CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

MATERIA DE POESIA, Manoel de Barros

Desde quando a palavra tenta se fazer ausente da poesia? Trabalhar com ilações é se revelar ao reverso: esconder do todo o fragmento. E pensar, como podem os olhos ver mais do que a mão escreve. Assim é a obra de Manoel de Barros que, nesta Matéria de Poesia, remete o leitor ao âmago da finitude, ou à orla de infinitude, tanto se lhe dá. Pois, "As coisas sem importância são bens de poesia".
Desde sempre Manoel de Barros tem nos assombrado com suas pequenas coisas sem importância. E tem conseguido. Do nada, retira a essência. Faz-nos ver a diferença entre uma coisa e outra coisa, bem como a importância das duas, e de todas: "g - Nos versos mais transparentes enfiar pregos sujos, teréns de rua e de música, cisco de lho, moscas de pensão...". Aí estão os temas ditosos e diários.MB trabalha o diariamente sob o olhar da criança que nos habita, ou que da qual nos esquecemos: "Um garoto emendava uma casa na outra com urina"; "À margem das estradas Secavam palavras no solo como os lagartos...".
Afinal, onde estivemos enquanto as palavras nos chamavam para conversar? De quantos empregos precisa uma palavra para se dizer ausente? "Só as dúvidas santificam O chão tem altares e lagartos".
Por isso, ficamos com A DESCOBERTA, onde encontramos que "Anos de estudos e pesquisas: Era no amanhecer Que as formigas escolhiam seus vestidos.
A poesia é assim, vestida e descoberta, como as bifurcações ou as tabacarias: depende de que janela a olhamos.

Submited by

domingo, julho 12, 2009 - 23:25

Críticas :

No votes yet

PedroDuBois

imagem de PedroDuBois
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 18 semanas
Membro desde: 03/15/2009
Conteúdos:
Pontos: 1484

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of PedroDuBois

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral CONFUSÕES 1 1.150 02/27/2018 - 12:02 Português
Poesia/Geral AVESSOS 3 1.199 02/27/2018 - 12:01 Português
Fotos/ - Foto 0 3.642 11/24/2010 - 00:39 Português
Críticas/Livros Brisa em Bizâncio, Fernando José Karl 0 1.412 11/19/2010 - 02:39 Português
Críticas/Livros HOMEM NO ESCURO, Paul Auster 0 2.083 11/19/2010 - 02:39 Português
Críticas/Livros AS METAMORFOSES, Murilo Mendes 0 2.282 11/19/2010 - 02:39 Português
Críticas/Livros MATERIA DE POESIA, Manoel de Barros 0 2.239 11/19/2010 - 02:39 Português
Críticas/Livros A ARTE DA PRUDÊNCIA, Baltasar Gracián 0 2.570 11/19/2010 - 02:39 Português
Poesia/Geral PRÊMIOS 0 1.797 11/18/2010 - 16:22 Português
Poesia/Geral ÚNICA TESTEMUNHA 0 1.315 11/17/2010 - 23:56 Português
Poesia/Geral A CASA DIVERSA 0 1.473 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Geral CORDAS 0 1.462 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Geral ENTREVISTO 0 2.058 11/17/2010 - 23:43 Português
Poesia/Geral (DO QUE SEI) 0 2.612 11/17/2010 - 23:25 Português
Poesia/Geral O COLETOR DE RUÍNAS 0 1.051 11/17/2010 - 23:25 Português
Poesia/Geral BREVES 3 1.588 07/16/2010 - 11:32 Português
Poesia/Geral RELEMBRANÇAS 0 966 07/13/2010 - 12:46 Português
Poesia/Geral AMARES 1 1.546 07/10/2010 - 00:13 Português
Poesia/Geral MAR ABERTO 0 1.329 07/09/2010 - 19:00 Português
Poesia/Geral A ÁRVORE PELA RAÍZ 1 1.028 04/29/2010 - 01:06 Português
Poesia/Geral ANDAR 5 1.644 04/28/2010 - 02:28 Português
Poesia/Geral BAILAR 4 1.303 04/26/2010 - 04:12 Português
Poesia/Geral ARES DA TERRA 2 1.339 04/23/2010 - 21:45 Português
Poesia/Geral LIBERDADE 3 1.139 04/21/2010 - 19:56 Português
Poesia/Geral PEDRAS 2 929 04/18/2010 - 17:30 Português