CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Borboleta

A borboleta abriu as asas.
Pétalas amachucadas, de quem acaba de nascer.
Efémera flor de verão.
Absorveu os campos de malmequeres, e acordou.
As nuvens escureceram, e um vento estranho varreu a terra.
Os ramos das árvores estalavam mortalmente, em sangue e seiva.
Flores vivas, sufocadas, em remoinho.
A borboleta recém-nascida pensou “Que estranho é o mundo…!”
Antes de chegar o tornado, tinha morrido despedaçada.
Asas desfeitas. Lagarta perdida.

Quantos abismos guardam os olhos de um ser errante?
Quantas velas ao vento, rasgadas. Incontáveis naufrágios.
O esquecimento, é um mal necessário para poder sobreviver.
São histórias de vagas gigantes, monstros marinhos e sonhos decepados.
Esqueletos de borboleta fossilizados.
Rocha incrustada numa montanha pedregosa, onde outrora se estendia um prado verde.
Tantas vidas depois, a mesma solidão. A mesma surpresa disfarçada.
“Que estranho é o mundo…!”

O mundo das ideias, é mais uma estrela apagada na ilusão de alguém que um dia sonhou
sair da caverna, sem ficar cego pela luz.
Num mundo de borboletas, somos a história contada pelos fósseis.
Areia cristalizada num deserto onde o calor acende miragens e atordoa o pensamento.
Passos e mais passos. Pegadas em circulo.

Caiu desamparada sobre si própria.
Sem motivo aparente, escorregou nas circunstâncias.
(Ou foi o destino que a empurrou…?)
Puxa o cordel. Aperta o botão. Boneca articulada.
Se lhe rasgassem a barriga, ficaria admirada com tanta areia e serradura!
Comprimiu o crânio com garras de ave de rapina.
Cansada de existir.
Porque é que ninguém via, que ela era uma borboleta?
Dos seus ombros elevavam-se delicadas asas brilhantes. Transparentes.
Asas mágicas, invisíveis.
Como poderia viver no chão?
Como deixaria de procurar o campo de malmequeres, a sua casa?
Desistiu de tentar explicar e resignou-se a fazer de conta que-não-era-quem-dizia-ser.
Confinou a existência ás quatro paredes da normalidade, profundamente infeliz.
Até que um dia se esqueceu.

Esperava sempre à mesma hora, em frente à paragem do autocarro.
Todos os dias, o via partir, sem que um só musculo se movesse na sua direcção.
Regressava a casa a chorar.
(Vou? Fico? Não sei. Talvez amanhã. Talvez depois.)
Porque haveria de ser de outra forma?
Porque, precisamente naquela manhã, foi picada por uma abelha providencial, e teve
mesmo de correr!
Apanhou o autocarro sem pensar, rumo ao desconhecido.
Cada novo lugar, é uma folha em branco a um sem fim de possibilidades por escrever.
É sempre difícil rasgar os dias que ficam para trás, porque podemos fugir de quase tudo,mas não de nós mesmos.
A mente é pesada e inevitável, como uma carapaça em construção que temos sempre de
transportar.
Podemos deixar a noite esvair-se em sangue até à luz se apagar, ou simplesmente
aprender a conviver com ela.
Por isso, uns são malmequeres enraizados, e outros, cegas crisálidas, à espera do
momento certo para existir.

Borboletas soltas no vento, que o tornado despedaçou.

Submited by

domingo, março 28, 2010 - 03:36

Prosas :

No votes yet

JillyFall

imagem de JillyFall
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 6 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 880

Comentários

imagem de vitor

Re: A Borboleta

Quantos abismos guardam os olhos de um ser errante?
Quantas velas ao vento, rasgadas. Incontáveis naufrágios.
O esquecimento, é um mal necessário para poder sobreviver.

Se os meus olhos falassem, recordaria historias de milénios, sofrimentos que não passam, felicidade de esquecimentos eternos.

Abraço.

Vitor.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of JillyFall

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor miragem 8 668 12/10/2011 - 16:27 Português
Prosas/Contos Oásis 0 684 07/09/2011 - 02:08 Português
Prosas/Contos Madrugada 2 785 07/08/2011 - 01:31 Português
Prosas/Contos Estrela da Manhã 2 1.411 04/19/2011 - 22:21 Português
Prosas/Contos Estrela da Manhã 0 1.448 04/15/2011 - 04:16 Português
Fotos/ - 3426 0 1.437 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 3322 0 1.407 11/24/2010 - 00:54 Português
Fotos/ - 2063 0 1.386 11/24/2010 - 00:45 Português
Fotos/ - 942 0 1.717 11/24/2010 - 00:37 Português
Anúncios/Outros - Precisa-se angariador de publicidade à comissão 0 1.647 11/19/2010 - 15:38 Português
Poesia/Aforismo fuga 0 840 11/17/2010 - 18:31 Português
Poesia/Fantasia saudade 0 1.830 11/17/2010 - 18:31 Português
Poesia/Geral fuga 0 1.545 11/17/2010 - 18:31 Português
Poesia/Amor era uma vez... 7 798 03/28/2010 - 17:44 Português
Prosas/Contos A Borboleta 1 727 03/28/2010 - 11:47 Português
Poesia/Amor viagem 2 826 03/27/2010 - 04:04 Português
Poesia/Amor diz-me.. 3 871 03/27/2010 - 03:58 Português
Poesia/Meditação think pink! 2 826 03/04/2010 - 16:11 Português
Poesia/Geral reflexo 3 682 03/04/2010 - 13:49 Português
Poesia/Amor disseste 6 659 03/04/2010 - 13:28 Português
Poesia/Amor papagaio de papel 3 779 03/03/2010 - 16:47 Português
Poesia/Tristeza melodrama 3 788 03/03/2010 - 16:36 Português
Poesia/Dedicado hoje morri 5 845 03/03/2010 - 16:07 Português
Poesia/Dedicado dia de rosas vermelhas 6 676 03/03/2010 - 16:03 Português
Poesia/Dedicado manhã 7 651 03/03/2010 - 15:14 Português