CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Assaz lágrima ao soluço

Mas tu me houveste sussurrado com lágrimas nas palavras
Minha lamparina da inconsciência e meu sol já desgastado
Haveria de se apagar para sempre.
Uma mão falante ao telefone conduz o alfinete à alma mais uma vez
Naqueles descaminhos azuis impiedosos de minha agonia.

Pescai-me com olhos inundados no naufrágio do choro,
Sim, pescai-me do outro lado da linha ligada ao sangue
Pulsante latejante dum coração incrédulo e vacilante.

Tenebroso beijo escuro dizia o que uma têmpora triste
Haveria simplesmente de contar ou embalar na longa etapa
Da despedida ao flanco do som duma pequeníssima gotícula
Arremessada ao rosto encontrando o lago simples no canto dos lábios.

Leva avante um chiado ao ouvido cru à mingua
Ao entardecer da distância,
Enlaçamo-nos separamo-nos morramos
Sobre nós mortos à sepultura
Ainda fica uma leve tonalidade de semente não alimentada.

Urrou com toda dor com toda força da dor
Abruptamente um silente semblante aberto ao ar
Contorcido rosto.
Não. Não!... Não. Não!...

Troas mais uma vez e se apagas
Refugas das trevas e arquitetas o caminho do mesmo,
Bebamos nosso desespero e sorvei esta gota fria
Da consubstancialidade efêmera dum corpo tremulante
Soluçante assaz.

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 20:10

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 750 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.225 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 924 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 566 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.142 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 809 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.289 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 826 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.380 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.015 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 657 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.349 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 862 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 712 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.010 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.683 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 859 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.526 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português