CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Cólera

Nós apostamos tudo e não nos restou nada
Feito mosca que se arrisca na teia da aranha.
Não tente entender que me consome as entranhas
Admire o balançar de minha alma enforcada.

Não tente entender que me consome as entranhas
Mas admira o balançar desta alma enforcada.
Aos poucos a alma pela ira é dilacerada,
Vomitada em forma de palavras estranhas.

Aos poucos a alma pela ira é dilacerada,
Vomitada em verso de palavras estranhas:
Sonhei anjos feito moscas na teia de uma aranha,
Fora do Céu, Presos a terra, Asas Queimadas.

Sonhei anjos feito moscas na teia de uma aranha
Todos expulsos do céu, as suas asas queimadas,
Vivendo em meio a raça há muito condenada.
Feito fogo, a ira lhes consumindo as entranhas.

Vivendo em meio a raça há muito condenada
A ira, feito fogo, lhes consumia as entranhas.
Ira que a perfeição de sua existência arranha,
Que tudo consome até não restar mais nada.

Submited by

quinta-feira, maio 12, 2011 - 21:30

Poesia :

No votes yet

Adolfo

imagem de Adolfo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 semanas 18 horas
Membro desde: 05/12/2011
Conteúdos:
Pontos: 3573

Comentários

imagem de MarneDulinski

Cólera

Triste poema, não gostei!

Informo ao poeta, que a cólera mata; em vez da cólera temos que

poetar amor, saudade, paixão etc. essa é a minha opinião!

Marne

imagem de Adolfo

Cólera

É. Mas creio eu que o poeta deve poetar; que a cólera, feito o amor, ou a saudade, ou a paixão, etc, também é um sentimento... Creio eu que devemos poetar em cima do que estamos a sentir, do que sentimos, do que sentiram, do que podem sentir, etc...

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Adolfo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Soneto "Deus está morto!" 4 1.907 03/06/2020 - 22:34 Português
Poesia/Soneto Quatro de Copas 0 320 03/06/2020 - 22:33 Português
Poesia/Soneto Cântico do cântaro 0 217 03/04/2020 - 07:18 Português
Poesia/Soneto Autumnus 0 143 01/17/2020 - 01:59 Português
Poesia/Soneto Stigma 0 144 01/15/2020 - 08:15 Português
Poesia/Desilusão Versos natimortos 2 272 01/15/2020 - 08:05 Português
Poesia/Tristeza Cicatriz 3 1.351 03/21/2018 - 23:49 Português
Poesia/Fantasia Meu pequeno mito da criação 5 982 03/18/2018 - 20:29 Português
Poesia/Desilusão 18 - Uísque 2 1.970 03/18/2018 - 20:28 Português
Poesia/Desilusão Uma nau sem rumo 2 1.360 03/18/2018 - 20:25 Português
Poesia/Soneto Ocaso 2 1.042 03/18/2018 - 20:24 Português
Poesia/Soneto Pontius Pilatus 1 1.852 02/28/2018 - 17:24 Português
Poesia/Soneto Boemia 1 1.120 02/27/2018 - 19:05 Português
Poesia/Paixão Konijntje 2 890 04/20/2017 - 17:11 Português
Poesia/Erótico Austeridade 2 1.276 04/14/2017 - 15:48 Português
Poesia/Soneto Última lua juntos 1 1.181 01/20/2017 - 10:50 Português
Poesia/Amor Leviatã 0 1.085 02/23/2016 - 00:36 Português
Poesia/Paixão A sós em Cabo Branco 2 1.583 08/27/2014 - 22:21 Português
Poesia/Haikai Hai-kai da lua 1 3.777 06/14/2014 - 00:07 Português
Poesia/Poetrix Do quarto-minguante 2 1.153 06/13/2014 - 23:35 Português
Poesia/Intervenção Choque! 0 1.385 06/21/2013 - 20:30 Português
Poesia/Soneto Eu quero ver a grande confusão! 0 1.471 06/19/2013 - 22:31 Português
Poesia/Soneto Revisão De Princípios - Fim Dos Princípios 0 1.800 04/12/2013 - 01:31 Português
Poesia/Meditação Aranhas 0 2.161 04/05/2013 - 01:49 Português
Poesia/Soneto Cochilo do ímpeto 1 1.628 04/04/2013 - 10:43 Português