CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A GRANDE FESTA DO PORCOS

     Então os porcos festejaram! Durante dias anunciaram suas intenções, espalharam convites por toda a cidade, convocando os asnos a participarem! Segundo o coro suíno: "todo asno era bem vindo!" E assim foi montada uma grande estrutura de marketing (as raposas, mestres nessa área, foram contratadas pelos porcos para cuidar dos detalhes!) e foi dado início aos preparativos. A data escolhida para a festa  foi 5 de outubro.

     Os asnos, convenientemente entusiasmados com tudo aquilo, aceitaram o convite e lá se foram agitando bandeirinhas e repetindo frases de efeito. Velhos, filhotes, todos animados com a possibilidade de participar de um acontecimento tão importante. Os porcos, por sua vez, tramavam em segredo, aproveitando-se da situação. Como provedores da educação precária para os asnos, os porcos criaram vários grupos diferentes para participar da festa.Com isso, os asnos acreditavam que defendiam interesses diferentes, que tinha ideias diferentes, que eram diferentes entre si quando, na verdade, estavam todos trabalhando pelos porcos e para os porcos.

    Grupos com siglas diferentes,   cores e slogans diferentes. Tudo para deixar a festa mais animada! Mais colorida! Porém, todos estritamente  iguais e, parafraseando Orwell: "uns mais iguais que os outros". Criaram até alguns grupos com temática religiosa para convencer os asnos mais relutantes a aceitarem e sob o lema "só com a fé um asno pode se salvar" conseguiram o apoio daquela parte da população!

     Então, assim, criou-se uma ilusão democrática a qual os asnos aderiram sem pestanejar! O esquema perfeito para tirar o máximo proveito do poder e dos benefícios que ele traz,  grupos (todos criados pelos porcos - haja vista que os asnos são incapazes de criar; apenas copiam!) dos mais variados tipos e defendendo as mais esquisitas filosofias.

     Os porcos, do alto dos palanques, apareciam na Rede Porco de Televisão (e todas as outras que, naturalmente, eram controladas pelos suínos) e faziam ecoar seus discursos inflamados, suas expressões cuidadosamente estudadas enaltecendo os benefícios e qualidades da festa. Apareciam em procissões, almoçando junto com os asnos em restaurantes populares, beijavam os filhotes dos asnos, surgiam em hospitais e na porta das fábricas! Tudo para convencer a massa!
    
     Alguns porcos montavam representações junto aos celeiros. Assim criavam a falsa impressão de que estavam mais próximos da base dos muares. Tudo para garantir o sucesso da festa! Os porcos também controlavam toda a justiça e, dessa forma, garantiam seus interesses. Volte e meia deixavam que alguma coruja (os juízes) manifestarem-se contra ou julgarem alguma causa polêmica. Tão somente para que os asnos acreditassem que havia justiça naquele lugar sendo que, logo em seguida, as decisões perdiam sua importância e eram esquecidas.

      Nas vésperas da grande festa suína o gato (sempre ele!) resolveu questionar aquilo tudo. Durante muito tempo observava os acontecimentos e não se convencia de que havia algo de verdade. Muito pelo contrário! Estudando a história dos bichos, convenceu-se de que o poder, através dos tempos, jamais mostra a sua face verdadeira! Porém, transforma os seres vivos em gananciosos e vazios. Era isso que estava acontecendo e ele resolveu se manifestar.

     Os asnos, devidamente aculturados durante anos de exposição a lavagem cerebral promovidas pelos porcos,    não conseguiam entender sobre o que o gato falava! Sua capacidade de entendimento limitava-se ao conteúdo esdrúxulo das novelas, do resultado dos campeonatos de futebol, do semi analfabetismo, da música vagabunda, da aversão cultural, da repulsa a moral,  e da aceitação incondicional de tudo o que é e está relacionado a massificação.

