CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O fantasma da velha escola - 16

Marcão e seus pais voltaram para casa sem trocar nenhuma palavra. Ao entrarem, o pai disse:
-A gente se mata para educar os filhos e eles fazem isso! Marcos, como você foi fazer um ritual pego da Internet? Viu o perigo?
-Eu queria ter paz, pai.
-E se a menina tivesse morrido, meu Deus? Eu nunca pensei que você fosse capaz de ser tão egoísta, inconsequente e covarde! Eu vou gastar um dinheirão para pagar os vidros quebrados, mas saiba de uma coisa: você não vai ganhar seu sonhado smartphone, para ajudar a pagra o prejuízo! E esqueça também a viagem de férias!
-Pois quer saber pai? Pode parar de me dar mesada, roupa e tudo o mais! Todas as noites, o José Afonso me assombra em sonhos, acusando-me de covarde e traidor! O que é ficar sem dinheiro? Não é nada, comparado a não ter paz e não poder dormir! Eu posso ficar sem mesada, smartphone e cartão de crédito, mas não posso ficar sem paz!
Quase em lágrimas, Marcão saiu de perto dos pais, trancando-se no quarto. A mãe chorou e o marido a abraçou, lamentando:
-O que fizemos de errado, meu Deus? O que aconteceu? Ele não quis aprender nada do que ensinamos?
-Querido, que faremos quanto à história do fantasma? José Afonso está assombrando o nosso filho e ele não está suportando!
-Não sei, meu bem. Sei apenas que estou totalmente perdido.
Ajoelhado no chão do seu quarto, Marcão escutou a conversa dos pais e falou:
-Muito bem, José Afonso, você conseguiu, não foi? Acabou com a minha vida! Que você pode dizer? Que eu mereço, porque não presto? Está certo, eu não presto, mas você também não, seu fantasma desgraçado! Se eu soubesse que você era capaz de ser tão vingativo e cruel, eu nunca teria sido seu amigo! Eu odeio você, seu fantasma de merda!
Passou o resto da noite jogado na cama, pensando em como tudo que começara com uma brincadeira tola destruíra todos os alicerces de sua vida. Quem confiaria nele sabendo o que ele fizera? Este episódio da sua vida se tornara uma nódoa, como as marcas na pele de um leproso ou a cicatriz de um ferimento profundo. Nem seus pais confiavam mais nele. Haviam passado a tê-lo, e com razão, por um covardde incapaz de socorrer os amigos e de enfrentar a responsabilidade por seus atos.
"Meu Deus, eu não consigo pensar que vou viver com isso o resto da minha vida! Antes morrer para me libertar deste peso!"
Não! No que ele estivera pensando? Em se matar? Estaria caindo em uma artimanha de José Afonso ou com vontade de ceder a uma tentação covarde? Encolheu-se, chorando.

Submited by

segunda-feira, agosto 31, 2015 - 18:15

Prosas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 43 semanas
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Gótico Esta solidão 0 867 09/28/2015 - 18:05 Português
Poesia/Geral Autodefinição 0 834 09/26/2015 - 19:28 Português
Poesia/Fantasia Quem era eu? 0 1.119 09/26/2015 - 19:27 Português
Poesia/Gótico Calling me 0 1.339 09/13/2015 - 09:36 inglês
Poesia/Meditação Agora 0 1.260 09/13/2015 - 09:32 Português
Poesia/Gótico Um câncer 0 608 09/12/2015 - 09:11 Português
Poesia/Gótico Any advice 0 2.999 09/12/2015 - 09:09 inglês
Poesia/Meditação Lacunas 0 1.259 09/06/2015 - 09:45 Português
Prosas/Pensamentos Jornada interior 0 642 09/06/2015 - 09:41 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - epílogo 0 968 09/06/2015 - 09:37 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 19 0 984 09/05/2015 - 19:35 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 18 0 890 09/03/2015 - 18:35 Português
Poesia/Meditação Andando na multidão 0 1.021 08/31/2015 - 18:46 Português
Poesia/Fantasia Nebuloso 0 808 08/31/2015 - 18:43 Português
Poesia/Tristeza Ansiedade 0 667 08/31/2015 - 18:40 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 17 0 1.191 08/31/2015 - 18:37 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 16 0 1.004 08/31/2015 - 18:15 Português
Poesia/Desilusão O último adeus 0 1.765 08/30/2015 - 10:39 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 15 0 855 08/30/2015 - 10:36 Português
Poesia/Desilusão Por você 0 894 08/30/2015 - 09:45 Português
Poesia/Gótico O lago negro 0 1.146 08/30/2015 - 09:38 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 14 0 1.355 08/28/2015 - 20:45 Português
Prosas/Mistério O fantasma da velha escola - 13 0 713 08/25/2015 - 19:28 Português
Poesia/Gótico Gritos na noite 0 990 08/22/2015 - 19:30 Português
Poesia/Amor Tão distantes 0 852 08/22/2015 - 19:28 Português