CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Despertar para dentro de mim

…preto…
…branco…
…preto...
…como será despertar de um sonho? Disso eu lembro-me. Mas…
…branco…
…preto…
…cinzento…
…como será despertar do real?
Talvez… talvez seja como acordar com ressaca.
A típica dor de cabeça, a boca seca a saber a sarro, a aguçada alfinetada da sensibilidade à luz.
Mas isso… Bem, isso é um acordar para a realidade depois de um sonho mal construído.
Agora, um acordar da realidade é algo… Pelo menos o acordar da minha realidade. É assim… como a ressaca, mas a dor… essa não é na cabeça, a secura a saber a sarro não se limita à boca. A luz, não se espeta como agulhas pelos olhos, perfura-me o ser num local fora de mim. E, o som… o som é… É como o chiar de centenas de melros, penetrando lentamente, no nosso torpor sossegado.
E foi assim. Foi assim que me vi. Foi assim que me senti, lentamente, a despertar para dentro de mim.
A primeira coisa foi o piar imperceptível dos melros. O resto, veio por acréscimo.
Senti-me pesado, bêbado, charrado, numa bad trip.
Mas… não era eu.
Aliás, não era só eu. Todo o espaço confluía de mim para mim, num pesado, vertiginoso, sufocante movimento. O frio do chão começou-me a incomodar. O cheiro… Cheiro arranhado de caca de pássaro.
Abri os olhos. Levantei-me tropegamente.
Pensei… Vi… Imaginei…
Cinzento…
Cercava-me um género de pombal. Caca de pássaro estendia-se por todo o lado. Manchava tudo de branco e de preto, resultando numa mescla sépia, peganhenta, fedorenta.
Os vidros erguiam-se, desde a base até ao telhado, manchados num tumulto de cagadelas que me impediam de ver lá para fora.
O tecto, de acrílico, misturava-se na cor suja do céu, aprofundava-o. Um céu preto, branco, cinzento, sulcado e desenhado por centenas de melros, pousados, pendurados nas traves horizontais do pombal. Chiavam ininterruptamente, martelando irritantemente, penetrantemente. Cada vez mais alto num agudo crescente.
Franzi a testa. Levei as mãos às têmporas.
Lentamente percebi a irrealidade estranha que me cercava.
Sustive a respiração.
Olhos, milhares de olhos. Pontos negros, fixos, cegos.
Miravam-me. Escrutinavam-me.
Apesar de todos estes olhos piarem num estrondoso grito, nenhum bico se movia, nenhum pássaro reagia. E eu… Agonia.
Foda-se!...
Pensei...

Submited by

terça-feira, maio 1, 2012 - 01:06

Prosas :

Average: 5 (1 vote)

vsmario

imagem de vsmario
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 14 semanas
Membro desde: 03/27/2012
Conteúdos:
Pontos: 220

Comentários

imagem de joanadarc

Ora nem mais...mas se fosse

Ora nem mais...mas se fosse eu a dizê-lo, antes diria: "Fodam-se",lol.
Bom texto, caro Mário...parabéns.

Beijo

Joana

imagem de vsmario

Uma expressão muito mais positiva que a minha.

Uma expressão muito mais positiva que a minha.
Talvez para a próxima fantasia. :)

Beijo
Mário

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of vsmario

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Pensamentos Divações 0 421 03/22/2014 - 17:56 Português
Poesia/Pensamentos Objeto 0 513 02/02/2013 - 20:17 Português
Poesia/Pensamentos Só assim irás nascer 0 404 02/02/2013 - 20:15 Português
Críticas/Outros Factura?... 0 543 10/18/2012 - 21:26 Português
Prosas/Contos O quarto escuro 0 554 10/09/2012 - 16:10 Português
Críticas/Outros Quem é que nos fodeu a todos? 1 780 10/04/2012 - 17:43 Português
Poesia/Pensamentos Onde devia estar 0 371 10/03/2012 - 18:13 Português
Poesia/Pensamentos Vai ficar tudo bem 0 552 09/18/2012 - 21:02 Português
Poesia/Pensamentos Vazio 0 451 09/18/2012 - 20:49 Português
Poesia/Geral Mata esta sede 0 634 09/18/2012 - 20:43 Português
Poesia/Geral Nascer de novo 0 478 09/10/2012 - 17:17 Português
Prosas/Erótico Anseio 0 464 09/04/2012 - 22:31 Português
Prosas/Outros Brinca com o meu coração 0 393 08/08/2012 - 21:05 Português
Prosas/Erótico Desejo solitário 0 493 07/23/2012 - 02:05 Português
Poesia/Pensamentos Minha terra 1 601 07/07/2012 - 22:24 Português
Poesia/Paixão donzela 1 492 07/06/2012 - 16:56 Português
Prosas/Contos Um tiro no ar - “Colecção Obsessiva de Sentimentos” 0 531 05/18/2012 - 00:41 Português
Poesia/Pensamentos Merdas que me atrasam a alma - “Colecção Obsessiva de Sentimentos” 0 522 05/18/2012 - 00:37 Português
Poesia/Pensamentos Felicidade cíclica - “Colecção Obsessiva de Sentimentos” 0 535 05/16/2012 - 19:12 Português
Prosas/Pensamentos Verão - “Colecção Obsessiva de Sentimentos” 0 516 05/16/2012 - 19:10 Português
Prosas/Contos Plásticos II - “Colecção Obsessiva de Sentimentos” 0 647 05/11/2012 - 20:32 Português
Prosas/Saudade Minha terra 0 785 05/10/2012 - 17:59 Português
Poesia/Pensamentos Lá fora... 0 595 05/10/2012 - 17:24 Português
Poesia/Pensamentos O mundo gira sempre para o mesmo lado? - “Colecção Obsessiva de Sentimentos” 1 478 05/09/2012 - 23:09 Português
Poesia/Amor Quem quer? - "Colecção Obsessiva de Sentimentos" 0 490 05/09/2012 - 22:54 Português