi à casa de banho. O maldito espelho revelava uma verdade cruel de um rosto desfigurado por cortes e hematomas. Quando despiu a bata do hospital para vestir a sua roupa ficou ainda mais chocada. Aquela massa roxa e com zonas em carne viva, cobertas por pomada, não era o seu corpo. Chorou nua em frente aquele espelho mau.
No cimo da colina, parou a olhar o caminho que a levaria de volta ao prado. Ele vinha a subir e, quando a viu começou a correr. Ela, por instinto, correu para trás e virou a direita por entre uns portões, sem perceber que entrava no cemitério. Ele entrou também, chamando-a pelo nome. Para! Pediu ela: “não me faças mais mal…”. Ele olhou para ela, parou e caiu de joelhos a chorar. Parecia não saber que uma pessoa que levou estaladas, socos, que foi batida com um pau como uma bola de basebol e jogada de uma escada abaixo ficava naquele estado. Ela não achou cínico, achou verdadeiro o arrependimento dele, deu um passo em frente e abraçou-o com a pouca força que tinha. Ele levou-a para casa e deitou-a. Tinha desinfetado o colchão e quase não se sentiam pulgas. Ela dormiu a tarde toda.
Acordou com uma cólica enorme, que sobressaía, de todas as dores que tinha no corpo. Enrolou-se sobre si própria e gritou. Sentiu-se molhada entre as pernas e pensou que se tinha urinado com a dor. Olhou e viu sangue espalhado nas calças do pijama florido e nos lençóis, na zona do baixo-ventre. Outra dor, mais forte. Chamou por ele. Ele apareceu, garrafa de cerveja na mão, olhou para ela e sentou-se numa cadeira enfrente a cama como quem vê televisão. Ela agonizava de dores e perdia sangue, enrolava-se e desenrolava-se na cama. Ele apontou, com a garrafa, o lençol todo sujo, que ainda de manhã o tinha posto de lavado, mandou-a para a casa de banho e saiu do quarto. Ela arrastou-se para fora da cama, atravessou o quarto a cozinha, o quintal, enrolava nas suas dores abdominais, entrou na barraca de banho e vomitou. Ainda de pé, com a cabeça encostada à parede, e as mãos apoiadas nas paredes sentiu um volume de massa mole que lhe saia da vagina. Despiu as calças do pijama e no chão caiu um pedaço de tecido como um fígado. Placenta. O bebé. Gritou, rouca de sofrimento, gritou sem ser socorrida. Desmaiou.
Acordou de novo no quarto, os lençóis e pijama lavados. Instintivamente levou a mão à barriga, recordou tudo e chorou. Depois tentou levantar-se, as dores de barriga tinham passado e voltaram as dores sobre os hematomas que lhe cobriam o corpo e os cortes ardiam. Foi até à cozinha. Ele e a velhota estavam sentados à mesa sobre uma malga de chá e pão com manteiga, em silêncio. Quando a viu ele levantou-se e foi buscar mais uma malga, tão encardida como as outras, e encheu-a de chá. Pediu-lhe que se sentasse e comesse. Ela sentou-se e disse que não tinha fome, mas precisava de um copo de água. A face dele transfigurou-se, gritou que estava a tentar pedir-lhe desculpa e que ela era muito mal-agradecida. Afinal ele também estava a sofrer, ele também tinha perdido um filho por nascer, ao menos ela tinha tido a possibilidade de o ter tido dentro da barriga. Ela começou a chorar convulsivamente e a velhota deu-lhe a mão, por cima da mesa. Ele desatou aos gritos com a avó, se ainda por cima estava do lado dela, uma porcaria de gaja que para mais nem conseguiu segurar um filho na barriga. Ao mesmo tempo puxou-lhe os cabelos da nuca para trás, de forma a descobrir-lha a cara, para lhe dar mais uma valente chapada sobre os hematomas verdes que lhe cobriam a face. Ele continuou a puxar-lhe os cabelos e aproximou a cara dele da dela e manteve-se aos gritos, ela tateou a mesa e os seus dedos encontraram a faca de cozinha que tinha servido para cortar o pão ás fatias. Sem pensar enterrou-a no corpo dele, travessando-lhe as costelas do lado direito. Ele afrouxou a força e olhou incrédulo para a faca que permanecia enfiada no seu corpo, largou-a e segurou a faca pelo cabo. Caiu de joelhos, em silêncio, os olhos muito abertos a olhar em volta, para ela, para a avó, para a faca enterrada no seu corpo. A avó manteve-se sentada, lágrimas no olho.

