CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Quando os homens

Quando os homens se abstiverem
de pintar prodígios em dissipação
encher em tons pastel
os espaços vazios
quando não pesarem mais o coração
em balanças desconectadas das consciências.

Quando os homens se abstiverem
de arquitecturas egocêntricas
esculpidas pelo suor alheio
renunciarem de usar o génio da cultura
em malabarismos ilusórios
promessas em laivos antípodes.

Quando os homens se abstiverem
da efémera ambição em contenda
vislumbrarem corais encantados
enterrados com raízes distorcidas.

Regressariam por certo
à imperturbalidade desta realidade
respirariam utopia acordados
num planalto com muito espaço.

Mas os olhos abertos caíram no fim desta poesia.

Submited by

quinta-feira, setembro 17, 2009 - 13:35

Poesia :

No votes yet

AnaCoelho

imagem de AnaCoelho
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 14 semanas
Membro desde: 11/14/2008
Conteúdos:
Pontos: 1789

Comentários

imagem de AnaMar

Re: Quando os homens

Belo momento de reflexão.
Li duas vezes, para ter a certeza que os olhos cairam, mas NÃO SE FECHARAM.

:-P

Bjs de saudade

imagem de ÔNIX

Re: Quando os homens

Olá Ana

Não te tenho visto por aqui. Um prazer ler-te neste espaço, também.

Trazes um bom poema. Muito bom mesmo, Pena que os olhares se desvaneçam e não enxerguem novos horizontes

Beijos

Dolores Marques

imagem de FlaviaAssaife

Re: ...

AnaCoelho,

Gostei da reflexão! :-)

imagem de MarneDulinski

Re:

AnaCoelho!

Regressariam por certo
à imperturbalidade desta realidade
respirariam utopia acordados
num planalto com muito espaço.

Gostei!
MarneDulinski

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AnaCoelho

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Densidade do olhar 2 1.777 03/15/2018 - 09:38 Português
Poesia/Amor Contigo aprendi a sonhar 2 1.726 03/15/2018 - 09:37 Português
Poesia/Meditação Onde as nuvens pousam 1 1.308 11/07/2015 - 11:14 Português
Poesia/Meditação Lágrimas quentes 0 1.341 12/22/2012 - 20:02 Português
Poesia/Amor Juntos galgaremos as margens 0 1.840 12/20/2012 - 02:10 Português
Poesia/Aforismo Há uma pauta aberta 0 1.229 10/08/2012 - 06:36 Português
Poesia/Intervenção Fazer das letras os gestos 0 1.923 07/21/2012 - 21:14 Português
Poesia/Meditação Os vales da realidade 3 1.292 07/09/2012 - 08:10 Português
Poesia/Meditação Um oásis que flutua 0 859 06/25/2012 - 16:33 Português
Poesia/Dedicado Não há lábios nem lágrimas 0 1.486 06/24/2012 - 12:16 Português
Poesia/Meditação Num grito estagnado 1 1.497 06/21/2012 - 18:21 Português
Poesia/Amizade Amigo...preenchimento do verbo amar 1 1.553 06/20/2012 - 20:54 Português
Poesia/Meditação Cadências cálidas 1 1.325 06/14/2012 - 10:10 Português
Poesia/Meditação Esquina da palavra 1 2.139 06/13/2012 - 08:40 Português
Poesia/Intervenção Pura ilusão cega 3 1.417 04/15/2012 - 17:35 Português
Poesia/Meditação Esquina de cada utopia 1 1.608 01/06/2012 - 17:32 Português
Poesia/Meditação Os braços sonham ser asas 0 1.890 12/31/2011 - 01:49 Português
Poesia/Meditação Mar de nada 1 1.588 12/11/2011 - 19:44 Português
Poesia/Meditação Traição do destino 0 1.615 12/04/2011 - 22:41 Português
Poesia/Meditação Caminho aberto 0 1.554 11/30/2011 - 22:23 Português
Poesia/Meditação Desígnios da vida 0 1.382 11/29/2011 - 21:06 Português
Poesia/Amor Amor entre poetas 2 2.625 10/20/2011 - 13:08 Português
Poesia/Dedicado Agora Setembro Renasce 0 3.163 09/23/2011 - 05:35 Português
Poesia/Meditação Os argumentos de um poema 0 2.310 09/22/2011 - 03:49 Português
Poesia/Meditação EXCERTOS DA ALMA 1 2.118 09/19/2011 - 15:25 Português