CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

a lenda do arvoredo castanho

“…não me vou lembrar concretamente dos pormenores exactos do evento, mas tentarei aproximar os mesmos, dentro da minha memória, à realidade de então… não consigo, pois, precisar a data, nem o ano nem o mês nem o dia nem a hora mas foi num tempo que passou por mim (ou que eu passei por ele, tempo…) em determinada altura da minha vida… recordo a imagem de tudo o que me rodeava e onde estava inserido: era um amplo descampado rodeado de árvores (uma espécie de clareira) castanhas com folhas castanhas (talvez, por esse pormenor, tivesse sido no Outono)… o chão estava repleto dessas mesmas folhas e o vento não existia… elas formavam portanto uma espécie de tapete fofo e convidativo ao mergulho no meio delas… a idade não me permitia aferir dos benefícios ou malefícios desse pseudo mergulho seco… mas a verdade é que, sem mergulhar, me deixei cair no chão sobre elas… uma enorme quantidade voou em meu redor como aves levantando voo… depois, lentamente, voltaram a descer não já sobre o mesmo lugar… algumas caíram sobre o meu corpo de menino, de criança, de inocente… deixei-me ficar ali por uns momentos olhando o céu azul, sem uma única nuvem… via-me numa espécie de poço com as árvores a servirem de parede do mesmo… por cima, a luz azul… não sei precisar a quantidade de tempo que ali estive mas recordo que adormeci e quando acordei estremeci de frio e vi que o céu já não estava azul… era já prisioneiro do cinzento avermelhado… levantei-me e nesse momento dei de caras com ele… era um homem velho, de costas curvadas com o peso de um molhe enorme de ramos de árvores… na mão direita segurava uma espécie de bengala, aquilo que, mais tarde, vim a saber chamar-se cajado… senti que não senti medo nem desatei a fugir, nem a gritar nem a chorar… aqueles olhos que me fixavam tinham um brilho diferente do que era do meu conhecimento… não reconheci naquele olhar um olhar humano mas apesar desse factor o olhar tinha um esplendor e resplandecia de luz… olhou-me, sorriu-me e estendeu-me a ponta do cajado como que querendo dizer ou perguntar quem eu era e o que fazia ali… como hipnotizado sei que me aproximei dele e toquei com a minha frágil mão na ponta desse pau… senti a rugosidade da madeira mas mantive ali a minha mão… não consigo explicar o que senti mas consigo visionar ainda o que se seguiu: da mão daquele velho saiu uma espécie de luz violeta que percorreu a vara, o cajado ou a bengala ou lá o que era e parou nos meus dedos e senti um suave calor no punho… nesse momento, retirei a mão e olhei para ela para ver o que se estava a passar: nada, a minha mão estava na mesma, não tinha nada que me pudesse ter preocupado… volvi, de novo, os olhos para o sítio em fronte de mim onde estaria o velho… nada estava lá… o vazio era total… aí, tive um frémito de medo e dei meia volta em direcção a casa… o caminho não estava alterado, tudo estava na mesma e quando cheguei a casa, nada de estranho deixei transparecer até porque minha mãe nada me disse: como se eu tivesse saído dali naquele momento e de novo voltasse para trás… dali a pouco senti o cheiro da sopa e lembro-me que naquela noite não consegui dormir… ainda hoje, a minha mão direita está sempre quente e não sei explicar a razão nem sei explicar se aquilo que está na minha memória se passou no real ou se foi um sonho mas por todos os elementos que ainda possuo, continuo crente que algo me tocou naquele fim de tarde, naquela clareira, de árvores castanhas com folhas castanhas espalhadas pelo chão…”

Joaquim Nogueira

Submited by

terça-feira, outubro 14, 2008 - 21:30

Prosas :

No votes yet

lobices

imagem de lobices
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 41 semanas
Membro desde: 08/11/2008
Conteúdos:
Pontos: 316

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of lobices

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Perfil 163 0 960 11/24/2010 - 21:48 Português
Fotos/ - 521 0 1.452 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - Amanhecer a leste do meu quintal 0 716 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - Candeeiro em vertigem de luz 0 872 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - Disneyland - subir o rio 0 1.175 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - O Jardim dos Sonhos - Disneyland 0 1.128 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - O Palácio das Fadas - Disneyland 0 817 11/23/2010 - 23:35 Português
Prosas/Romance BUSCA 0 894 11/18/2010 - 23:08 Português
Prosas/Romance Tenho frio 0 1.007 11/18/2010 - 23:05 Português
Prosas/Romance Carta eterna 0 653 11/18/2010 - 22:57 Português
Prosas/Romance Carta 0 724 11/18/2010 - 22:47 Português
Prosas/Romance Tela 0 704 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance Parir 0 736 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance Ida 0 808 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance Binário 0 569 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance acordar 0 902 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance meu avô 0 751 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance subentender 0 767 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance a lenda do arvoredo castanho 0 688 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance terra 0 768 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance emoções 0 753 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance desenho 0 622 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance despido 0 751 11/18/2010 - 22:40 Português
Fotos/Natureza Rosa do meu quintal 1 876 09/07/2010 - 00:41 Português
Fotos/Natureza Rosas de Sintra 1 1.442 09/07/2010 - 00:27 Português