CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Poema de amor não correspondido

Eu era ainda garoto. Mas, por algum motivo estava empolgado naquele dia. Em sala de aula o professor falou sobre alguma coisa de literatura. Depois, nos mandou fazer um texto, um poema, qualquer coisa. Era para que fizéssemos alguma coisa. Eu olhei para o outro lado da sala e fitei, por alguns segundos, aquela garota. Ela seria a minha inspiração e eu sabia o que ia escrever: um poema!
Por alguns minutos eu labutei com as palavras. Escrevia, lia e apagava. Não estava bom. Que droga! Queria ter o dom dos poetas. Queria traduzir em palavras o que o meu coração sentia. Mas, não saia nada. O tempo passava. O professor andava entre as fileiras de carteiras com as mãos cruzadas nas costas. Um olhar de reprovação. Eu tinha medo dele. Tinha dias que ele era muito bravo. Aquele, pelo jeito, não era um de seus melhores dias.
Olhei mais uma vez para a garota que, inocentemente, de cabeça curvada, escrevia o seu texto ou poema, sei lá. No que ela pensava? Pensava eu. Ela nunca me olhou. Então, com certeza, não é em mim que ela pensa. Ah! Já sei o que vou escrever. Vou fazer um poema de um amor não correspondido. E lá fui eu. Do nada as palavras foram saindo e eu contruí uma epopeia sobre um amor não correspondido. Pelo menos eu pensava assim. Quando terminei a minha obra de arte eu não aguentava em mim a ansiedade. Ia chamar o professor, mostrar para ele. Ele ia ler, elogiar e falar para a turma: olha só que texto maravilhoso! E ai, ela ia ter que olhar para mim.
Chamei o professor. Chamei não, gritei. Toda sala olhou para mim. O professor se aproximou. Pegou meu texto e leu. Todos os olhares da sala estavam fitos em mim. O professor terminou de ler o texto. Fitou os olhos em mim. Fez uma careta. Amassou a folha de papel e balbuciou: - Uma bosta!
Ela reparou em mim. Não sei se porque fiquei branco ou se porque fiquei vermelho. Uma das duas coisas aconteceu. Meus olhos encheram-se de água.
- Vê se produza algo melhor! - foi a sentença.
Quando todos saíram depois da aula eu fui no lixeiro e peguei o meu rascunho. Deitado na minha cama horas depois, eu peguei a folha de papel, desamassei-a e reli o que tinha escrito. Fechei os olhos e chorei. As lágrimas me aliviaram. Depois de muito tempo reli o texto outra vez. - Uma bosta! - pensei. Guardei a folha. Depois de muito pensar acabei dormindo.
Anos mais tarde. Voltei-me aos meus rascunhos. Alguns amarelados pelo tempo, outros comidos pelas baratas. Revisitei-os. Como é bom lembrar de tempos remotos. Uma maravilha. Minha memória fervilha. Busco cada acontecimento na esperança de lembrar porque eu escrevi aquele texto. Não me lembro da fisionomia daquela garota, nem mesmo de seu sorriso que era lindo. Não lembro daquele professor, a não ser de sua cara amarrada nos dias ruins para ele que, era quase todos. Mas, de uma coisa eu nunca me esqueço. Das lágrimas que derramei naquele dia. Do sonho que nasceu em mim naquela noite: - Ainda vou ser um grande escritor!
Pode não parecer muito, mas eu escrevo porque gosto de escrever. A escrita me liberta. E eu sou muito feliz!
Na noite de lançamento do meu terceiro livro me veio à mente toda essa história e a lembrança de que ninguém poderia destruir os meus sonhos.

Texto: Odair José, o Poeta Cacerense

http://odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

sábado, outubro 17, 2015 - 02:18

Prosas :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 8 horas
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 3638

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos Catarse 0 12 07/23/2019 - 01:37 Português
Poesia/Meditação Alucinação (Poema sobre drogas) 0 12 07/22/2019 - 21:53 Português
Poesia/Desilusão Quando a estrada e o caminho são demais para mim 0 15 07/20/2019 - 00:09 Português
Poesia/Meditação A tirania do urgente 2 28 07/19/2019 - 21:06 Português
Poesia/Amor A Esperança e o Destino Final 0 20 07/17/2019 - 17:13 Português
Poesia/Desilusão Encanto estranho em não estar sozinho 0 26 07/14/2019 - 14:45 Português
Poesia/Paixão Meu grande amor 0 46 07/10/2019 - 01:51 Português
Poesia/Tristeza Um homem só 0 38 07/08/2019 - 17:42 Português
Poesia/Desilusão Não deixarei! 0 63 07/08/2019 - 17:37 Português
Poesia/Meditação Pensamentos abstrato 0 29 07/08/2019 - 14:20 Português
Poesia/Desilusão Se não aqui dentro de mim 0 42 07/07/2019 - 15:21 Português
Poesia/Amor Como o sol do meio dia 0 84 07/05/2019 - 23:11 Português
Poesia/Desilusão Quando você voltar para mim 0 36 07/05/2019 - 00:44 Português
Poesia/Amor Fico dentro dos livros 0 70 07/01/2019 - 20:56 Português
Poesia/Paixão Sobre aqueles olhos 0 68 06/30/2019 - 19:06 Português
Poesia/Pensamentos O último suspiro 0 52 06/28/2019 - 15:50 Português
Poesia/Fantasia A Lenda da Prostituta Rose Morena 0 49 06/27/2019 - 22:40 Português
Poesia/Amor O Amor Que Sinto Por Ti 0 57 06/26/2019 - 19:49 Português
Poesia/Amor Tanto amor assim 2 139 06/25/2019 - 22:49 Português
Poesia/Pensamentos No epitáfio de minha vida 0 58 06/25/2019 - 22:47 Português
Poesia/Alegria Segredos de felicidade 0 71 06/24/2019 - 19:47 Português
Poesia/Paixão Intensidade 0 69 06/21/2019 - 16:05 Português
Poesia/Desilusão A história que ninguém viu 0 52 06/20/2019 - 21:04 Português
Poesia/Desilusão Canção do não retorno 0 75 06/19/2019 - 23:28 Português
Poesia/Desilusão Sentimentos entorpecidos 0 58 06/18/2019 - 20:00 Português