CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Sol da Manhã

Existe um tempo para o nascer do sol. Chegou ainda agora, lento e cauteloso por detrás das nuvens. Chegou tarde este sol, por ser manhã clara nos meus olhos. Uma manhã como tantas outras em que me canso da noite ao lhe tentar mostrar que o sol é um tempo a querer nascer em todos os poros da minha pele.


Existe um tempo para receber o sol, se esse tempo for a medida exacta num ponto onde me encontro, mas os encontros assemelham-se a pontos que se unem num outro ponto equidistante, e nada me faz entender um tempo que antecede outro tempo, que está prestes a chegar. Acomodo o meu pensamento nas nuvens para contrapor o tempo em que irei voltar a ser eu. Esta minha vontade explícita no meu corpo quando te toco e te sinto como se fosses o sol da manhã. Desejo-te sóbrio, sem que os odores da noite te inibam de me tocares. Dissipam-se as nuvens nas águas do Tejo, clareiam-se as vontades todas que tenho ao me tentar anular por completo, quando sinto esta verdade toda a saltar-me dos olhos, como se fossem raios solares a querer atingir o centro da minha verdade. Nua e crua esta minha fome de ser eu em ti e esta sede de me sentir o centro de todas as vontades do mundo. Livre e inconsequente é a luz que enche os meus medos e os transforma em certezas de ter um bem maior a guardar-me os sentidos todos. Essa maioridade que me afronta e me faz recuar ao tempo em que sabia que nada me faria antever a desgraça de ser varrida por um tempo que já não é tempo para mim, mas para todos os embustes que carrego ao longo do tempo.


Esta claridade que antecede a manhã, é a verdade onde coloco a minha vontade de ser um sol a encher poços sem fundo. Este buraco negro onde afundo a minha verdade, dá-me quase sempre a antevisão de um futuro que não sei, mas que existe enquanto verdade na minha vontade de ser eu e tu, ou tu e eu, seres uniformes e continuados para que o futuro seja só um acontecimento presente. Esta claridade que me faz ser um ser autónomo, é-me indiferente porque não sei ser um acto a acabar a manhã. Este querer ser de uma forma exequível, deixa-me presa à minha própria vontade sempre que me perco nesse buraco para esmiuçar todos os pontos perdidos por não saber ser a mentira enquadrada numa verdade disfarçada.


A verdade é uma só, aquela que me traz sempre o sol todas manhãs, e me mostra as vistas de um buraco negro onde guardei toda a minha vontade de me virar do avesso para renascer como todas as manhãs claras que enchem os meus olhos. Estes são os momentos prenhes da verdade que sou ou da mentira que guardo para voltar a ser eu a querer ver o nascer do sol.

 

Submited by

segunda-feira, setembro 12, 2011 - 09:24

Prosas :

Average: 5 (1 vote)

ÔNIX

imagem de ÔNIX
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 44 semanas
Membro desde: 03/26/2008
Conteúdos:
Pontos: 4027

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of ÔNIX

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Acordar da Manhã 2 1.362 03/22/2018 - 21:16 Português
Poesia/Amor Céu 2 1.349 03/14/2018 - 21:25 Português
Poesia/Meditação Vida lá fora 5 1.097 03/14/2018 - 21:24 Português
Poesia/Dedicado Saudações 2 1.611 03/01/2018 - 10:13 Português
Fotos/Corpos Rendas 1 2.603 03/27/2016 - 02:20 Português
Poesia/Meditação Selváticas Emoções 0 959 01/17/2012 - 22:36 Português
Poesia/Meditação Talvez 2 1.212 01/17/2012 - 20:35 Português
Poesia/Meditação Jardins Aquáticos 1 900 01/04/2012 - 22:07 Português
Poesia/Meditação Eram rosas os meus olhos 1 1.708 12/27/2011 - 22:48 Português
Poesia/Meditação Verdes lembranças 0 1.469 12/15/2011 - 14:50 Português
Poesia/Meditação Se eu fosse só eu 0 1.367 12/09/2011 - 10:19 Português
Poesia/Meditação Bruma Intemporal 1 1.380 12/07/2011 - 01:03 Português
Poesia/Meditação Eras 1 1.289 12/06/2011 - 20:49 Português
Poesia/Meditação Vão-se os Modos, Esvai-se o Tempo 0 895 12/01/2011 - 20:29 Português
Poesia/Meditação Pensamento invulgar 1 1.582 11/29/2011 - 23:21 Português
Poesia/Meditação Dor 0 3.747 11/24/2011 - 12:45 Português
Poesia/Meditação Extraviados 6 2.644 11/23/2011 - 11:12 Português
Poesia/Meditação Bom Dia 1 2.294 09/29/2011 - 21:16 Português
Poesia/Tristeza Um nada somente 1 1.358 09/14/2011 - 11:23 Português
Prosas/Outros Sol da Manhã 0 1.421 09/12/2011 - 09:24 Português
Poesia/Amor Nu 0 1.793 09/07/2011 - 10:07 Português
Poesia/Amor Tu 2 1.135 08/30/2011 - 00:57 Português
Poesia/Meditação Só Alma 1 1.162 08/26/2011 - 09:23 Português
Poesia/Meditação O Avesso de Mim 2 1.301 08/23/2011 - 21:26 Português
Poesia/Meditação Grãos D'Ouro 3 1.483 08/23/2011 - 21:22 Português