CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Carta eterna

Um

"...olhavas-me de baixo e eu sentia-me como presa naquele quadro dependurado naquela parede nua... havias-me pintado, traço a traço, ruga a ruga com aquele lápis de cera preta com que fazias os teus gatafunhos... olhavas-me de baixo e eu sentia-me perdida no meio do teu olhar que não sabia ler, que não sabia entender... havias-me traçado a pele enrugada à volta dos olhos, nas faces, as próprias linhas do franzir habitual da minha testa... como me houveras pintado tão bem... ainda recordo aquela manhã em que sentada no banco da cozinha me havias pedido para posar para ti... ri-me como se pudesses fazer tal coisa... e, depois destes anos todos passados, em que regresso apenas em memória, olho-te de cima e vejo-te a olhar para mim daí de baixo, em pé nesse chão de tábuas rabugentas e bafiosas... olhas-me com um olhar parado, sem fulgor, apagado, mas olhas-me e recordas-me... só não consigo entender se me olhas por respeito se por amor... e a dúvida mantém-me presa dentro desta moldura..."

Dois

"... na verdade, esta moldura é a minha prisão... de tão perfeitos traços me retrataste que me sinto afogada neles como se eles fossem a minha própria alma, o cerne do amor que nos inundava enquanto a vida me era dada para viver... lembras-te, meu amor, de todas aquelas cartas que te escrevi enquanto presa dentro de outras grades, linhas estreitas que me afastavam de ti ou que te afastaram de mim... nunca soube o porquê e essa dúvida, que ainda hoje, aqui de cima mantenho, será a minha companhia na eternidade... é ela também que me concede a possibilidade de te ver aí olhando-me aqui nesta parede nua, dentro de mim mesma vazia e tão prenhe de linhas com que me vestiste naquela manhã na cozinha no banco sentada, rindo-me da tua certeza... meu amor, a paz que me preenche não retira a dor que mantive e que comigo trouxe; a paz que me preenche é uma paz por amor a ti mas a dor essa jamais sairá de mim; é um pouco como eu nestes riscos presente na tua mente quando daí em baixo me olhas... resta-me a doçura da lágrima que vejo cair da tua face nesse chão carcomido pelo tempo que não nos foi concedido... dor de mim em teu peito também ele dorido..."Um

"...olhavas-me de baixo e eu sentia-me como presa naquele quadro dependurado naquela parede nua... havias-me pintado, traço a traço, ruga a ruga com aquele lápis de cera preta com que fazias os teus gatafunhos... olhavas-me de baixo e eu sentia-me perdida no meio do teu olhar que não sabia ler, que não sabia entender... havias-me traçado a pele enrugada à volta dos olhos, nas faces, as próprias linhas do franzir habitual da minha testa... como me houveras pintado tão bem... ainda recordo aquela manhã em que sentada no banco da cozinha me havias pedido para posar para ti... ri-me como se pudesses fazer tal coisa... e, depois destes anos todos passados, em que regresso apenas em memória, olho-te de cima e vejo-te a olhar para mim daí de baixo, em pé nesse chão de tábuas rabugentas e bafiosas... olhas-me com um olhar parado, sem fulgor, apagado, mas olhas-me e recordas-me... só não consigo entender se me olhas por respeito se por amor... e a dúvida mantém-me presa dentro desta moldura..."

Dois

"... na verdade, esta moldura é a minha prisão... de tão perfeitos traços me retrataste que me sinto afogada neles como se eles fossem a minha própria alma, o cerne do amor que nos inundava enquanto a vida me era dada para viver... lembras-te, meu amor, de todas aquelas cartas que te escrevi enquanto presa dentro de outras grades, linhas estreitas que me afastavam de ti ou que te afastaram de mim... nunca soube o porquê e essa dúvida, que ainda hoje, aqui de cima mantenho, será a minha companhia na eternidade... é ela também que me concede a possibilidade de te ver aí olhando-me aqui nesta parede nua, dentro de mim mesma vazia e tão prenhe de linhas com que me vestiste naquela manhã na cozinha no banco sentada, rindo-me da tua certeza... meu amor, a paz que me preenche não retira a dor que mantive e que comigo trouxe; a paz que me preenche é uma paz por amor a ti mas a dor essa jamais sairá de mim; é um pouco como eu nestes riscos presente na tua mente quando daí em baixo me olhas... resta-me a doçura da lágrima que vejo cair da tua face nesse chão carcomido pelo tempo que não nos foi concedido... dor de mim em teu peito também ele dorido..."

Submited by

segunda-feira, janeiro 18, 2010 - 18:22

Prosas :

No votes yet

lobices

imagem de lobices
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 46 semanas
Membro desde: 08/11/2008
Conteúdos:
Pontos: 316

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of lobices

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Perfil 163 0 979 11/24/2010 - 21:48 Português
Fotos/ - 521 0 1.491 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - Amanhecer a leste do meu quintal 0 744 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - Candeeiro em vertigem de luz 0 908 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - Disneyland - subir o rio 0 1.191 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - O Jardim dos Sonhos - Disneyland 0 1.147 11/23/2010 - 23:35 Português
Fotos/ - O Palácio das Fadas - Disneyland 0 831 11/23/2010 - 23:35 Português
Prosas/Romance BUSCA 0 909 11/18/2010 - 23:08 Português
Prosas/Romance Tenho frio 0 1.014 11/18/2010 - 23:05 Português
Prosas/Romance Carta eterna 0 674 11/18/2010 - 22:57 Português
Prosas/Romance Carta 0 732 11/18/2010 - 22:47 Português
Prosas/Romance Tela 0 712 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance Parir 0 746 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance Ida 0 822 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance Binário 0 582 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance acordar 0 920 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance meu avô 0 763 11/18/2010 - 22:45 Português
Prosas/Romance subentender 0 779 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance a lenda do arvoredo castanho 0 715 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance terra 0 791 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance emoções 0 759 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance desenho 0 630 11/18/2010 - 22:40 Português
Prosas/Romance despido 0 764 11/18/2010 - 22:40 Português
Fotos/Natureza Rosa do meu quintal 1 887 09/07/2010 - 00:41 Português
Fotos/Natureza Rosas de Sintra 1 1.458 09/07/2010 - 00:27 Português