CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Indi(Gente)!

Indi(Gente)!

As mãos sujas pelo mau trato da vida, vasculha de forma bruta o saco junto ao meio fio, a cada volta da sua mão na aquele paraíso de sobras humanas,  faz escapar o fedor de toda uma sociedade que ignora sua existência.
O rosto baixo com o corpo meio curvado e os olhos tristes, como quem se esconde de outros olhares falsamente piedosos, ouve múrmuros quase imperceptíveis, embora sua cabeça insista em lhe alucinar, que seja sobre sua humilhação. 
Sem saber que horas são, sem se importar que seja dia, noite, ou madrugada a fora, sem obrigações legais, sem obrigações sociais, sem falsas ideologias ou filosofias baratas. Apenas com a esperança de encontrar uma sobra que possa comer, ou vender para conseguir poucos centavos.
Mesmo que seu sofrer lhe de motivos para sorrir, dificilmente saberia que se trata de felicidade, pois a pele queimada do sol e marcada pelo descaso, já não tem a sensibilidade necessária para sentir algo além da dor. Acostumou-se a dar passos vazios, há ser invisível, há ignorar seus sonhos e desejos, não poderia ser nada além de alguma coisa qualquer, quase que um objeto decorativo, essencial em qualquer sociedade trincada e obsoleta.
Percebe que não é bem vindo, percebe que não sabe para onde está indo, e que de alguma forma é motivo de risos, indelicados e indecisos. Que com suas marcas estampadas, seres ligados no automático esquecem-se de vestir-se de humanidade. Seu olhar corre pelas calçadas mal cuidadas, pelos muros pichados, uma cidade morta, cinza e explorada pela incessante busca de poder aquisitivo, que não se lembra mais qual é seu verdadeiro objetivo.
Pensa com sigo mesmo, como mudar, como sobreviver a esses tempos tão incertos, não poderia ser ele o único invisível em um lugar que parece ser bom apenas para sobreviver. Aos poucos se levanta, exalando o cheiro de seu viver pelos poros entupidos de verdades nunca ditas, abandona o saco, já sem nada para lhe oferecer, da alguns poucos passos com seus pés calejados, prostrando em frente aquilo que pode ser mais uma refeição, cai uma lagrima lhe dando esperança de que ainda não foi totalmente destruído e que lhe resta uma gota de humanidade e assim segue sua sina, imposta por outras línguas que não conseguem identificar o sentido da vida.

Submited by

terça-feira, agosto 13, 2013 - 18:05

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 semanas 1 dia
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2856

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação [Vazios] 0 78 04/03/2019 - 21:00 Português
Poesia/Meditação [Círculos] 0 95 03/12/2019 - 17:34 Português
Poesia/Meditação [Mundo] 0 232 12/07/2018 - 20:47 Português
Poesia/Meditação [Curtido] 0 228 11/26/2018 - 20:20 Português
Poesia/Meditação [Caminhar] 0 279 11/21/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A filosofia do povo] 0 366 10/30/2018 - 14:13 Português
Poesia/Meditação [Morto] 0 364 10/25/2018 - 19:56 Português
Poesia/Meditação [Novos velhos] 0 298 10/24/2018 - 14:52 Português
Poesia/Meditação [Preço] 0 339 10/23/2018 - 15:12 Português
Poesia/Meditação [Destempero] 0 300 10/05/2018 - 21:19 Português
Poesia/Meditação [Brasília] 0 281 08/03/2018 - 20:28 Português
Poesia/Meditação [Enlatado] 0 825 07/24/2018 - 15:13 Português
Poesia/Meditação [Malandro] 0 354 07/19/2018 - 15:11 Português
Poesia/Meditação [Sina] 0 547 07/17/2018 - 15:24 Português
Poesia/Meditação Escolhas e liberdades 0 463 07/16/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A morte do jornalismo] 0 816 06/22/2018 - 20:53 Português
Poesia/Meditação [Epifania] 0 657 06/20/2018 - 21:18 Português
Poesia/Meditação [Vida] 0 704 06/04/2018 - 15:31 Português
Poesia/Meditação [Cajado] 0 455 04/30/2018 - 18:36 Português
Poesia/Amor [J] 0 455 03/27/2018 - 21:10 Português
Poesia/Amor [Olhos castanhos] 2 350 03/20/2018 - 11:58 Português
Poesia/Meditação [Poesia do fim] 2 526 03/14/2018 - 21:46 Português
Poesia/Meditação [Tudo é silêncio] 0 451 11/07/2017 - 14:26 Português
Poesia/Amor [Teus] 0 629 10/10/2017 - 15:39 Português
Poesia/Meditação [Ilusão] 2 409 05/09/2017 - 21:09 Português