CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Origem do sobrenome de família "Lima" em Portugal(PUBLICAÇÃO Nº1)

(todo este texto como podem verifica é baseado em bibliografias e literaturas históricas de Portugal)

Paço de Giela foi de Leonel de Lima visconde de Vila nova de cerveira

Nesta página vamos abordar a in fluência dos Lima's no Alto Minho, mas sobretudo no que diz respeito ao Paço de Giela. Nas “Actas do II Congresso Casa Nobre, um património para a futuro”, José Augusto de Sotto Mayor Pizarro”, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, faz uma longa incursão pela família Lima, desde o século XI, envolvendo Portugal e Galiza.
Estando nós a falar do Paço de Giela, os Lima's interessam-nos, para já, a partir do momento em que Fernão Anes de Lima recebeu o palácio como doação do rei D. João I, que reinou entre Abril de 1385 até à sua morte em 1433.
Fernão Anes de Lima, que era filho de Álvaro Rodrigues de Lima e Inês de Sottomayor, ganhou, entre outras propriedades, o Paço de Giela, quando apoiou D. João I contra a rainha D. Beatriz e João I de Castela, numa nova intentona contra a independência de Portugal.
Nas “Actas do II Congresso Casa Nobre, um património para o futuro” pode ler-se o seguinte: «como recompensa pelos serviços e lealdade, e muito possivelmente para o recompensar pelo que eventualmente lhe fora con scado na Galiza, o monarca português benefi ciou-o com doações em 1398 e 1399», escreveu José Augusto Sotto Mayor, citando depois as “Chancelarias Portuguesas D. João I”, volume I Tomo III, editado por João Alves Dias.
No referido documento lê-se a dado passo: «querendo fazer graça e merecee a fernand’ eannes de lima porquanto nos cou a servir e he já nosso vassallo», fez-lhe doação da «nossa casa de Geella com todas as suas perteenças e da nossa terra de Valdevez com todas as suas rendas direitos foros tributos e com toda a sua jurdiçom cível e crime mero e misto império (…)».
Sobre a mesma matéria, o outro estudioso Luís Figueiredo da Guerra, no livro “Fernão Anes”, também escreve: «Fernão Annes de Lima (…) recebeu particulares mercês, e entre ellas a doação das Terras de Val-de-vez, e do Cazal de Giella. Aqui, depois de aforar terreno ao Dom Abbade de Sabbadim, fundou a torre que se ergue sobranceira ao valle (…)».
D. Leonel de Lima foi quem terá feito do Palácio de Giela uma grande moradia. Num artigo publicado nas “Actas do 1.º Congresso Internacional” publicado no livro “Casa Nobre – um património para o futuro”, António Matos Reis refere que, mantendo de pé a altaneira torre e aproveitando alguns elementos de construção anteriores, D. Leonel de Lima «ter-se-á abalançado à construção de um palácio dotado de certa grandeza, para nele estabelecer a sua residência e a partir daí administrar os seus domínios».

Alcaide de Ponte de Lima

A fama do Paço de Giela proveio não só da sua dimensão e posição de poder, mas também pelos títulos nobiliários que usufruíram os seus moradores. De facto, D. Leonel de Lima, falecido a 13 de Abril de 1495, pelos feitos dele e do próprio pai, Fernão Anes de Lima, depois de ter sido titulado como 1.º Visconde de Vila Nova de Cerveira, foi nomeado alcaide de Ponte de Lima. Como certamente falaremos quando o suplemento “Património” estiver em Ponte de Lima, foi ele quem, em 1469, deu início à construção do Palácio do Alcaide. Pode-se dizer que o Paço de Giela foi, durante muito tempo uma espécie de centro de negócios do Visconde de Vila Nova de Cerveira. Era a partir de Giela que administrava, com mão de ferro e até alguma brutalidade, os seus imensos negócios em grande parte do Alto Minho. Com a construção do Palácio do Alcaide, Giela perde protagonismo, uma vez que tanto ele como seus sucessores optam por Ponte de Lima.
Sobre D. Leonel de Lima muito já se falou e haveremos de falar dele ainda quando estivermos, por exemplo, em Ponte de Lima, Monção e Vila Nova de Cerveira. Entre a bibliogra a sobre este “galaico-português, destaque para o artigo intitulado “Um Fidalgo minhoto de ascendência galega”, de Humberto Baquero Moreno. O texto foi apresentado no 1.º Colóquio Galaico-Minhoto” e foi publicado nas no volume 1 das Actas, em 1981. Ele terá estado no Norte de África com o rei D. Afonso V, “O Africano”, na tomada de Alcácer-Ceguer, em Outubro de 1458.
É curioso notar como, nas “Memórias Paroquiais de 1758”, o abade de Arcos S. Salvador dizia que a capela, que estava no terreiro Paço de Giela, dedicada a Santo Apolónia, era do Visconde de Cerveira.


