CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O monstro


O Monstro

Dentro de cada um de nós, há um monstro. O meu? Tenho-o bem preso, no sótão. Ruge, o estupor. As terras movem-se pelas paredes, atirando os quadros ao chão, mas eu, bem encostado a elas, aproximo-me e chibato-o.
Quando o segurei, quase morri, mas desfaleço, quando a sua respiração ressoa.
Está algemado com anilhas grossas, bem argoladas. Tem duas mãos e duas pernas, se é que dá para acreditar. O bicho!
Não tinha o metal que me agradasse, e por isso, fui por ele, fingido, em pedras rudes nos altos cumes da minha raiva. Como eu cinzelei, e bati, e cerrei os dentes, e me deitei sobre os penedos em gritos. Desci.
Cravei as correntes nas paredes cavernosas, com espigões a quarenta e cinco graus, dirigidos para mim; pelo menos, sempre tem mais alcance quando atiradas.
E os elos? Ai, esses, as feridas em sangue que deixaram no bordá-las com a carne, sempre em sangue. Fiei, cada um dos fios bem temperados, pelo meu querer, muito devagar, e depois, juntei-os a outros, entrelaçando-os de novo, no aparecimento de um fio mais grosso. E nessa lógica, começando da força mais frágil, sempre a ser somada a outras, bordei o elo final com nós de marinheiro. O retoque final, a da soldadura, que alisa a sua forma, tornando-a uniforme e reflexa, foi dado pela minha saliva sulfúrica, quando a lambi nos meus olhos enlouquecidos a vermelho vivo, no mabeco ferido que saboreia o osso, ao lado dos rivais mortos, e que não respeitaram a hierarquia. Depois…depois ri-me, num gargalhar muito rebolado e requintado, com o braço bem levantado ao queixo, e a mão efeminadamente saída para fora, pois já estava na fronteira do género, e era apenas um raio sagaz que ganhava forma pungente na separação das águas; a de quem bate na mesa mostrando os dentes caninos gotejantes, e viola com o olhar.
É escusado. Eu não cedo, só tenho uma ínfima coisa, feita de algo para dar. Sim, última: a minha morte, e essa, têm de a matar.

Submited by

sexta-feira, abril 2, 2010 - 11:25

Prosas :

No votes yet

Jorgelupus

imagem de Jorgelupus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 2 semanas
Membro desde: 03/20/2010
Conteúdos:
Pontos: 174

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Jorgelupus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Perfil 1116 0 217 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1115 0 311 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1114 0 250 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1113 0 259 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1112 0 296 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1111 0 219 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1110 0 308 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1109 0 272 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1108 0 329 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1107 0 305 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1106 0 248 11/24/2010 - 23:10 Português
Videos/Perfil 1103 0 242 11/24/2010 - 23:04 Português
Videos/Perfil 1105 0 236 11/24/2010 - 23:01 Português
Videos/Perfil 1104 0 233 11/24/2010 - 22:55 Português
Fotos/ - 3295 0 333 11/24/2010 - 00:54 Português
Fotos/ - 3290 0 303 11/24/2010 - 00:54 Português
Fotos/ - 3291 0 2.384 11/24/2010 - 00:54 Português
Prosas/Mistério Arrábida 0 301 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Tristeza síndrome 0 261 11/19/2010 - 00:05 Português
Prosas/Saudade mágoa 0 276 11/19/2010 - 00:05 Português
Prosas/Pensamentos O monstro 0 311 11/19/2010 - 00:03 Português
Poesia/Tristeza Árvore sentida 0 248 11/18/2010 - 16:02 Português
Poesia/Tristeza Árvores suspensas 0 333 11/18/2010 - 16:01 Português
Poesia/Tristeza Vale das Sombras 0 205 11/18/2010 - 15:55 Português
Prosas/Tristeza Portugal era um império... 1 265 06/12/2010 - 21:30 Português