CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

"Phallu" de Pompeii!

Phallu” de Pompeii

Estou ciente da minha reputação canina, na minha menor dimensão, pequena pequenina e rasa, busco no conflito o acto de contrição, mesmo onde não divirjo, concordo fielmente e apenas comigo próprio, não finjo amizades nem as rejeito, em mim a discórdia é metafísica de paciente inglês, proficiente e proeminente, mesmo que ele/ela se guardem castos em imaculados pedaços de granito, palhotas de negros/pretos na África pisada por brancos com dentes podres, na cama de acrobatas circenses ou em frente a espelhos baços, costas com costas, rabos com rabos ou sob um velho frigorífico ferrugento, não recolho das palavras preferencialmente a estética, a coerência ejaculo-a, ejaculo e aposto nas mais desfavoráveis, desagradáveis, nem as mais estéreis me assistem como fronha, integras palavras ainda me servem de cachimbo na raia da boca torta, nos queixos urbanos, assumo-as desaprumadas, sujas e fodidas quando digo “vai pro caralho” ou ”pra puta que te pariu”, sigo um carreiro e tenho curto poiso nas estradas asfaltadas , tenho como princípio básico o signo das emoções fortes feias, sujas, horrendas, não penso com frases perfeitas, não rimo nem as peso em função do estilo, da linha do momento, não as arrumo no comprimento do prepúcio, do pensamento, não preciso dele, mas de algo mais que aprofunde, que vaze, extravase do que falo, “Phallu” de Pompeii, de Pompeu o Druso, o urro do Minotauro, assim como da ciência do fauno, do prelúdio no sexo, a da criação do fogo, da instabilidade do mundo, da inabilidade do líder de lidar com os sentimentos abjectos dos seus cativos e ao de cima do coiro cabeludo dele mesmo, do parapeito onde o dragão se imola de inaceitabilidades animalescas, no choro puro da criança ao vir ao mundo, do açoite no rabo. Esta a minha magnifica essência, apenas a vontade dura me interessa, a animalidade, a fúria do álcool etílico, das ideias, a respiração débil do ultimo Messias que veio ao mundo, a inspiração depravada de Eneias, das conquistas e o meu ser vil despedaçado e desprovido de inúteis bagatelas, ninharias, provido de pesados pesos e ironias virgens, como aquelas em que me tenho aplaudido e de que me acuso, de opróbrio e de má reputação, sevícia, anormalidade bruta, mesmo que me saiba a cru, não reduz o que digo num ponto, numa virgula, ouço-me rir das possibilidade que tenho e num segundo plano para Jesus e todavia tais poderes renego, como próprias da natureza estranha e minha que esgano com exageros exagerados e coisas demais incriadas, que guardo no centro da mão direita, a do “falo” criador, aquele com que pinto de verdade e em sémen, exteriores descoloridos de triunfo beato e sargetas de perfumes sequer meus, mas de mim mesmo impressos, desagradável incomodativo e severo como um caralho primitivo, o carvalho do Druída, Compreendo que me fixem nos olhos e digam que sou incapaz de sentir, mas a minha riqueza é a sensibilidade como nos dedos um cego a prudente descrição dos céus pode ser uma experiência divina ou a nudez de uma puta de estrada vista como uma donzela gaiteira na descrição minuciosa de qualquer míope estrábico descreveria provas as amorosas curtas breves insonsas desta como as mais prazerosas, lascivas no universo. Me seduz do canhão, as ogivas, as orgias do carnaval, a dinamite a antracite, os segredo nas profundezas difusas de uma garganta funda ou na almas nos assassinos homicidas e pedófilos deste mundo e dos outros, dos mais feio, a mecânica nos ignorantes, nos idiotas, a dos monstros não acidentais nos músculos e na cabeça, do falso transeunte em busca da vítima no escuro, na esquina, contra o muro, da marreta, do esmagamento dos membros, no peito do carrasco ao carcereiro, tudo isso me interessa porque é imundo assim como uma linhagem primitiva de passados que evolui e que evoco com consciência mórbida e estado de alma pungente, embora recuse uma outra reputação por não ser minha nem eu algo que estagnou, a sensação dum lago morto, abrupto, sendo eu o da monstruosidade assumida, o da má-fama, a espuma negra do nojo, o “Phallu” de Pompeii ou o escroto do Basileu em Mycenae, na antiga Grécia …

Joel Matos ( 18 Fevereiro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quarta-feira, março 31, 2021 - 12:10

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 horas 23 minutos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 41005

Comentários

imagem de Joel

obrigado pela leitura

obrigado pela leitura

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Sou minha própria imagem, 1 135 06/21/2021 - 21:19 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonho sem fim, nem fundo ... 1 578 06/21/2021 - 16:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Absurdo e Sem-Fim… 1 995 06/21/2021 - 16:26 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 1 815 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 1 681 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 1 597 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 2 700 06/21/2021 - 16:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 1 677 06/21/2021 - 16:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 1 650 06/21/2021 - 16:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 1 812 06/21/2021 - 16:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 1 643 06/21/2021 - 16:20 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 1 707 06/21/2021 - 16:20 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 1 1.032 06/21/2021 - 16:19 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 1 652 06/21/2021 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 1 819 06/21/2021 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 2 912 06/21/2021 - 15:44 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 1 934 06/21/2021 - 15:43 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 1 570 06/21/2021 - 15:42 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 1 792 06/21/2021 - 15:41 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 1 1.043 06/21/2021 - 15:40 Português
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 1 839 06/21/2021 - 15:38 Português
Poesia/Geral Esquecer é ser esquecido 1 375 06/21/2021 - 15:37 Português
Poesia/Geral Perdida a humanidade em mim 1 160 06/21/2021 - 15:37 Português
Poesia/Geral Cumpro com rigor a derrota 1 132 06/21/2021 - 15:36 Português
Poesia/Geral Não passo de um sonho vago, alheio 2 137 06/21/2021 - 15:36 Português