retirado de Diário do Minho de 4 de Junho de 2010


 Segue as fotos do artigo na integra


(todo este texto como podem verifica é baseado em bibliografias e literaturas históricas de Portugal)

 

Submited by

sexta-feira, julho 15, 2011 - 14:27

Prosas :

No votes yet

Rui Lima

imagem de Rui Lima
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 24 semanas
Membro desde: 03/04/2011
Conteúdos:
Pontos: 1584

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Rui Lima

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Intervenção ¿¿O que é isso da liberdade?? 1 1.149 02/27/2018 - 12:15 Português
Ministério da Poesia/Amor o meu 1º poema de amor EVER 9 2.669 12/07/2014 - 11:18 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]"Me_Ditação" 3 1.531 07/26/2014 - 00:16 Português
Poesia/Pensamentos "moral" sociedade 1 1.276 06/13/2014 - 21:22 Português
Poesia/Meditação os nossos sonhos e as alegorias que vivemos 1 1.717 06/13/2014 - 03:29 Português
Poesia/Geral folha branca de papel 2 1.805 05/30/2014 - 16:32 Português
Poesia/Geral A Árvore dos Patafúrdios 0 1.453 04/07/2014 - 15:59 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]Do Económico ao Social... 0 1.460 03/26/2014 - 01:16 Português
Poesia/Intervenção o dia passa, a vida passa, tudo nasce, tudo morre 0 2.514 02/21/2014 - 18:08 Português
Poesia/Intervenção Distrofia Social 0 1.635 02/17/2014 - 18:04 Português
Poesia/Geral Uma mão cheia de nada 0 1.529 01/25/2014 - 04:50 Português
Poesia/Geral o tempo passa e vai passando e deixa tudo para trás 0 3.888 01/02/2014 - 18:49 Português
Críticas/Outros [ANALISE DE MERCADO] Segmento/nicho de mercado dos "salgadinho" low-cost nas lojas de estações de serviço em Portugal 0 5.087 12/04/2013 - 02:42 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]Respeito Vs. Desrespeito 0 1.725 11/01/2013 - 20:04 Português
Poesia/Geral FADO 0 1.670 10/30/2013 - 15:29 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]Condicionalismos 0 1.272 10/26/2013 - 01:02 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]limitações sociais 0 1.469 10/26/2013 - 00:56 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]hipóteses... factos... certezas... 0 1.433 10/25/2013 - 23:45 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]Formatação Social 0 1.192 10/25/2013 - 23:40 Português
Poesia/Pensamentos [PENSAMENTO/REFLEXÃO]Bem Vs. Mal 0 2.634 10/25/2013 - 23:32 Português
Prosas/Outros 15% do IVA dedutivel para o IRS... como manipular a seu favor para receber mais no seu IRS 2013 0 2.862 10/17/2013 - 16:04 Português
Poesia/Geral little moments in time 0 2.879 09/24/2013 - 21:06 inglês
Poesia/Geral TODOS (menos nenhum) 0 1.752 09/02/2013 - 21:18 Português
Poesia/Geral INTENSAMENTE 2 1.754 09/02/2013 - 21:09 Português
Poesia/Geral sociedade(s) decadente(s)... 0 2.014 07/29/2013 - 23:52 Português