CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Cruz D'espinhos

Espinheiro


Cruz d’Espinheiro.


Melros estridentes cruzam os bicos sobre pinheiros frondosos e cheiros fortes, instam os borrachos tardios ao voo; estes, dos nichos pendurados nos arbustos, dir-se-ia que protestam as censuras dos progenitores enquanto tudo mais cala em tarde de lua longa.

Findo o rumor perturbante do dia, reaparecem, mais sinceros os silêncios do lobo, encontrava-se preso num espinheiro que lhe perfurava a pele e perturbava o espírito, paralisava-o até aos mínimos movimentos que se esgotara de planear, os seus esforços ainda tinham enterrado mais profundamente os espinhos.

Deitou-se exausto na mais cómoda posição que conseguiu, o ocaso fitava-o na silhueta projectada pela cruz de espinhos. Saídos das sombras os esquivos morcegos fazem as primeiras aparições perseguindo vorazmente as presas, no desalinho do pelo do jovem lobo e nas feridas vivas, formigas e insectos insistiam em dilatar a dor e as feridas ensanguentadas.

Deixara a alcateia pela primeira vez, procurando caçar sozinho, as lições aprendidas com a mãe não incluíam a forma de se livrar de uma prisão feita com materiais naturais mas colocada ali intencionalmente por alguém que invejava os espíritos livres dos animais selvagens, os homens de Murmansk na longínqua Sibéria Ocidental supunham que a sua força e virilidade dependia directamente do número de lobos mortos e usavam-lhes as peles e caudas como troféus de adorno.

Enquanto os espinhos se afincavam em não dar tréguas, com uma teimosia exasperante, Os pirilampos servem de consolação ao triste lobo , que os vê ,lentamente, rodopiarem em seu redor e elevarem-se ,até se confundirem com a aparição das primeira constelações ,nos céus cada vez mais escuros mas em testemunhos silenciosos de milhões e milhões de estrelas.

Com os pirilampos partem também os últimos e lampejantes sinais dos espíritos selvagens e parte porém mais uma esperança dos homens em conviverem com o Planeta, que o Homem não pense que pode viver órfão da mãe natureza e do Pai Universo.

 

Jorge Santos

Submited by

quinta-feira, janeiro 13, 2011 - 11:02

Prosas :

Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 19 horas 56 minutos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40706

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Vencido 3 59 11/25/2020 - 18:26 Português
Poesia/Geral Esquecer é ser esquecido 0 187 09/28/2020 - 14:47 Português
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 0 576 06/02/2020 - 15:16 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 326 06/02/2020 - 15:09 Português
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 684 05/02/2020 - 23:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 400 04/20/2020 - 22:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 582 04/19/2020 - 11:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 953 04/15/2020 - 15:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 605 04/15/2020 - 14:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 691 04/15/2020 - 11:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 577 04/15/2020 - 10:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 437 03/01/2020 - 20:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 581 03/01/2020 - 19:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 334 01/24/2020 - 20:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 557 01/08/2020 - 13:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 491 01/08/2020 - 12:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 380 01/08/2020 - 12:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 614 01/08/2020 - 11:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 410 01/08/2020 - 11:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 423 01/08/2020 - 11:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 505 01/08/2020 - 11:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 404 01/08/2020 - 11:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 404 01/08/2020 - 11:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 453 01/08/2020 - 10:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 376 01/08/2020 - 10:38 Português