     Assim o gato tentava convencê-los que deveriam pensar. Porém, "pensar" é algo que não se ensina às massas. E os porcos, ao tomarem conhecimento das atividades do gato, ordenaram que os cães dessem cabo dele. E assim a única voz contrária foi silenciada.

     A festa aconteceu conforme planejado: milhares de asnos participaram! Cada um vestindo sua cor preferida, agitando bandeirinhas enquanto que os porcos observavam a tudo com um largo sorriso.

     O ponto alto da festa foi a eleição do rei porco e da rainha porca! Nenhum asno se deu conta que nunca um  foram indicado para o cargo tão importante - mesmo sendo a maioria que participava da festa! Mesmo assim, encaminharam-se entusiasmados para escolher os soberanos.

     Depois de escolhidos o rei e a rainha, a festa acabou. Os porcos voltaram para sua vida de regalias, poder, luxúria, negociata e esbanjamento. Os asnos retornaram aos campos para seu trabalho duro. E, na semana seguinte, receberam em casa uma carta com um valor que deveria ser pago. Era a conta da festa. Os asnos coçaram a cabeça mas não chegaram a conclusão alguma. Pois a função de um asno não é pensar! É baixar a cabeça e puxar a carroça para sempre!

Submited by

quinta-feira, outubro 2, 2014 - 13:20

Prosas :

No votes yet

Daniel Kobra

imagem de Daniel Kobra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 16 semanas
Membro desde: 08/20/2013
Conteúdos:
Pontos: 859

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Daniel Kobra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor deixa 0 949 06/21/2018 - 17:54 Português
Poesia/Dedicado Esses dias... 0 1.040 06/18/2018 - 12:41 Português
Fotos/Pessoais Fazendo musica... por aí 0 398 06/18/2018 - 12:22 Português
Fotos/Pessoais Detalhes 0 587 06/18/2018 - 12:21 Português
Fotos/Pessoais Palcos da vida - V 0 529 06/18/2018 - 12:20 Português
Fotos/Pessoais Palcos da vida - IV 0 496 06/18/2018 - 12:20 Português
Fotos/Pessoais Palcos da vida III 0 728 06/18/2018 - 12:19 Português
Fotos/Pessoais retrato 0 1.036 06/15/2018 - 20:51 Português
Poesia/Amor eu desejo... 0 584 06/15/2018 - 12:41 Português
Fotos/Pessoais Nos palcos da vida - II 0 443 06/15/2018 - 12:37 Português
Fotos/Pessoais Nos palcos da vida 0 563 06/15/2018 - 12:36 Português
Poesia/Pensamentos O Retorno 2 788 06/14/2018 - 18:38 Português
Prosas/Outros NÃO É NÃO! 0 737 06/14/2018 - 18:31 Português
Fotos/Pessoais Calçadas, ruas e praças 0 501 06/14/2018 - 18:12 Português
Fotos/Pessoais Sob as luzes 0 447 06/14/2018 - 18:11 Português
Fotos/Outros Por ai 0 503 06/14/2018 - 18:10 Português
Fotos/Pessoais Nos palcos da vida 0 592 06/14/2018 - 18:09 Português
Prosas/Outros ICARO (Crônica) 0 1.485 10/14/2014 - 15:25 Português
Poesia/Tristeza AUSÊNCIA 0 1.407 10/10/2014 - 15:57 Português
Prosas/Outros 4.4 (crônica) 0 1.099 10/10/2014 - 15:48 Português
Prosas/Outros UM TEXTO (crônica) 0 852 10/10/2014 - 15:24 Português
Poesia/Fantasia LUA INVEJOSA 0 1.131 10/07/2014 - 20:30 Português
Prosas/Contos NOSSA ETERNA FOME DE AFETO GENUÍNO 0 1.360 10/06/2014 - 19:10 Português
Prosas/Outros QUAL É O TEU SIGNO? (crônica) 0 911 10/03/2014 - 21:25 Português
Prosas/Contos A GRANDE FESTA DO PORCOS 0 1.424 10/02/2014 - 13:20 Português