CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Sophia de Mello Breyner Andressen- A Menina do Mar

www.topeneda.blogspot.pt

Certa noite, as ondas gritaram tanto, uivaram tanto, bateram e quebraram-se com tanta força na praia, que, no seu quarto caiado da casa branca, o rapazinho esteve até altas horas sem dormir. As portadas das janelas batiam. As madeiras do chão estalavam como madeiras de mastros. Parecia que as ondas iam cercar a casa e que o mar ia devorar o Mundo. E o rapazito pensava que, lá fora, na escuridão da noite, se travava uma imensa batalha em que o mar, o céu e o vento se combatiam. Mas por fim, cansado de escutar, adormeceu embalado pelo temporal.

As coisas da terra são esquisitas. São diferentes das coisas do mar. No mar há monstros e perigos, mas as coisas bonitas são alegres. Na terra há tristeza dentro das coisas bonitas.
- Isso é por causa da saudade - disse o rapaz.
- Mas o que é a saudade? - perguntou a Menina do Mar.
- A saudade é a tristeza que fica em nós quando as coisas de que gostamos se vão embora.

(…) - É um sol pequenino - disse a Menina do Mar.
- Sim - disse o rapaz - mas não se lhe pode tocar.
E o rapaz soprou o fósforo e o fogo apagou-se.

Enquanto o fogo é pequeno e tem juízo é o maior amigo do homem: aquece-o no Inverno, cozinha-lhe a comida, alumia-o durante a noite. Mas quando o fogo cresce de mais, zanga-se, enlouquece e fica mais ávido, mais cruel e mais perigoso do que todos os animais ferozes.

- Que pena que eu tenho de não te poder mostrar a terra! – disse o rapaz.
- E eu que pena tenho de não te poder levar comigo ao fundo do mar para te mostrar as florestas de algas, as grutas de corais e os jardins de anémonas!

- Hoje trago-te uma coisa da terra que é bonita e tem lá dentro alegria. Chama-se vinho. Quem bebe fica cheio de alegria. (…)A Menina do Mar segurou o copo com as duas mãos e olhou o vinho cheia de curiosidade, respirando o seu perfume.
- É muito encarnado e muito perfumado - disse ela. - Conta-me o que é o vinho.
- Na terra - respondeu o rapaz - há uma planta que se chama videira. No Inverno parece morta e seca. Mas na Primavera enche-se de folhas e no Verão enche-se de frutos que se chamam uvas e que crescem em cachos. E no Outono os homens colhem os cachos de uvas e põem-nos em grandes tanques de pedra onde os pisam até que o seu sumo escorra. E a esse sumo dos frutos da videira que chamamos o vinho. Esta é a história do vinho, mas o seu sabor não o sei contar. Bebe se queres saber como é.
E a Menina bebeu o vinho, riu-se e disse:
- É bom e é alegre. Agora já sei o que é a terra. Agora já sei o que é o sabor da Primavera, do Verão e do Outono. Já sei o que é o sabor dos frutos. Já sei o que é a frescura das árvores. Já sei como é o calor duma montanha ao sol. Leva-me a ver a terra. Eu quero ir ver a terra. Há tantas coisas que eu não sei. O mar é uma prisão transparente e gelada. No mar não há Primavera nem Outono. No mar o tempo não morre. As anémonas estão sempre em flor e a espuma é sempre branca. Leva-me a ver a terra.

Submited by

domingo, março 24, 2013 - 13:21

Poesia :

No votes yet

topeneda

imagem de topeneda
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 14 semanas
Membro desde: 08/12/2011
Conteúdos:
Pontos: 4308

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of topeneda

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação George Orwell- 1984 0 2.072 04/05/2013 - 18:06 Português
Poesia/Meditação Nicolau Gogol- Diário de um Louco 0 2.288 04/01/2013 - 11:49 Português
Poesia/Meditação Aldous Huxley-Admirável Mundo Novo 0 1.893 04/01/2013 - 11:46 Português
Poesia/Meditação Sem Esquecer o País 2 1.742 04/01/2013 - 11:41 Português
Poesia/Meditação Richard Bach-Fernão Capelo Gaivota 0 3.119 03/24/2013 - 13:26 Português
Poesia/Meditação Sophia de Mello Breyner Andressen- A Menina do Mar 0 2.221 03/24/2013 - 13:21 Português
Poesia/Meditação Modelo Social de Iceberg 0 1.924 03/17/2013 - 11:11 Português
Poesia/Meditação Ernest Hemingway-O Velho e o Mar 0 2.220 03/17/2013 - 11:07 Português
Poesia/Meditação Edgar Allan Poe – Contos de Terror, Mistério e Morte 0 2.129 03/17/2013 - 11:05 Português
Poesia/Meditação Consciência de Força ( Dedicado à Manifestação) 0 1.722 03/03/2013 - 20:17 Português
Poesia/Meditação Milan Kundera - A Imortalidade 0 2.482 03/03/2013 - 14:48 Português
Poesia/Meditação José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina (Perspetiva Ocidental) 0 2.040 02/27/2013 - 19:41 Português
Poesia/Meditação José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina (Perspetiva Muçulmana) 0 2.503 02/27/2013 - 19:38 Português
Poesia/Meditação José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina 0 1.637 02/27/2013 - 19:33 Português
Poesia/Meditação Joseph Conrad - O Coração das Trevas 0 2.422 02/24/2013 - 14:51 Português
Poesia/Meditação Gustave Flaubert- Madame Bovary 2 1.778 02/24/2013 - 14:48 Português
Poesia/Meditação Liev Tolstói - Guerra e Paz 2 2.758 02/20/2013 - 20:28 Português
Poesia/Meditação Anton Tchekhov - A Gaivota 0 2.380 02/13/2013 - 20:31 Português
Poesia/Meditação Sófocles - Rei Édipo 0 1.585 02/09/2013 - 11:57 Português
Poesia/Meditação Jean Paul Sartre- A Náusea 0 2.259 02/05/2013 - 22:40 Português
Poesia/Pensamentos Soren Kierkgaard - O Banquete 0 2.047 02/03/2013 - 13:11 Português
Poesia/Pensamentos Erasmo de Roterdão - Elogio da Loucura 0 1.949 01/27/2013 - 23:42 Português
Poesia/Pensamentos Nicolau Maquiavel- O Príncipe 3 1.757 01/23/2013 - 16:18 Português
Poesia/Pensamentos Thomas More - Utopia 0 1.799 01/23/2013 - 14:51 Português
Poesia/Pensamentos Antoine de Saint-Exupéry- O Principezinho 0 2.851 01/19/2013 - 14:37 Português