CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Fernando Pessoa- Livro do desassossego ( VI )

O tédio… Pensar sem que se pense, com o cansaço de pensar; sentir sem que se sinta, com a angústia de sentir; não querer sem que se não queira, com a náusea de não querer.

Possuir é perder. Sentir sem possuir é guardar; porque é extrair de uma coisa a sua essência.

O amor, o sono, as drogas e intoxicantes são formas elementares de arte, ou, antes, de produzir o mesmo efeito que ela.

O amor farta ou desilude. Do sono desperta-se e, quando se dormiu, não se viveu. As drogas pagam-se com a ruina de aquele mesmo físico que serviram de estimular. Mas na arte não há desilusão porque a ilusão foi admitida desde o princípio. Da arte não há despertar, porque nela não dormimos, embora sonhássemos. Na arte não há tributo ou multa que paguemos por ter gozado dela.

“A maioria da gente é outra gente”- Oscar Wilde. Uns gastam a vida na busca de qualquer coisa que não querem; outros empregam-se na busca do que querem e lhes não serve.

Tudo que se passa no onde vivemos é em nós que se passa. Tudo o que cessa no que vemos é em nós que cessa. Tudo o que foi se o vimos quando era, é de nós que foi tirado quando se partiu.

A morte é uma libertação porque morrer é não precisar de outrem... Por isso a morte enobrece, veste de galas desconhecidas o pobre corpo absurdo. É que ali está um liberto, embora o não quisesse ser. É que ali não está um escravo, embora até chorando perdesse a servidão.

Adoramos a perfeição, porque a não podemos ter; repugná-la-íamos se a tivéssemos.

A liberdade é a possibilidade do isolamento. És livre se podes afastar-te dos homens, sem que te obrigue a procura-los a necessidade do dinheiro, ou a necessidade de gregária, ou o amor, ou a glória, ou a curiosidade, que no silêncio e na solidão não podem ter alimento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.

O dinheiro é belo, porque é uma libertação.

A mania do absurdo e do paradoxo é a alegria animal dos tristes. Como o homem normal diz disparates por vitalidade, e por sangue dá palmadas nas costas dos outros, os incapazes de entusiamos e de alegria dão cambalhotas na inteligência e, a seu modo, fazem os gestos da vida.

Para criar destrui-me; tanto me exteriorizei dentro de mim, que dentro de mim não existo senão exteriormente. Sou a cena viva onde passam atores representando várias peças.

O mundo é de quem não sente. A condição essencial para se ser um homem prático é a ausência de sensibilidade.

A arte serve de fuga para a sensibilidade que a ação teve de esquecer.

Governa quem é alegre para ser triste é preciso sentir.

Manda quem não sente. Vence quem pensa só o que precisa para vencer.

Parecendo às vezes, à minha análise rápida, parasitar os outros, na realidade o que acontece é que os obrigo a ser parasitas da minha posterior emoção.

Cada civilização segue a linha íntima de uma religião que a representa: passar para outros religiões é perder essa, e por fim perdê-las a todas.

O homem completo é o homem que se ignora. Sem fé, não temos esperança, e sem esperança não temos propriamente vida.

Minha alma é uma orquestra oculta.

Só me conheço como sinfonia.

Todo o esforço é um crime porque todo o gesto é um sonho morto.

Todos temos por onde sermos desprezáveis. Cada um de nós traz consigo um crime feito ou um crime que a alma lhe pede para fazer.

Os outros não são para nós mais que paisagem, e, quase sempre, paisagem invisível da rua conhecida.

Eu não tinha a força cega dos vencedores ou a visão certa dos loucos… Era lúcido e triste como um dia frio.

Foi num mar interior que o rio da minha vida findou.

Aprazia convalescer para sentir verdadeiramente a vida.

Saber não ter ilusões é absolutamente necessário para se poder ter sonhos.

O que mata o sonhador é não viver quando sonha; o que fere o agente é não sonhar quando vive.

Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.

A mentira absurda tem todo o recanto de perverso com o último e o maior encanto de ser inocente.

