CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

[Carniceiros]

[Carniceiros]

Na escuridão,
A espera, a espera...
Uma cadeira velha,
Uma janela quebrada.
Casa, que não é lar,
Tão pouco, morada...
Uma cidade presa,
Na calada, da noite.
Gritos se escondem,
Em becos escuros,
Batizados pelo mijo,
Sangue de bêbado.
Corpos protegidos,
Pela fé, Pela sorte,
Por paredes erguidas pelo medo.
Suor, lagrimas ou acaso?
Realidades maleáveis...
Sonhos manipuláveis...
Jornais que batem a porta,
Trazendo números,
Mais um morto, mais um morto.
Carniceiros se amontoam,
Sobre manchetes que escondem o chão.
Tudo serve de espetáculo, para chamar atenção.
A alma podre é um prato cheio,
Para aqueles que vivem...
De desilusões.
Em cidades de concreto e asfalto,
O sangue rega o pouco da terra,
Em forma de perdão.
Um desconhecido.
Um amigo.
Um irmão.
Carniceiros veem pequenos presentes
Como oferendas a um rei morto,
Manipulação.
O cheiro já não incomoda,
Ter um Deus pouco importa,
Faces perdidas pelas ruas,
Aflição.
Tempo que escorrega pelas sarjetas,
Levando a dignidade...
Dilacerando o pouco de humanidade,
Ombros que carregam o mundo,
Sucumbem ao umbigo.
Estar vivo, estar morto,
Já não importa mais.
O ar já não é fresco,
A agua tem um gosto insuportável
Da verdade.
E o que mais cresce,
Em meio ao silencio,
São os campos da morte.
Chora a criança,
Desespera-se o jovem...
Lamenta o adulto.
O miserável apenas sobrevive,
As favelas apenas sobrevivem,
Bairros nobres são como prisões,
Vigiadas, assistidas e impossíveis de chegar,
Que resistem em meio à realidade vigiada.
O mundo não para...
O universo não para...
Não é tua a verdade,
Não é minha a mentira.
Há muitas coisas não ditas,
Existem muitas palavras distorcidas,
Que não se explicam.
É a chuva que afoga,
O sol que castiga,
Culpa da vida que não tem dono.
Culpa da dignidade que tem preço.
O sexo não da prazer...
O coito não dá gozo...
A boca não seduz...
São apenas feridas,
Desejos da carne,
Que já não se satisfaz.
Rotina, rotina, rotina.
Nada surpreende,
A vida é banal.
A morte é casual.
O que importa é o clique,
A audiência que gera a cifra,
Ceifadores da discórdia.
Mesmo que seja necessário,
Culpar, sem se desculpar.
O que importa da história
É o começo e o fim...
O meio se justifica,
Como propaganda,
Como desculpa,
Números na conta.
O cheiro do esgoto...
O cheiro da merda...
O cheiro das ruas...
Tantas realidades,
Que se misturam.
Animal, animal, animal...
Em meio ao ato civilizatório
Somos todos irracionais.
Primatas que acham que o cheiro,
Dó próprio cú é perfume,
Que o arroto é musica,
E que o pinto e a buceta,
São do tamanho do nosso ego.
Orgulho que nos manipula.
Fé que nos cega.
Vaidade que nos corrompe.
Somos todos escravos,
De diferentes verdades.
Somos todos prisioneiros,
De nossas próprias ironias.
Somos todos mortos vivos,
Carniceiros, apodrecendo, escondidos,
Na escuridão...
A espera, a espera.

Pablo Danielli

Submited by

segunda-feira, dezembro 12, 2016 - 19:46

Poesia :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 2 dias
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2861

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Carniceiros

Bravo! Bravíssimo!

imagem de Pablo Gabriel

Obrigado!

Obrigado!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação [Á deriva] 0 26 05/08/2019 - 15:29 Português
Poesia/Meditação [Vazios] 0 118 04/03/2019 - 21:00 Português
Poesia/Meditação [Círculos] 0 127 03/12/2019 - 17:34 Português
Poesia/Meditação [Mundo] 0 256 12/07/2018 - 20:47 Português
Poesia/Meditação [Curtido] 0 266 11/26/2018 - 20:20 Português
Poesia/Meditação [Caminhar] 0 324 11/21/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A filosofia do povo] 0 441 10/30/2018 - 14:13 Português
Poesia/Meditação [Morto] 0 416 10/25/2018 - 19:56 Português
Poesia/Meditação [Novos velhos] 0 326 10/24/2018 - 14:52 Português
Poesia/Meditação [Preço] 0 372 10/23/2018 - 15:12 Português
Poesia/Meditação [Destempero] 0 333 10/05/2018 - 21:19 Português
Poesia/Meditação [Brasília] 0 306 08/03/2018 - 20:28 Português
Poesia/Meditação [Enlatado] 0 856 07/24/2018 - 15:13 Português
Poesia/Meditação [Malandro] 0 417 07/19/2018 - 15:11 Português
Poesia/Meditação [Sina] 0 568 07/17/2018 - 15:24 Português
Poesia/Meditação Escolhas e liberdades 0 480 07/16/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A morte do jornalismo] 0 900 06/22/2018 - 20:53 Português
Poesia/Meditação [Epifania] 0 686 06/20/2018 - 21:18 Português
Poesia/Meditação [Vida] 0 795 06/04/2018 - 15:31 Português
Poesia/Meditação [Cajado] 0 495 04/30/2018 - 18:36 Português
Poesia/Amor [J] 0 476 03/27/2018 - 21:10 Português
Poesia/Amor [Olhos castanhos] 2 367 03/20/2018 - 11:58 Português
Poesia/Meditação [Poesia do fim] 2 589 03/14/2018 - 21:46 Português
Poesia/Meditação [Tudo é silêncio] 0 478 11/07/2017 - 14:26 Português
Poesia/Amor [Teus] 0 658 10/10/2017 - 15:39 Português