CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Condado vermelho

Deste-me a chuva na data do ontem
Com solos brotos lentos vermelhos.

Puxei vosso nome para me sentar,
Lithium amoroso dos remorsos aflitos.
Navegaste meu serão e minha ceia de madalena,
Toquei-me em ossos e nadamos no céu eterno nublado.
Tua orelha... Fria,
E a voz de manto a aquecê-la... Quem sabe eu.

Do resto um adeus é sono tranqüilo
Com mãos exatas e perfeitas.

Invadiram nossa mesa nem um pouco farta
A não ser de sonhos e palavras.
A lembrar-me da última vez que eras nua
Com o corpo a vestir toda a serra.
Saltaste de tua barca segura
Nadaste como quem voa em meus tristes e errôneos
                                                                      Olhos apagados.

A noite chora nestas batalhas...

Tuas meias de porcelana pendem da quieta cama

Somente tu conheces muito bem o sabor do cheiro
De todas as flores que plantei
Em tua pele

Esferas brilham velozes nas trevas que te dei
&
O capim fajuto e seco tornou colchão naquele passageiro equinócio ferido.
Procissões e velas nas praças abraçam lábios num beijo desconhecido.

Vem para mim grito do mundo!
Sacrificarei nossos cânticos de jasmim,
Seremos alimento dos sentimentos que mastigam
Com astúcia e lascividez.
Nas palmas longe das mãos faíscam nos bicos dos seios
Doutra mulher de si.

Deste-me aquele sol naquele dia que não veio,
A amarela flor posta ao centro de meus olhos anuviados.
Não precisamos suplicar jamais os amores que já foram inventados.

Esta é a carta que não é a carta para ti,
Um silêncio de palavras.
Abra-me o peito tabernáculo,
Escute a sombra do vento que se curva
Para divindades de nossas abertas frescas carnes.

Cotovelos pontiagudos no encalço de ombros tortos.

Tu és fascínio triste com gelo belo no rosto
Catavento da antiguidade visão do amanhã
                                                          Macia como morangos...

Se perceberes o amanhecer das pessoas fora de prumo
Esquivarias dos ois e olás
Do jeito que te ensinei.

Fechamos as pálpebras,
Não morremos
Só pulsamos o coração do cansaço

Se existimos! Digo que não.
Porque não é a hora de nosso incalculável tempo.
Se existimos! Torno a dizer que não.
Já que como o que somos juntos
Não comenta nem conta
O que temos e o que somos separados.

Só perante tu pela vida de dor contorcida
No afresco profundo do pomar proibido.
Receio o que és para mim
Tanto assim fêmea infeliz
Que sente vontade do universo em meus não momentâneos lábios de dar.

Se durmo sou o que não veio num sorriso educado
Nem a luz do nascimento do bebê da dúvida.
O afora são percebíveis planetas que não existem.

Morrerei para mim mesmo
Estrelas vitórias da lembrança foto preta e branca
Do passado que sou
Se não me tocas aqui.
Estás lá no cimento seguro de quem te plantou
E que fez-te de deus ou demônio
                                      Em sangue de uva sêmen em vagina
                                      Pai e mãe tambores medrosos
                                      Conhecidos da paternidade perdida
                                       Num simples gesto sem fôlego
                                       Na cascata que com volúpia no
                                       Respirar de sua conturbada falta de ar
Bebeste severamente o finalmente lindo tecido
                                       Transparente ardente filtro limítrofe
                                       Córrego nascente com maior milagre
                                      Da incerteza misturada mesclada dos
                                      Alvéolos poços infernos maravilhosos
                                      Sua sepultura.

Estás morta, morreste!
No instante tornaste minha veia quente de vida.
O que farás agora se para os tontos que respiram
O não são tu foisse?
Para ser o que me amedronta tuas asas de pintura
Larva do tudo para mim.
Ausentou-se da lama gritante de tudo que está aqui
Estou aqui!
Mas tu?
Toco-te com medo e coragem
Oh! Invisível dom de mim...
Meu infinito
Meu fim
Pam, pano laranja cabelos negros em fim.

Esqueça o espectro! Perdida garota dum canto.
Vezes mais lhe peço!
Minha pedra branca cor de sem fim.

És a maior mascarada do nada
Coração parado entupido de mim.

Submited by

sexta-feira, novembro 30, 2012 - 22:57

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 40 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Duas paredes 0 842 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sede dos corpos 0 843 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O lixo da boca 0 798 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Virgem metal 0 1.487 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Carne de pedra 0 701 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Fim avarandado 0 932 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Dentro do espelho 0 739 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Um destroçado sorriso 0 829 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Anestésico da alma 0 1.438 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Fita laranja 0 913 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Caro insano tonto monstro 0 443 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Assaz lágrima ao soluço 0 497 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sítio da memória 0 863 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Aeronave de Tróia 0 1.044 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Barro frio 0 923 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Lutolento 0 924 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Não 0 652 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Da vida não se fala... 0 554 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Jesuficado 0 747 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O carisma do louco 0 1.069 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O sonho é a visão do cego 0 679 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Manhã infeliz 0 919 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O veneno da flor 0 512 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Olhos 0 853 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Silêncio esdrúxulo 0 734 11/19/2010 - 19:08 Português