CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Rousseau e o Romantismo - Parte XVI - A Liberdade Natural


 

Antes de tudo será preciso observar que o termo “liberdade” no contexto de “Estado de Natureza” apresenta um significado diferente daquele que geralmente lhe é atribuído; isto é, o poder de decidir, de optar entre algumas alternativas, de fazer algo ou não etc.

Aqui, o termo significa essencialmente a ação que o indivíduo fazia com o objetivo de satisfazer alguma necessidade, que, à época, eram apenas as do corpo físico. Diz-se “livre” pelo fato do homem não estar aprisionado a nenhuma convenção, a nenhum outro interesse que não fosse o seu imediato.

Na realidade, o homem não era livre no sentido atual, pois vivia eternamente sob o jugo das necessidades corpóreas e sob a ameaça constante de outros homens e doutros Seres, ficando, portanto, restrito a espaços isolados e às condições climáticas e de tempo.

E como a espécie humana era extremamente pequena em quantidade, o isolamento do indivíduo era facilitado, diminuindo assim o risco de ser atacado. Ademais a sua embrutecida mentalidade não lhe cobrava qualquer responsabilidade sobre outrem, exceto, talvez, pelo seu grupo familiar.

Dessa sorte, a sua “liberdade” dependia diretamente do isolamento que fosse capaz de manter ou da força física de que dispusesse. Nas palavras do filosofo:

“O homem realmente livre faz tudo que lhe agrada e convém, basta apenas obter os meios e adquirir força suficiente para realizar os seus desejos”.

Obviamente que não existiam regras, leis ou instituições que freassem a usurpação, a violência etc., contudo, isso não se constituía em grave problema devido ao já citado isolamento em que se vivia e, também, pela autossuficiência adquirida por cada um. Sem motivos para se aglomerarem os homens viviam “livres” em seus espaços.

E, talvez, vivessem felizes, pois para Rousseau, ao contrário de Hobbes e de outros pensadores, o “homem complementava a natureza” e, portanto, ela não lhe era adversa, inexistindo, pois, interesse ou necessidade de se superar o “Estado Natural”.

Porém, o desenvolvimento da mente humana foi aos poucos introduzindo novas vontades e novos desejos na alma do homem e seguindo à incipiente capacidade de abstração, de imaginação, chegou o desejo de interagir com semelhantes e se passou a construir agrupamentos e a se viver outro tipo de “liberdade”, a chamada “Liberdade Civil”, da qual falaremos adiante.

Antes, porém, será oportuno abrirmos espaço para pensarmos como se deu a transição entre esses dois tipos.

Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro, Primavera de 2014.

Submited by

quarta-feira, novembro 12, 2014 - 14:46

Prosas :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 anos 33 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 2.136 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.719 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.477 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 1.464 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.578 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 2.207 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.840 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 2.797 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.585 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.557 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.636 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 2.004 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 1.255 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 1.291 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 2.210 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.456 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 1.481 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 2.318 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.685 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 1.544 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.767 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.610 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 2.710 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 1.025 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 2.330 12/12/2015 - 16:54 Português