CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

QUE A MORTE NOS MATE …

Quando aquele que habita o nosso corpo não é nós,

a morte triunfou ...

A alma fica a sós com a escuridão
dos passos dados em vão.

O corpo pertence a si mesmo oco,

carne ingrata que apodrece e fede,
bigorna que cede à forma,
substância extinta.

O olhar apaga a tinta do ver,
constrói cidades desertas na vontade de ter.

A voz ouve-se calada sobre leis de caos constante.

A maquilhagem do conhecimento acontece,
a distância tece o seu próprio fim,
a gente desaparece.

O vento já não escreve tanto,
as pedras pararam de estar quietas.

O amor já não vem articulado em setas,
é pasto de erva fácil,
atalho seco.

A paixão como fogo antológico
de avessos repentinos,
de sujidade.

O mel esculpe o infinito no açude ácido do ser.

O passado cai no esquecimento,
o sono habita o sonho.

O silêncio banha a multidão de silêncio.

A solidão malha o jorro das cores da vida
até que sejam pó.

O tempo como viga de luzes inesgotáveis,
as rugas que por nós caminharão novas,
morreres que nos matarão sem dó.

O vazio acabará por nos encher a cabeça,
as essências andarão aos tombos
no pensamento.

Que a morte nos mate,

não nós …
.
.
.
.

Submited by

quinta-feira, setembro 20, 2012 - 17:53

Poesia :

Your rating: None (8 votes)

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 6 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 37.025 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.623 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.233 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.148 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.994 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.013 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.696 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.691 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.433 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.835 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.271 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.369 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.636 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.851 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.188 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.874 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.760 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.767 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.930 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.563 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.469 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.392 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.432 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.762 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.666 01/16/2015 - 20:47 Português