CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A fé

O corredor estreito, por onde me obrigam a marchar, aperta-se, como se as paredes tivessem vida, e eu, encosto-me a elas, bem rente em bicos de pés, procurando não capitular. As arestas roçadas contra o tecto granulam do pó caído, assustando-me, mas eu sei, que foi a utopia da alma muda que sustou, em raiva invertida do grito da vontade, contra elas, atravessando-me nas ondas respigadas aos meus últimos dogmas.
Antes de lá chegar, por via dos dedos vergastados dos outros, apontados, movia-me pela força dos meus braços, arrastando as pernas mortas como um cão de espinha bífida – oh, como me enojam estes termos –, mas o monstro, faminto da minha vassalagem, alimentou-me, criando-me aranha crisálida, e agora, por castigo da renegação, volta o desejo dos dedos.
Um açoite no tom da palavra, um coice da mesma sobre vazios de significado do balanço justo, bem temperados na ocasião, fazem-me ressoar na cabeça o coro de ovelhas que balem: “venha a nós, venha a nós, amém”. Entre o aferrolhar das palavras sobre o amanhã censurado, as minhas orelhas crescem, muito peludas, e eu, zurro, entre os convites da voz grave e funda que me promete de lá do fundo, sussurrada, atrás da borboleta de asas grandes que poisa na flor de pétalas azuis, dando pinotes alegres atrás dela, que mais não são, quando ela se escapa, e mal eles sabem, da valsa nº2 de Shostakovich, em que danço com a mão alçada ao alto na mulher que me leva, ao mesmo tempo que o sangue me escorre do braço, pela chaga da mão apertada que contém a minha promessa encarnada em religião: não te venderás; atrás, vozes incógnitas e bêbadas aplaudem o meu rodopiar de um gargalhar febril de sarcasmo.

Submited by

sábado, maio 29, 2010 - 20:20

Prosas :

No votes yet

Jorgelupus

imagem de Jorgelupus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 33 semanas
Membro desde: 03/20/2010
Conteúdos:
Pontos: 174

Comentários

imagem de Susan

Re: A fé

A falta de FÉ ainda que no invisível é capaz de nos remeter ao corredor da morte.
A Fé em si é algo inexplicável , mas essa mesma abalada pelo medo remete qualquer um a esse corredor.
Desejando a própria morte , me vejo aí.
Abraços
Susan

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Jorgelupus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Perfil 1116 0 376 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1115 0 481 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1114 0 399 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1113 0 424 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1112 0 453 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1111 0 360 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1110 0 467 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1109 0 418 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1108 0 498 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1107 0 463 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1106 0 389 11/24/2010 - 22:10 Português
Videos/Perfil 1103 0 374 11/24/2010 - 22:04 Português
Videos/Perfil 1105 0 391 11/24/2010 - 22:01 Português
Videos/Perfil 1104 0 395 11/24/2010 - 21:55 Português
Fotos/ - 3295 0 506 11/23/2010 - 23:54 Português
Fotos/ - 3290 0 496 11/23/2010 - 23:54 Português
Fotos/ - 3291 0 2.567 11/23/2010 - 23:54 Português
Prosas/Mistério Arrábida 0 428 11/18/2010 - 23:08 Português
Prosas/Tristeza síndrome 0 384 11/18/2010 - 23:05 Português
Prosas/Saudade mágoa 0 406 11/18/2010 - 23:05 Português
Prosas/Pensamentos O monstro 0 441 11/18/2010 - 23:03 Português
Poesia/Tristeza Árvore sentida 0 375 11/18/2010 - 15:02 Português
Poesia/Tristeza Árvores suspensas 0 442 11/18/2010 - 15:01 Português
Poesia/Tristeza Vale das Sombras 0 310 11/18/2010 - 14:55 Português
Prosas/Tristeza Portugal era um império... 1 387 06/12/2010 - 20:30 Português