CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O futuro é tão incerto quanto o presente

Tudo vai muito bem até que termina em lágrimas
O sonho tão desejado desmorona na manhã gélida
O tempo escorre pelas mãos de forma sombria
Como o amanhã que não sabemos existir
Mas procuramos sempre insistir que volte
Porque o futuro é tão incerto quanto o presente.

Casas construídas nas esquinas da cidade
Onde escondem rostos frios da saudade
O lamento da morte nos olhos de quem pensa viver
Mas que não consegue esquecer toda violência
Que fizera com as próprias mãos nos dias passados
Do peito foi arrancado a magia do amor.

Volte agora os seus olhos e veja atentamente
As figuras simbólicas que contorcem ao vento
Espantalhos feitos na escuridão do tempo
No limbo da existência que se foi no alvorecer
Quando deixou-se seduzir pelas folhas
E tudo parece sem sentido e muito confuso
Sem saber que o que dá vigor à vida sustenta a morte.

Onde estão os braços dos escravos
As mulheres escondidas nas casas noturnas
Homens furiosos que assobiam na escuridão
As autoridades que deveriam cumprir a lei
Onde estão todos eles quando precisam?
Quão miseráveis são todos esses espantalhos
Todos esses corruptos asquerosos que vivem nas sombras
E permanecem na penumbra de uma existência
Todo o passado deixamos para trás
Mas não emergimos em uma nova ordem
Porque não desejamos que haja um futuro.

Ó ilustres sonhadores!
Não deixem apagar a luz no fundo da alma
Se ainda existe uma fagulha
Busque a iluminação dos sonhos na esperança
Se queres um futuro melhor aprenda agora
E abre os seus olhos para a luz fora da caverna.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

terça-feira, julho 20, 2021 - 15:45

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 dias 13 horas
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 8560

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Intervenção Hipocrisia 3 74 09/26/2022 - 12:45 Português
Poesia/Desilusão Desejos mal resolvidos 3 107 09/24/2022 - 13:52 Português
Poesia/Desilusão Tudo o que não sei 3 51 09/22/2022 - 20:21 Português
Poesia/Amor No olhar de quem ama 3 40 09/20/2022 - 20:00 Português
Poesia/Desilusão A canção do esquecimento 3 88 09/19/2022 - 13:59 Português
Poesia/Fantasia Perigo 3 67 09/16/2022 - 12:51 Português
Poesia/Pensamentos Memórias impertinentes em uma caverna 3 126 09/14/2022 - 14:08 Português
Poesia/Desilusão Na tarde quente de verão 3 57 09/13/2022 - 19:12 Português
Poesia/Amor Seus olhos na manhã do tempo 3 172 09/12/2022 - 13:28 Português
Poesia/Meditação O menino que não sonhava em ser poeta 3 222 09/10/2022 - 02:35 Português
Poesia/Meditação Aqui não é aqui 3 89 09/09/2022 - 15:54 Português
Poesia/Meditação A estrada a seguir 3 103 09/08/2022 - 20:35 Português
Poesia/Meditação Em uma estúpida curva fechada 3 103 09/07/2022 - 13:44 Português
Poesia/Intervenção Velhos conhecidos já estão mortos 3 183 09/05/2022 - 13:16 Português
Poesia/Amor Eu e esse meu coração 3 120 08/31/2022 - 19:51 Português
Poesia/Meditação Amnésia 3 108 08/30/2022 - 19:39 Português
Poesia/Amor O mar é grande 3 80 08/29/2022 - 20:12 Português
Poesia/Amor O voo das borboletas 3 157 08/19/2022 - 19:53 Português
Poesia/Meditação O Deus que espera 3 110 08/17/2022 - 21:12 Português
Poesia/Pensamentos A sentinela 3 108 08/16/2022 - 20:06 Português
Poesia/Amor Quase sem querer 3 238 08/15/2022 - 13:34 Português
Poesia/Meditação Um casamento entre o céu e o inferno 3 317 08/13/2022 - 14:59 Português
Poesia/Desilusão No canto silencioso do coração 3 109 08/12/2022 - 20:15 Português
Poesia/Intervenção A escória da humanidade 3 178 08/11/2022 - 20:18 Português
Poesia/Desilusão Perdido nas ruas 3 326 08/10/2022 - 19:49 Português