CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

As etnias, as nacionalidades e das taxonomias em que tropeço

Sou da língua portuguesa, como diz o poeta, mas povoada constantemente por colonos de outros falares, o inglês, o alemão o espanhol; o francês cada vez menos me ataca, apenas em nostálgicos momentos bacocos de que me envergonho, tipo, si tu m’ aimais et si je t’aimais comme je t’aimerais. E custa-me a admitir ter sido infectada por eles, é muito mais in ser assaltada por sons como unwahrscheinlich gut ou wunderbar, melhor ainda das Land ,wo die Zitronen bluhn e perfeitamente aceitável my baby girl. Há quem diga que me habitam as línguas de antepassados.


1/8 caucasiano, 1/8 asiático, 1/8 minhoto da raia, 1/8 celta, 1/8 espanhol, 1/8 germânico e talvez holandês, 1/8 africano de África, e aparentemente 1/8 chinês , são oitavos a mais , até um goês, um outro Indonesich. E bem sinto o oitavo marciano além do meu lado lunar.

O que sei de fonte segura é que, antes de mim se andaram a comer uns aos outros, nos dois sentidos, e gostaram, e escandalizaram.
Uma identidade distorcida, problemática. Pois é.

Mas há mais problemas de identidade? Por vezes apetece-me dizer que pertenço a esta espécie de gente, ou será a este género de bichos? 
    -   O estranho animal terrestre que aparece coberto de pelos por todo o corpo. Mama, mas desenvolve ovos na idade adulta. Os ovos, quando não fecundados, desfazem-se dentro destes seres transformando-se em postas de sangue que invadem o orifício vaginal periodicamente.


Vários especialistas se têm debruçado sobre este grupo macacóide, sobretudo o de mamas e sanguinolento. Não parecem entender-se  sobre este género muito lunar, que aparenta ter passado por Marte. Desde a antiguidade que peritos procuram em caixas de Pandora, o segredo da atracção - repulsão que estes seres provocam nos mais desprotegidos, os que não fabricam ovos. O medo é o principal inibidor de equilíbrio entre esta espécie. Eurípedes chega a retratar os das mamas como os imprevisíveis e também ouvi dizer que as troianas se sentiam um bocadinho infelizes. Mas a minha cultura não atinge os clássicos.


Sei que sou um aprendente permanente/ que em tudo /pessoas , coisas e animais/ se procura /e ao que veio/ e ao que vai.


A mim, basta que me deixem pensar para ser feliz. Se me imagino sem esta torrente que borda palavras, entretece sentimentos, exagera as emoções, sinto-me profundamente infeliz.
Faz -me falta o excesso. Frases do tipo, não cabia em si de contente, desgraçadinha, como as pedras da calçada.

Teria sido talvez bruxa, e acabaria queimada na fogueira. De que etnia?


 

Submited by

sábado, junho 4, 2011 - 18:17

Prosas :

No votes yet

maria joão carrilho

imagem de maria joão carrilho
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 10 semanas
Membro desde: 03/24/2011
Conteúdos:
Pontos: 32

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of maria joão carrilho

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Lembranças o enforcado 2 561 04/02/2012 - 12:39 Português
Prosas/Contos Já fiz um filho e plantei uma árvore. Finalmente escrevi o livro. 0 783 06/24/2011 - 19:07 Português
Prosas/Outros As etnias, as nacionalidades e das taxonomias em que tropeço 0 573 06/04/2011 - 18:17 Português
Críticas/Livros Alexandre o'Neil 0 780 05/15/2011 - 17:18 Português
Prosas/Teatro o povo desconfia 2 1.319 05/09/2011 - 15:04 Português
Ministério da Poesia/Intervenção porque o cavaco de BMResende 2 807 03/26/2011 - 00:49 Português