CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Algo que não acaba

O destino da pele, do intestino,
Do papa, do vidro
São comuns no tempo e espaço
Assim como um laço
Que os une por pontos e nós
E nós lassos, desprendidos
De sentidos
De passos
Em direcção ao vazio
Ao encontro do vácuo
Existe um mundo e ele manda
E diz que não quer varandas nos seus jardins
Ouvem-se nãos, ouvem-se sins
E então faz-se um bis
Ao que resta da pureza e da alma
A festa em casa
E seja a casa
Uma afluência de algo que não acaba
 

Submited by

segunda-feira, fevereiro 28, 2011 - 22:48

Ministério da Poesia :

No votes yet

tquintans

imagem de tquintans
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 6 semanas
Membro desde: 02/28/2011
Conteúdos:
Pontos: 153

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of tquintans

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Musica/Hip Hop Eu sou tu és 0 2.713 02/28/2011 - 23:02 Português
Musica/Hip Hop estou sozinho 0 2.458 02/28/2011 - 22:59 Português
Ministério da Poesia/Geral Hoje falo eu 0 1.289 02/28/2011 - 22:50 Português
Ministério da Poesia/Geral Cantilena 0 1.316 02/28/2011 - 22:50 Português
Ministério da Poesia/Geral Prisão domiciliária 0 732 02/28/2011 - 22:49 Português
Ministério da Poesia/Geral A árvore de espera 0 959 02/28/2011 - 22:49 Português
Ministério da Poesia/Geral Algo que não acaba 0 1.111 02/28/2011 - 22:48 Português
Ministério da Poesia/Geral Estive no inferno 0 1.422 02/28/2011 - 22:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Se eu não quiser escrever 0 873 02/28/2011 - 22:46 Português
Ministério da Poesia/Geral Se eu não quiser escrever 0 1.112 02/28/2011 - 22:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Não escrevo de vez em quando 0 793 02/28/2011 - 22:44 Português
Ministério da Poesia/Geral A reza 0 945 02/28/2011 - 22:42 Português
Ministério da Poesia/Geral O mito 0 1.065 02/28/2011 - 22:41 Português
Ministério da Poesia/Geral Na pradaria 0 990 02/28/2011 - 22:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Sem televisão 0 835 02/28/2011 - 22:39 Português
Ministério da Poesia/Geral Libertação mundana 0 849 02/28/2011 - 22:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Apático 0 918 02/28/2011 - 22:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Da paxe(um bêbado a ler) 0 830 02/28/2011 - 22:37 Português
Ministério da Poesia/Geral uma flor 0 1.072 02/28/2011 - 22:36 Português
Ministério da Poesia/Geral Melancolia 0 872 02/28/2011 - 22:35 Português
Ministério da Poesia/Geral Deixa-me respirar 0 1.131 02/28/2011 - 22:23 Português
Ministério da Poesia/Geral Pela palavra (ou pelo significado) 0 959 02/28/2011 - 22:22 Português
Ministério da Poesia/Geral O problema da nossa era 0 1.053 02/28/2011 - 22:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Ou sombra ou consciência 0 914 02/28/2011 - 22:21 Português
Ministério da Poesia/Geral E nem sei! 0 1.084 02/28/2011 - 22:20 Português