CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Calcanhares

Calcanhares

Lentamente os calcanhares tomavam o corpo de assalto, voltando os passos dados, como uma tentativa de retroceder no tempo. Em vão, assim como o olhar lançado ao espaço vazio, cortando os sentimentos confundidos, em alguns momentos parecia ser amor e em outros parecia apenas mais uma noite de solidão.

Não havia a possibilidade de um dialogo por menor que fosse a vontade, pois as palavras não faziam qualquer questão de confortar. Era apenas alguém, um objeto, como tantos outros, que ali se deitaram na esperança de esquentar um corpo, preencher um coração, fingir uma emoção.

Crônicas absurdas lidas ao avesso, mais parecidas com notas musicais tortas, para combinar com a imperfeição dos corpos e todos os defeitos que se tentavam esconder, mesmo com o apagar das luzes, o escuro consegue enganar os olhos, mas não consegue confundir a mente.

Não há roupa ou maquiagem suficiente, para tapar tantos prazeres que a carne, mesmo a boca dizendo não, insiste em se entregar. Pode ser um alguém, pode ter um nome ou ser dono de um sorriso, logo abandonado, logo esquecido e quando acaba a sede, por momentos se mostra triste.

Olha as paredes, observa o teto, faz criticas pela falta de organização, pela falta de bom gosto na decoração. Fala e revela para si mesmo que aquela é a única vez, a ultima tentativa de ser mais individuo vazio.

Pensa em alguma desculpa, sem a necessidade de ser convincente, apenas como rota de fuga ou ponto final. Imagina uma boa cerveja gelada esperando por você. Não se importa em saber que não haverá próxima vez.

Essa é a vida, são assim que as escolhas ditas banais são feitas, parecendo filmes com roteiros programados. Ouve um sussurro ao fundo, mesmo tentando ignorar, responde com a voz calma, para não entregar... Vai fechar a porta, não vai ligar e se o acaso ajudar, será apenas um pecado a mais para perdoar.

Submited by

sábado, novembro 30, 2013 - 12:06

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 5 dias
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2926

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Paixão [Negra] 0 27 05/22/2020 - 18:23 Português
Poesia/Meditação [Pulsar] 0 79 04/30/2020 - 19:43 Português
Poesia/Meditação [Teias] 0 185 03/16/2020 - 14:24 Português
Poesia/Pensamentos [As vozes] 0 241 02/12/2020 - 19:15 Português
Poesia/Meditação [Vento] 0 133 02/10/2020 - 14:13 Português
Poesia/Pensamentos [Queda] 0 336 01/23/2020 - 20:15 Português
Poesia/Amor [Invisíveis] 0 182 01/06/2020 - 18:06 Português
Poesia/Meditação [Casas invisíveis] 0 333 12/13/2019 - 17:59 Português
Poesia/Meditação [PÓ] 0 235 12/09/2019 - 15:01 Português
Poesia/Pensamentos [A hora mais escura] 0 431 09/27/2019 - 18:59 Português
Poesia/Pensamentos [Urubus] 1 597 09/27/2019 - 13:24 Português
Poesia/Pensamentos [Fantasma] 0 315 09/19/2019 - 21:31 Português
Poesia/Amor [Teus lábios] 0 522 08/15/2019 - 15:01 Português
Poesia/Meditação [Á deriva] 0 991 05/08/2019 - 15:29 Português
Poesia/Meditação [Vazios] 0 1.146 04/03/2019 - 21:00 Português
Poesia/Meditação [Círculos] 0 1.326 03/12/2019 - 17:34 Português
Poesia/Meditação [Mundo] 0 1.124 12/07/2018 - 20:47 Português
Poesia/Meditação [Curtido] 0 1.390 11/26/2018 - 20:20 Português
Poesia/Meditação [Caminhar] 0 902 11/21/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A filosofia do povo] 0 1.500 10/30/2018 - 14:13 Português
Poesia/Meditação [Morto] 0 1.546 10/25/2018 - 19:56 Português
Poesia/Meditação [Novos velhos] 0 983 10/24/2018 - 14:52 Português
Poesia/Meditação [Preço] 0 730 10/23/2018 - 15:12 Português
Poesia/Meditação [Destempero] 0 868 10/05/2018 - 21:19 Português
Poesia/Meditação [Brasília] 0 889 08/03/2018 - 20:28 Português