CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

[Poesia do fim]

Quantos infernos existem na terra?
Quantos abismos existem na solidão?
Quanto desespero cabe em uma noite?
Que quantidade de medo,
É capaz de afogar um coração...
Quantas vidas aflitas,
Se cruzam sem saber.
Quantos estranhos
Choram na mesma noite...
Por desilusão.
A voz da loucura
Faz as mãos tremulas,
Criar coragem...
Mas os pés fracos,
Tropeçam nos próprios pecados.
Quantas janelas, refletem os mesmos rostos.
Quantas ruas escuras,
Escondem as mesmas sombras.
Quantos sonhos mortos pela rotina...
Florescem ao amanhecer do dia.
O vazio do corpo.
O vazio da mente.
O vazio da existência.
Escondidos por entre prédios,
De uma cidade sem cor.
Cujo respiro de vida
Passa despercebido na mistura,
De concreto fé e suor.
O sol que castiga,
A lua que passa despercebida.
Por desejos que não se realizam...
Olhos abertos,
Que não são capazes de ver.
Bocas que proferem palavras,
Impossíveis de compreender.
E o que resta de humanidade,
Insiste em morrer.
A razão não se faz suficiente,
A emoção não é capaz de convencer.
Há tantas coisas perdidas sem perceber.
Que a fé, no fim...
Não é capaz de renovar a esperança,
Porque sempre existe o amanhecer.

Pablo Danielli

Submited by

segunda-feira, fevereiro 19, 2018 - 20:47

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 semanas 4 dias
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2861

Comentários

imagem de Joel

INDO POEMA, GOSTEI

INDO POEMA, GOSTEI MUITO!
Meus parabéns,

imagem de Joel

Escondidos por entre prédios, De uma cidade sem cor.

Escondidos por entre prédios,
De uma cidade sem cor.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação [Á deriva] 0 51 05/08/2019 - 15:29 Português
Poesia/Meditação [Vazios] 0 147 04/03/2019 - 21:00 Português
Poesia/Meditação [Círculos] 0 176 03/12/2019 - 17:34 Português
Poesia/Meditação [Mundo] 0 308 12/07/2018 - 20:47 Português
Poesia/Meditação [Curtido] 0 298 11/26/2018 - 20:20 Português
Poesia/Meditação [Caminhar] 0 353 11/21/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A filosofia do povo] 0 516 10/30/2018 - 14:13 Português
Poesia/Meditação [Morto] 0 461 10/25/2018 - 19:56 Português
Poesia/Meditação [Novos velhos] 0 368 10/24/2018 - 14:52 Português
Poesia/Meditação [Preço] 0 391 10/23/2018 - 15:12 Português
Poesia/Meditação [Destempero] 0 364 10/05/2018 - 21:19 Português
Poesia/Meditação [Brasília] 0 330 08/03/2018 - 20:28 Português
Poesia/Meditação [Enlatado] 0 884 07/24/2018 - 15:13 Português
Poesia/Meditação [Malandro] 0 451 07/19/2018 - 15:11 Português
Poesia/Meditação [Sina] 0 596 07/17/2018 - 15:24 Português
Poesia/Meditação Escolhas e liberdades 0 507 07/16/2018 - 14:21 Português
Críticas/Outros [A morte do jornalismo] 0 981 06/22/2018 - 20:53 Português
Poesia/Meditação [Epifania] 0 714 06/20/2018 - 21:18 Português
Poesia/Meditação [Vida] 0 844 06/04/2018 - 15:31 Português
Poesia/Meditação [Cajado] 0 535 04/30/2018 - 18:36 Português
Poesia/Amor [J] 0 533 03/27/2018 - 21:10 Português
Poesia/Amor [Olhos castanhos] 2 390 03/20/2018 - 11:58 Português
Poesia/Meditação [Poesia do fim] 2 624 03/14/2018 - 21:46 Português
Poesia/Meditação [Tudo é silêncio] 0 505 11/07/2017 - 14:26 Português
Poesia/Amor [Teus] 0 689 10/10/2017 - 15:39 Português