E quando a mentira começar a dar-nos prazer, falemos a verdade para lhe mentirmos. E quando nos causar angústia, paremos, para que o sofrimento nos não signifique perversamente prazer.

…o pasmo que me causa a minha capacidade de angústia.

Para atingir a verdade faltam-nos dados que bastem, e processos intelectuais que esgotam a interpretação desses dados.

Uma rua deserta não é uma rua onde não passa ninguém, mas uma rua onde os que passam, passam nela como se fosse deserta.

Os que pensam com o raciocínio estão distraídos; os que pensam com a emoção estão dormindo, os que pensam com a vontade estão mortos.
www.topeneda.blogspot.pt

Submited by

segunda-feira, novembro 5, 2012 - 18:43

Poesia :

No votes yet

topeneda

imagem de topeneda
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 49 semanas
Membro desde: 08/12/2011
Conteúdos:
Pontos: 4308

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of topeneda

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação George Orwell- 1984 0 5.678 04/05/2013 - 19:06 Português
Poesia/Meditação Nicolau Gogol- Diário de um Louco 0 5.930 04/01/2013 - 12:49 Português
Poesia/Meditação Aldous Huxley-Admirável Mundo Novo 0 5.830 04/01/2013 - 12:46 Português
Poesia/Meditação Sem Esquecer o País 2 4.052 04/01/2013 - 12:41 Português
Poesia/Meditação Richard Bach-Fernão Capelo Gaivota 0 7.103 03/24/2013 - 14:26 Português
Poesia/Meditação Sophia de Mello Breyner Andressen- A Menina do Mar 0 5.289 03/24/2013 - 14:21 Português
Poesia/Meditação Modelo Social de Iceberg 0 5.281 03/17/2013 - 12:11 Português
Poesia/Meditação Ernest Hemingway-O Velho e o Mar 0 4.903 03/17/2013 - 12:07 Português
Poesia/Meditação Edgar Allan Poe – Contos de Terror, Mistério e Morte 0 5.875 03/17/2013 - 12:05 Português
Poesia/Meditação Consciência de Força ( Dedicado à Manifestação) 0 4.634 03/03/2013 - 21:17 Português
Poesia/Meditação Milan Kundera - A Imortalidade 0 5.894 03/03/2013 - 15:48 Português
Poesia/Meditação José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina (Perspetiva Ocidental) 0 5.621 02/27/2013 - 20:41 Português
Poesia/Meditação José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina (Perspetiva Muçulmana) 0 5.936 02/27/2013 - 20:38 Português
Poesia/Meditação José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina 0 4.722 02/27/2013 - 20:33 Português
Poesia/Meditação Joseph Conrad - O Coração das Trevas 0 7.508 02/24/2013 - 15:51 Português
Poesia/Meditação Gustave Flaubert- Madame Bovary 2 5.064 02/24/2013 - 15:48 Português
Poesia/Meditação Liev Tolstói - Guerra e Paz 2 7.038 02/20/2013 - 21:28 Português
Poesia/Meditação Anton Tchekhov - A Gaivota 0 5.703 02/13/2013 - 21:31 Português
Poesia/Meditação Sófocles - Rei Édipo 0 4.491 02/09/2013 - 12:57 Português
Poesia/Meditação Jean Paul Sartre- A Náusea 0 6.070 02/05/2013 - 23:40 Português
Poesia/Pensamentos Soren Kierkgaard - O Banquete 0 7.054 02/03/2013 - 14:11 Português
Poesia/Pensamentos Erasmo de Roterdão - Elogio da Loucura 0 5.284 01/28/2013 - 00:42 Português
Poesia/Pensamentos Nicolau Maquiavel- O Príncipe 3 5.210 01/23/2013 - 17:18 Português
Poesia/Pensamentos Thomas More - Utopia 0 4.837 01/23/2013 - 15:51 Português
Poesia/Pensamentos Antoine de Saint-Exupéry- O Principezinho 0 6.164 01/19/2013 - 15:37 Português