CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O veneno da flor

Fora somente um arpejar de coisas arriscadas
Desferidas numa brutalidade arranhante
De noite revolta,
De mares humanos.
O qual misturamo-nos e,
Atormentadamente tornamo-nos
Ondas desconexas

Um arpoar de tormenta
Para depois deprimir-se em
Arrependida ressaca

Brancas páginas de nossas vidas
Manchadas por tintas de crisântemo sangue
Por
Beijos elétricos

Mundo seu agora
Dum campo extenso...
Ab ab ab que sinto
Sinto sinto sinto de dor

Ensurda-me os olhos leves vapores esverdeantes.

Custa-me muito viver
E pagamos para não sobreviver.
O valor nunca é o suficiente
E então acordamos estando onde estávamos
Pungindo então com toda força
A fragilidade da carne e do coração.
Lágrimas e fogo são amplamente iguais
Chamas queimantes dessecantes,
Mas não limpe a sujeira do passado
E nem grite com pupilas dilatantes
Inspire todas as tristezas e sofrimentos do mundo.

És veneno veneno
És flor flor
És ab ab
Absinto de dor.

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 19:58

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 21 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 755 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 959 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.233 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 932 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.190 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 577 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.152 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 817 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.296 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 696 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 754 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 830 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.386 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.025 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 664 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.360 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 868 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 719 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.017 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 694 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 799 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.693 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 863 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.530 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 958 04/24/2012 - 16:19 Português