[A filosofia do povo]

[A filosofia do povo]

Se Sócrates ou Platão, tivessem pensando em uma forma de limpar a bunda, sem machucar o cú, ao invés de ficar delirando sobre a vida... Eles seriam lembrados por muito mais gente e não apenas por uma classe de universitários que se colocam acima do bem e do mal.

A falta de conexão com a realidade e o ser humano comum, faz com que a classe intelectual não tenha relevância nenhuma para aldeia, para vila, para a cidade ou para o mundo.

As pessoas tem um prazo de vida diferente em alguns lugares, porém se colocarmos na média de 70/80 anos, ninguém se importa pra onde vai e de onde vem. De uma forma geral o desejo é comprar, gastar, se divertir, sexo e quando não se pode evitar, chorar.

A pessoas desejam apenas segurança nesse processo chamado vida. Questões existenciais servem apenas para “gurus” e “pseudo intelectuais” ganharem dinheiro vendendo palestras. Falando o logico, para pessoas que não querem fazer o obvio.

O buraco profundo da filosofia, apenas faz perguntas rasas, quem não motivam o giro da roda, com dizeres enfadonhos e decorados. Por estas razões, quando a crise da existência bate à porta, os reles mortais buscam refúgio e respostas na religião.

Ninguém acostumado com a rotina, está preocupado com a história do universo. Apenas em ser feliz, sem ter que exercer sacrifícios. Animais nascem, vivem e morrem em ciclos viciosos. O ser humano por se dizer “racional”, não raramente esquece, que também possui os mesmos instintos de outros tantos que habitam a terra.

Por não compreender essa realidade é que vemos um meio intelectual ressentido, buscando sempre afirmação sobre os demais. Colocando-se como arauto da sabedoria, por vezes acreditando que seu intelecto deva ser mais valorizado que a mão de obra de uma gari ou faxineira. Mesmo que no mundo em que habitamos não vivemos sem os dois últimos. Porém o primeiro se torna totalmente dispensável em tempos de crise.

A filosofia do povo baseia-se no dia a dia, no café, almoço e janta. Entre um ônibus e outro a caminho ou volta do trabalho dá-se ao luxo de questionar sua insignificância no universo. E acaba sempre sendo interrompido pela chega no ponto final.

O mais perto possível de mitologias e literatura universal que as pessoas comuns chegam, é quando autores de novelas acrescentam em suas tramas tais fatos. Fazendo o público de uma forma geral acreditar, ser inédito o que se passa na tela da tv.

Universidades acabam sendo pequenas ilhas, aonde pessoas saciam-se lambendo o próprio saco na expectativa de serem elogiado por esse gesto. É por isso que especialistas sempre erram suas previsões, o universo intelectual sempre habita a orbita do universo real, mas nunca funde-se com ele, ficando aquém realidade das pessoas.

Na filosofia do povo, ganha dinheiro e atenção o banal. Aquilo que nunca sai do lugar, porque quem trabalha pra sobreviver, não tempo de ler pra se entreter.

Pablo Danielli

Submited by

Tuesday, October 30, 2018 - 14:13

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

Pablo Gabriel's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 9 weeks 4 days ago
Joined: 05/02/2011
Posts:
Points: 2861

Add comment

Login to post comments

other contents of Pablo Gabriel

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/Meditation [Á deriva] 0 63 05/08/2019 - 15:29 Portuguese
Poesia/Meditation [Vazios] 0 174 04/03/2019 - 21:00 Portuguese
Poesia/Meditation [Círculos] 0 207 03/12/2019 - 17:34 Portuguese
Poesia/Meditation [Mundo] 0 357 12/07/2018 - 20:47 Portuguese
Poesia/Meditation [Curtido] 0 324 11/26/2018 - 20:20 Portuguese
Poesia/Meditation [Caminhar] 0 381 11/21/2018 - 14:21 Portuguese
Críticas/Miscellaneous [A filosofia do povo] 0 584 10/30/2018 - 14:13 Portuguese
Poesia/Meditation [Morto] 0 509 10/25/2018 - 19:56 Portuguese
Poesia/Meditation [Novos velhos] 0 395 10/24/2018 - 14:52 Portuguese
Poesia/Meditation [Preço] 0 412 10/23/2018 - 15:12 Portuguese
Poesia/Meditation [Destempero] 0 393 10/05/2018 - 21:19 Portuguese
Poesia/Meditation [Brasília] 0 354 08/03/2018 - 20:28 Portuguese
Poesia/Meditation [Enlatado] 0 912 07/24/2018 - 15:13 Portuguese
Poesia/Meditation [Malandro] 0 508 07/19/2018 - 15:11 Portuguese
Poesia/Meditation [Sina] 0 623 07/17/2018 - 15:24 Portuguese
Poesia/Meditation Escolhas e liberdades 0 530 07/16/2018 - 14:21 Portuguese
Críticas/Miscellaneous [A morte do jornalismo] 0 1.047 06/22/2018 - 20:53 Portuguese
Poesia/Meditation [Epifania] 0 748 06/20/2018 - 21:18 Portuguese
Poesia/Meditation [Vida] 0 942 06/04/2018 - 15:31 Portuguese
Poesia/Meditation [Cajado] 0 568 04/30/2018 - 18:36 Portuguese
Poesia/Love [J] 0 561 03/27/2018 - 21:10 Portuguese
Poesia/Love [Olhos castanhos] 2 411 03/20/2018 - 11:58 Portuguese
Poesia/Meditation [Poesia do fim] 2 683 03/14/2018 - 21:46 Portuguese
Poesia/Meditation [Tudo é silêncio] 0 534 11/07/2017 - 14:26 Portuguese
Poesia/Love [Teus] 0 724 10/10/2017 - 15:39 Portuguese