Para saber o fim deste conto vá a 

http://www.facebook.com/pages/Filomena-Iria-oficial/240288792722721

Submited by

terça-feira, maio 29, 2012 - 15:23

Prosas :

No votes yet

Filomena Iria

imagem de Filomena Iria
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 23 semanas
Membro desde: 02/02/2012
Conteúdos:
Pontos: 139

Comentários

imagem de Teresa Almeida

Apesar de extenso, lê-se com

Apesar de extenso, lê-se com enorme interesse. Abominando cada frase - sinto-me volentada.

Quem assim escreve quer lançar gritos de socorro por todas as mulheres vítimas de violência doméstica;
quem assim escreve quer minar por dentro situações bloquedas.

Que nunca as mãos te doam!

Grande abraço amiga.

imagem de Filomena Iria

amiga Teresa,

este é um de alguns contos que fazem parte do meu projeto Entre Margens-(re)contos de violência doméstica. Espero fazer este lançamento dia 24 de Novembro, dia anterior ao Dia Internacional de Combate contra a Violência Doméstica. As mãos não doêm, mas vou precisar de fazer alguma ginástica financeira para arranjar fundos para fazer gritar ao mundo estas palavras.
muito obrigada Teresa, pelas tuas palavras.
muitos beijinhos
Filomena Iria

imagem de Jokalink

Nada disso!

Não respondi pelo seu apelo, foi porque acho mesmo bom, comecei a ler, sem ter visto o seu pedido, só depois vi, mas não comentei por ele, foi mesmo por ter gostado e muito.

Abraço.
Jorge Santos.

imagem de Filomena Iria

comentários

Sei que é comprido mas um pouco do vosso tempo e um comentário ajudavam o meu progresso.
Bem hajam!

imagem de Jokalink

Lindo!

Boa tarde Filomena!

Ninguém pode ficar indiferente! Posso assegurar-lhe que há muito, não me vinham as lágrimas aos olhos, por ler um romance e este bocadinho, quase me fez chorar.
A Senhora é uma craque, a escrever romances, com mais tempo, vou ver se consigo ler tudo até ao fim, agora não posso.

É preciso combater a violência doméstica, contra "criaturas" que não sabem ser humanas.

Os meus parabéns e continue que na minha modesta opinião, é muito bom!

Um grande abraço.
Jorge Santos.

imagem de Filomena Iria

muito obrigada joka

agradeço ter respondido ao meu apelo e agradeço muito as suas palavras.
são sem duvida um grande incentivo
abraços
filomena iria

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Filomena Iria

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Teaser 0 822 04/03/2014 - 22:26 Português
Anúncios/Outros - Oferece-se Oferta de livro inédito de poesia -para todos sem sorteio 0 1.245 03/29/2014 - 23:17 Português
Prosas/Contos Sobre o livro (re) recontos de violência doméstica 0 677 02/19/2014 - 17:26 Português
Videos/Outros (re)Contos de Violência Doméstica 0 761 01/20/2014 - 21:44 Português
Videos/Outros (re)Contos de Violência Doméstica 0 851 01/20/2014 - 21:40 Português
Videos/Outros (re)Contos de Violência Doméstica 0 881 01/20/2014 - 21:40 Português
Ministério da Poesia/Intervenção PAPOILA 4 884 07/21/2012 - 09:54 Português
Videos/Cinema ajudem este talento a ganhar 0 1.193 07/10/2012 - 15:54 Português
Prosas/Contos este foi o conto do meu fracasso no concurso novos talentos Fnac - CEM IDADE 4 1.192 07/05/2012 - 20:48 Português
Videos/Outros Braille o gatinho cego 0 1.041 06/18/2012 - 07:58 Português
Prosas/Contos Entre Margens... mais um conto! 6 884 06/17/2012 - 09:44 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 1 923 06/14/2012 - 08:29 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 1 953 06/14/2012 - 08:27 Português
Anúncios/Outros - Oferece-se CONCURSO 1 882 06/12/2012 - 12:53 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 1 881 06/12/2012 - 11:53 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 804 06/05/2012 - 10:19 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 838 06/05/2012 - 10:12 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 782 06/05/2012 - 10:10 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 823 06/05/2012 - 10:09 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 933 06/05/2012 - 10:07 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 782 06/05/2012 - 10:05 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 649 06/05/2012 - 10:04 Português
Fotos/Eventos Fotos de lançamento do livro Comichão no Espirito 0 725 06/05/2012 - 10:02 Português
Prosas/Contos Entre Margens... mais um pouco (Re)Contos de violência doméstica 0 1.274 04/08/2012 - 16:35 Português
Ministério da Poesia/Geral mais um cheirinho de Comichão no Espírito 0 657 04/08/2012 - 16:29 Português